acompanhe o blog
nas redes sociais

26.12.17

Não Me Abandone Jamais [Kazuo Ishiguro]

Não Me Abandone Jamais
Ed. Companhia das Letras, 2017 - 296 páginas
- "Kathy H. tem 31 anos e está prestes a encerrar sua carreira de "cuidadora". Enquanto isso, ela relembra o tempo que passou em Hailsham, um internato inglês que dá grande ênfase às atividades artísticas e conta, entre várias outras amenidades, com bosques, um lago povoado de marrecos, uma horta e gramados impecavelmente aparados. No entanto esse internato idílico esconde uma terrível verdade: todos os "alunos" de Hailsham são clones, produzidos com a única finalidade de servir de peças de reposição. Assim que atingirem a idade adulta, e depois de cumprido um período como cuidadores, todos terão o mesmo destino - doar seus órgãos até "concluir". Embora à primeira vista pareça pertencer ao terreno da ficção científica, o livro de Ishiguro lança mão desses "doadores", em tudo e por tudo idênticos a nós, para falar da existência. Pela voz ingênua e contida de Kathy, somos conduzidos até o terreno pantanoso da solidão e da desilusão onde, vez por outra, nos sentimos prestes a atolar."

Onde comprar:

Eu particularmente, acho que o resumo oficial desse livro que está no Skoob e na maioria dos sites de livraria (e aqui em cima) entrega bem mais do que deveria e juro que tentei encontrar uma sinopse oficial sem spoilers (passei horas procurando) pra colocar aqui, mas é simplesmente impossível. Todo mundo quis contar sobre o que eles são já de cara. Então, eu resolvi desapegar e usar essa sinopse aí mesmo.
Mas que fique claro que eu tentei te poupar do spoiler. Não rolou. Vida que segue.

Kazuo Ishiguro

Dito isso, eu preciso te tranquilizar: esse aqui não é um daqueles livros em que o spoiler estraga a experiência de leitura. Seria legal que você pudesse ler a história sem saber nada sobre ela? Seria. Acho que descobrir aos poucos "o que”, de fato, são os personagens e qual o lugar deles no mundo, teria sido uma experiência maravilhosa, mas o livro não é sobre isso (ou não é só sobre isso), então você não precisa se preocupar.

A ficção científica aqui é apenas o pano de fundo. Esse é um livro sobre questões mais profundas, sobre o que nos torna humanos, sobre sonhos, sobre crescer. E que livro! Eu tô sem fôlego até agora. Kazuo Ishiguro te joga na vida dessas pessoas de forma visceral e por diversas vezes eu me vi me colocando no lugar delas e sentindo com elas a dor de ter uma vida pré-determinada.

Não Me Abandone Jamais

A gente acompanha a história pelo ponto de vista da Kathy em primeira pessoa, e em vários momentos o autor abre espaço para que você possa se perguntar se tudo aquilo é real e se não teria a narradora se equivocado. Ela mesma se questiona algumas vezes, e isso serve pra humanizar a personagem. Você provavelmente já passou por uma situação em que comentando com algum amigo sobre um episódio que ambos viveram e se deu conta de repente que se lembravam da situação de formas completamente distintas. Isso acontece com Kathy diversas vezes e te ajuda a criar um laço com os personagens.

Kathy é o fio condutor da história. É ela quem nos guia através de suas memórias, de suas dúvidas e de seus anseios. É pelos olhos dela que conhecemos Tommy e Ruth e é à partir dos sentimentos dela que construímos nossa relação com eles. É muito interessante é observar a dinâmica entre Kathy, Ruth e Tommy sendo construída e modificada à medida em que eles crescem. Outra coisa legal é entender aos poucos o vínculo que os ex-alunos têm com o “internato” onde cresceram. Hailsham é quase um personagem da história e a ligação dos personagens com o que viveram lá é um dos pontos fortes da trama.

“Se bem que, embora eu diga que não fico procurando, o que acontece é que, à vezes, rodando por alguma estrada, de repente penso ter localizado um trecho de Hailsham.”

O livro é divido em três partes: a primeira sobre o tempo passado no internato, quando ainda eram crianças; a segunda com eles já na adolescência, após deixarem Hailsham; e a terceira com Kathy adulta, exercendo a função de cuidadora. Mas as coisas não são tão lineares, durante todo o livro Kathy faz comentários sobre coisas que ocorreram antes ou depois dos acontecimentos que ela está narrando, mas são comentários pontuais que de forma alguma te tiram da história. Na verdade, esses comentários servem pra tornar a narrativa mais humana e realista.

Kazuo Ishiguro

Há algo na escrita de Kazuo Ishiguro que seduz quase que imediatamente. Embora seja difícil (pelo menos foi pra mim) definir exatamente do que se trata. Ele não é um escritor muito poético ou cheio de metáforas, nem costuma brincar com as palavras. Na verdade ele bastante direto em passar as ideias que pretende, sem floreios. Nem por isso sua escrita é menos envolvente. Provavelmente por isso (entre outras coisas) ele ganhou o Nobel. Aliás, sobre o Nobel: eu já não tenho certeza se foi merecido. Como esse é o primeiro romance desse autor que eu leio, é difícil pra mim ter certeza sobre essa decisão. Mas como não sou eu quem distribui os Nobels por aí, isso não é um problema. O que posso dizer é que esse livro é excelente :D

Não Me Abandone Jamais

Existe um filme de 2010 baseado nessa história e tá na Netflix. Aliás, acho que a Netflix devia começar a pagar a gente, já que eu sempre cito alguma obra que está no catálogo deles. Mas voltando ao filme, eu o assisti a alguns anos atrás (eu era bastante fã da Keira Knightley e estava decidida a ver todos os filmes dela), me lembro de não ter gostado muito na época e então assisti novamente antes de terminar essa resenha, pra deixar a recomendação pra vocês. O que foi ótimo porque gostei bem mais do filme. Como já tinha lido o livro, foi mais fácil me conectar com os personagens dessa segunda vez. Não é um grande filme, mas vale a pipoca num um sábado à tarde. O livro é infinitamente superior.

Não Me Abandone Jamais é um daqueles livros sobre os quais você fica pensado por dias, depois de terminar a leitura. Recomendo!

Enfim, um beijo gigante pra você e até a próxima resenha.


Andressa Freitas
Mineira, aspirante à escritora e estudante de cinema. Se pudesse moraria em uma biblioteca, como não posso, estou empenhada em transformar minha casa no mais próximo disso possível. Viciada em séries e filmes, adoro ler, comer e viajar. Nerd assumida, fotógrafa de profissão, amo aprender coisas novas e imaginar histórias alternativas pra absolutamente tudo.
Cortesia do Grupo Companhia das Letras
*Sua compra através dos links deste post geram comissão ao blog!

comentários pelo facebook:

19 comentários em "Não Me Abandone Jamais [Kazuo Ishiguro]"

  1. Ainda não conhecia, gostei do que escreveu

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá! Parece ser um livro bem intenso, deve ser muito maluco ter uma vida assim, pré-determinada, gostei que o livro não possua muitos floreios, acho que vou gostar bastante desta leitura, não assistir ao filme, mas vou dar uma pesquisada, quem sabe não o assista num dos meus finais de tarde.

    ResponderExcluir
  3. Ainda não tive a oportunidade de ler nada do autor, mas imagino que sua escrita seja muito boa e ele ganhou um prêmio Nobel?! interessante e isso me deixa mais curiosa pra conhecer sua escrita. Sobre o spoiler eu nem me importo pois gosto, mas imagino que seja mesmo muito bom ir descobrindo os segredos dessa história especificamente aos poucos, as mensagem que ela trás podem ter mais impacto. Eu curti muito a resenha e espero poder ler o livro mais a frente, mas o filme vou procurar pra assistir logo ;)

    ResponderExcluir
  4. Oi, Andressa. Apesar de não ter muitos detalhes reveladores, esse com certeza é um livro que nos fará sofrer/mexer com nossas emoções! E parece ser bem triste!

    ResponderExcluir
  5. Olá Andressa! O livro não me chamou muita atenção, apesar das reflexões que ele evoca. Concordo que a sinopse deveria ser um pouco menos reveladora, o que tornaria a trama mais surpreendente. às vezes um autor de escrita bem direta é melhor do que aquele que faz inúmeras metáforas, as quais o leitor não compreende de tão complexas. Vou assistir o filme para ver se me interesso mais pela história. Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá, apesar desse spoiler na sinopse, é impossível não ficar animado para conferir essa obra de Ishiguro, que consegue gerar reflexões acerca do que nos define como seres humanos. Achava que a a escrita do autor era mais subjetiva por ter ganhado um Nobel, mas fiquei feliz de saber que é de fácil entendimento. Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Andressa. Como vai?
    Nunca li o livro, aliás, nem sabia que existia mas consegui assisti o filme há muitos anos atrás. Eu realmente gostei mas não curti o enredo. Esse negócio de criarem crianças para serem doadoras no futuro me soa cruel demais, chorei horrores com o filme e com o destino dos personagens, é tudo tão triste.
    Enfim, mas eu realmente gostei e fico feliz em saber que você também.
    Beijos
    http://www.suddenlythings.com/

    ResponderExcluir
  8. Andressa!
    Gosto dos livros no estilo, onde podemos repensar uma sociedade tão cruel como a nossa, mas ainda assim, saber que algumas pessoas, mesmo que de forma ficcional, conseguem superar seus problemas e s tornam adultos equilibrados e produtivos.
    Não li nada do autor ainda, mas preciso.
    Uma semaninha abençoada na paz do Senhor !
    “Para ganhar um ano novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.” (Carlos Drummond de Andrade)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  9. Eu acredito que só quem já teve o minimo de contato com as letras do Kazuo, entende bem os motivos dele ter ganho o Prêmio deste ano que se encerra. O moço consegue mexer com o psicológico da gente,fazendo brotar sentimentos que a gente nem imagina que tenha.
    Ainda não tive o prazer de ler este livro, só vi o filme há um bom tempo(gostei muito).
    Mas as questões humanas precisam sim, ser escritas e imaginadas.
    Quero muito poder ler esta obra!
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Oi Andressa.
    É realmente uma pena que essa sinopse seja tão fofoqueira, mas enfim, eu adorei saber que apesar disso a experiência com o livro ainda pode ser bem positiva, eu adoro esse tipo de livro, que nos faz refletir a cerca de algo e que mexe um pouco com nosso psicológico ao fazer isso, achei essa capa bem interessante e estou curiosa para conferir com toda certeza.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Oi Andressa,
    Vi o filme algum tempo atrás porquê achei a sinopse curiosa, se o livro é superior vale a leitura mesmo conhecendo a história, não lembrava que era ganhador do Nobel, mas acho que vou pegar outra obra do Kazuo Ishiguro para conhecer sua escrita antes, O Gigante Enterrado chamou minha atenção.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Eu não conhecia esse livro e nem o autor, mas tem uma premissa muito boa. A resenha me deixou com aquele ar de quero mais, com certeza vou querer ler e conhecer um pouco mais sobre a personagem.

    Meu Blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  14. Parece ser uma historia bem reflexiva com muitos questionamentos, fiquei me perguntando se existissem esses clones na realidade, deve mexer muito com o emocional do leitor essa historia, não assisti o filme e já quero mas vou querer ler o livro também.

    ResponderExcluir
  15. Que bom ver a sua resenha! O Kazuo é um dos meus autores favoritos e é difícil ver gente falando sobre os livros dele por aí. Por favor leia Os Resíduos do Dia, é o meu livro favorito do autor e conseguiu ganhar de Não Me abandone Jamais (que pra mim também é excelente). Toda vez que leio um livro do Kazuo fico com uma sensação de melancolia e dor, os livros não saem da minha cabeça, fico dias só pensando no que eu li. Esse é o meu tipo favorito de escritor.

    ResponderExcluir
  16. Oi, Andressa!
    Apesar de prefirir escrita igual a do Kazuo Ishiguro - sem metáforas e floreios - eu não me interessei pela trama de Não me abondone jamais, mas quem sabe eu assista ao filme inspirado nessa história e ai então me interesse em ler sobre a história de Kathy, Ruth e Tommy?!... Abraços!

    ResponderExcluir
  17. já amei logo de cara a resenha,a pouco tempo li um livro lindo sobre clones(DEZESSEIS) da universo do livros me lembrei imediatamente,vou procurar esse livro pra ler,obrigada pela dica...

    ResponderExcluir
  18. Oi, Andressa!
    Não sabia que esse livro já tem um filme baseado nele e o melhor é que já está na Netflix!! Vou assistir, mas sem dúvida também gostaria de ler o livro!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
  19. Oii Andressa ;)
    Eu conheci o livro há pouco tempo, e pelas resenhas que já li e depois de ler a sua agora, fiquei bem curiosa acerca da trama que o autor criou.
    O livro parece mesmo ter uma narrativa pesada e real, e como eu adoro um livro com temas assim, tenho certeza de que a leitura tem potencial para me agradar bastante.
    Vou ver se encaixo ele na meta para o primeiro semestre, e espero gostar da história e gostar de "mergulhar" na cabeça da Kathy, que parece uma personagem bem complexa.
    Adorei sua resenha do livro, e já coloquei ele na minha lista de leitura!
    Bjos

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir