acompanhe o blog
nas redes sociais

6.5.19

O Mundo de Sofia [Jostein Gaarder]

O Mundo de Sofia
Cortesia do Grupo Companhia das Letras

Se você já passou ou ainda está passando pela fase do Ensino Médio, então provavelmente você já deve ter se deparado com uma matéria na sua escola chamada Filosofia. E se eu estiver certo, você provavelmente deve ter achado (ou deve estar achando) essa matéria um verdadeiro... PORRE!

Afinal, que coisa mais sem pé nem cabeça é essa tal de Filosofia! Cheia de teóricos com nomes estranhos: Aristóteles, Schopenhauer, Nietzsche (esse eu tive que pesquisar no Google, pra checar como se escreve), todos eles com suas frases e ideias ainda mais confusas.

Por ser considerada uma matéria “difícil”, a maioria dos estudantes não se interessa muito por Filosofia. Boa parte se quer chega a pegar um livro sobre o assunto, além dos didáticos. Mas e se houvesse um livro que pudesse nos mostrar a história da Filosofia – com todas as suas principais correntes e pensadores – de uma forma divertida e envolvente?

Pois é! Esse livro não só existe, como também é muito popular no universo literário. Vem comigo que eu vou te contar tudo o que você precisa saber para se aventurar em O Mundo de Sofia.

Jostein Gaarder
Título: O Mundo de Sofia
Autor: Jostein Gaarder
Tradutor: Leonardo Pinto Silva
Editora: Seguinte
Gênero: Romance
Páginas: 568
Edição: 19ª
Ano: 2012
Onde comprar: Amazon, Submarino, Travessa

Publicado originalmente em 1991, O Mundo de Sofia (Sofies verden, em norueguês) foi escrito por Jostein Gaarder, professor de Filosofia e intelectual norueguês, e autor de vários contos, romances e histórias. Gaarder tinha justamente essa preocupação: ele achava que os livros de Filosofia usados nas escolas eram bastante complexos e, por isso, pouco interessantes aos olhos da juventude. Assim, o professor decidiu ele mesmo escrever um romance que pudesse explicar a história da Filosofia e, ao mesmo tempo, divertir e entreter os leitores.

O Mundo de Sofia
Jostein Gaarder, professor de Filosofia e autor de O Mundo de Sofia.

Assim nasceu Sofia Amundsen, uma garota de quatorze anos que vive na Noruega, na década de 1990. Sofia mora com sua mãe, Helena Amundsen; o gato malhado Sherekan; os três peixinhos de aquário Rødhette, Gulltop e Svartepetter; os periquitos Smitt e Smule, e a tartaruga Govinda (eu também não sei dizer se isso é mesmo em uma casa ou um zoológico, porque... né?).

O pai de Sofia, por sua vez, é o capitão de um navio petroleiro e, por isso, está sempre viajando pelo mundo. Então, basicamente, Sofia leva uma vida bem normal, frequentando a escola, saindo com os amigos, cuidando de seus bichinhos e fazendo a lição de casa.

Tudo isso muda quando, em um dia completamente aleatório, Sofia chega em casa depois da escola e encontra duas cartas endereçadas à ela – detalhe: SEM REMETENTE. Uma das cartas traz um questionamento curto, mas bastante confuso – “Quem é você?” – enquanto a outra carta questiona “de onde vem o mundo?”.

Vamos fazer uma pequena pausa aqui.

Jostein Gaarder

Imagina que você chegou em casa e, na sua caixa de correio, tem dois bilhetinhos anônimos. Você pensa logo “ai meu Deus, será que é do crush?”. Mas então, você descobre duas perguntas completamente aleatórias, e não faz ideia de como ou para quem responder. Eu não sei vocês, mas eu ficaria meio paranóico.

É mais ou menos por esse caminho que Sofia embarca também. Intrigada com as cartas, ela começa a pensar sobre as duas perguntas, tentando encontrar uma resposta.

“Quem é você?
Óbvio que ela sabia. Ela era Sofia Amundsen, claro, mas quem era essa pessoa? Isso ela não havia descoberto direito ainda.
E se por acaso ela tivesse outro nome? Anne Knutsen, por exemplo. Ela seria outra pessoa então?”

E não para por aí.

O remetente anônimo logo se identifica como um tal de Alberto Knox, que é professor de Filosofia. Através das cartas, ele começa a ensinar a história da Filosofia – dos pré-socráticos aos dias atuais – para nossa protagonista adolescente.

Durante as aulas, Sofia (que, em grego, significa SABEDORIA) vai descobrindo reflexões dos maiores pensadores de todos os tempos, enquanto vivencia os acontecimentos mais estranhos e bizarros de sua vida. Aparentemente, o Prof. Alberto não é o único que escreve para nossa heroína. Sofia também recebe diversos cartões postais de um tal de Albert Knag, cujos poderes de onipresença e onisciência se equiparam aos de Deus, um mistério que fervilha não só as cucas de Sofia e do Prof. Alberto como a nossa também.

Ao longo de todo o romance, Sofia testemunha a história da Filosofia de forma leve e divertida. Ela aprende sobre filosofia medieval dentro de uma igreja arquitetonicamente gótica – com direito ao professor Alberto vestido de monge – e também descobre as vidas de Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir em um delicioso café francês. Isso tudo sem mencionar os mistérios, questões filosóficas e raciocínios lógicos que surgem como quebra-cabeças diante da nossa protagonista, exigindo não apenas de sua capacidade reflexiva, mas também do seu autoconhecimento.

O Mundo de Sofia fez um sucesso estrondoso pelo mundo inteiro, tendo sido traduzido para mais de 60 idiomas. Aqui no Brasil, o título foi traduzido por Leonardo Pinto Silva e ganhou, recentemente, uma reedição especial para celebrar seu aniversário de 15 anos de publicação e, também, os mais de 1 milhão de exemplares vendidos.

O livro pode ser lido tanto como um romance adolescente, como também um guia básico sobre a história da Filosofia. Mas essa afirmação também levanta um questionamento: será que é possível ensinar filosofia através de um romance voltado ao público adolescente?

Ainda na época de sua publicação, a crítica literária torceu o nariz para o romance escrito por Jostein Gaarder. Eles afirmavam que o livro trazia uma abordagem muito crua e superficial sobre a Filosofia – o que, de certa forma, não deixa de ser verdade. Entretanto, posso dizer a vocês que O Mundo de Sofia cumpre bem o seu propósito: enquanto nos mantém entretidos com uma história repleta de aventura e mistérios, ele também desperta nosso interesse para temas mais complexos, nos convidando a querer conhecer mais sobre a história da Filosofia.

Por ultimo, eu gostaria de ressaltar com vocês a etimologia da palavra FILOSOFIA. Palavra de origem grega (philosophia) que, literalmente, significa “amor pela sabedoria”, trata-se do estudo das questões gerais e fundamentais relacionadas com a natureza da existência humana; do conhecimento; da verdade; dos valores morais e estéticos; da mente; da linguagem, bem como do universo em sua totalidade.

A Filosofia permeia tudo aquilo que nós conhecemos – nossa trajetória, nossa forma de pensar, de sentir e de descobrir o mundo ao nosso redor. A Filosofia é o saber mais abrangente, pois ela se ocupa com os grandes temas da humanidade. Descobrir o mundo da Filosofia não é apenas fazer uma viagem pelo conhecimento, mas é também uma oportunidade de compreender o universo e a nós mesmos – e esse, meus queridos, é o grande propósito de nossas vidas.

Eu também queria aproveitar essa oportunidade para indicar uma série incrível: MERLÍ. Produzida pelo canal TV3, da Catalunha, a série apresenta o professor Merlí, um professor de Filosofia bastante irreverente que começa a dar aulas para adolescentes, em uma escola pública. Com certa influência de filmes como Sociedade dos Poetas Mortos, Merlí tenta deixar a filosofia mais próxima de todos os públicos. Cada episódio se baseia nas ideias de algum pensador ou escola filosófica, como os peripatéticos, Sócrates, Aristóteles, Nietzsche ou Schopenhauer, que acabam servindo de fio condutor para os acontecimentos da série. E detalhe: tá disponível na Netflix!

MERLÍ, série catalã distibuída pela Netflix.

E você? Já leu O Mundo de Sofia? Curtiu a resenha e ficou interessado? Gosta de Filosofia? Deixa nos comentários as suas impressões e me conta o que você achou desse livro incrível!

Muito obrigado por acompanhar até aqui. Grande abraço e até a próxima!

comentários pelo facebook:

12 comentários em "O Mundo de Sofia [Jostein Gaarder]"

  1. Olá Thiago,
    Amei a dica, eu já tinha ouvido muita gente falando sobre esse livro, mas nunca parei para dar atenção, ou procurei saber sobre o que se tratava. Mas a forma como você colocou me deixou muito empolgada para ler. Nunca gostei muito de estudar filosofia, sempre achei meio complicado, mas agora quero muito ler esse livro haha

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que coisa mais gostosa chegar no blog e ver a resenha deste livro tão ímpar!!!
    Acabei lendo ele já tem uns bons anos, numa versão com outra capa bem antiga. E esta introdução ao mundo da filosofia foi feita com tanto carinho e maestria, que na época eu até pensava: quero estudar mais a fundo tudo isso!
    Sofia é uma menina comum, simples, mas que já traz essa curiosidade dentro dela. Esse jogar o leitor no mundo das perguntas, das respostas, do querer sempre saber mais!
    Preciso urgente ver este seriado(já está na lista)
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Oi Thi!
    Não tive a oportunidade de ler O Mundo de Sofia durante o ensino médio ou adolescência, mas terei agora que estou um pouco mais velha.
    Assim que terminar de ler a série de romance de época, O Mundo de Sofia vai furar a fila.
    Se já estava muito empolgada e com expectativas altíssimas, depois da sua resenha elas aumentaram e muito.
    Um livro como esse é transformador e enriquecedor em qualquer idade não é?

    ResponderExcluir
  4. Thiago!
    Já li sim o livro e fiquei encantada na época da leitura.
    Na verdade, sempre me interessei muito por filosofia, as conjecturas, linhas de pensamento e dúvidas que formulamos, um mundo carregado de questionamentos que colocam a mente para pensar.
    Obrigada pela dica da série, vou procurar assistir.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Olá Thiago!
    Esse livro mudou minha relação com a filosofia. Eu não entendia direito a matéria e um professor me indicou a obra. Apesar das excentricidades da trama a forma como somos apresentados ao assunto é muito lúdica. Ainda me lembro de frases como: "O fato de o mar estar calmo na superfície não significa que nada esteja ocorrendo nas profundezas (ou algo assim), que me sensibilizaram bastante. Eu super recomendo o livro para todos os interessados no assunto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá Thiago!
    Confesso que não gostava muito de filosofia no ensino médio, porém acredito que o assunto não me foi apresentado da melhor forma, sendo que um livro como O Mundo de Sofia seria maravilhoso para despertar a minha curiosidade acerca da disciplina. Apesar de abordar os aspectos da filosofia de forma bem simples e talvez fantasiosa demais, o autor consegue fazer com que um assunto complexo esteja disponível ao alcance de todos, animando os leitores para a busca de novos conhecimentos.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Eu sempre gostei de filosofia, apesar de não ter tanto conhecimento.
    Li esse livro tem um tempo já, mas não foi uma leitura agradável. Achei a narrativa arrastada.
    Mas vale a pena ler, tem trechos maravilhosos.
    Eu amei seu post, valoriza a importância da filosofia e do pensamento crítico.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Thiago,
    Filosofia, com certeza, não foi uma matéria que me chamou atenção na escola e, para ser honesta, não me lembro de nada que estudei. Já ouvi falar muito no livro O Mundo de Sofia, mas não sabia nada sobre a história. Interessante e inteligente o autor trazer uma adolescente como protagonista deste livro, pois esse é justamente o ponto em questão: o quão difícil é para um jovem se interessar por filosofia, principalmente da forma como essa é ensinada na escola. Receber dois bilhetes anônimos pode ser encarado de diversas formas, mas acredito que a maneira como Sofia reage seria a mais comum, pois ficar curioso ou paranoico com o desconhecido faz parte da natureza humana. Imagina se todos os professores pensassem como Jostein Gaarder e transformassem todas as matérias em um livro tão interessante a ponto de atrair e prender a atenção dos alunos? Eu,certamente hoje, me lembraria de todas as matérias que aprendi na escola.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Thiago
    Vi falar muito do livro, porém nunca li.
    Filosofia na escola não era uma matéria interessante, assim como matemática. Infelizmente para mim tive professores nessas matérias que eu não conseguia aprender nada com eles.
    Mas tive amigos que compreendiam e passavam seus conhecimentos, assim pude entender.
    Quanto ao livro gostaria muito de ler e entender como Sofia aprendeu a filosofia de uma maneira lúdica e construtiva. Bilhetes anônimos nos dias atuais deixaria qualquer pessoa paranoica, com medo.
    É um livro que todos podem ler e quem sabe se interessar ainda mais por filosofia, afinal um apaixonado por ela que nos presenteou com esse romance.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Eu li esse livro há bastante tempo atrás e gostei demais da apresentação de toda a filosofia e os filósofos de uma maneira bem leve e divertida. Esse livro fez com que eu me interessasse pela filosofia em si. Precisamos de mais livros assim.
    Quanto à série, já coloquei na minha lista e vou assistir. Não conhecia. Mas é tanta coisa na Netflix que a gente não conhece, né?

    ResponderExcluir
  11. Olá! Ainda não tive a oportunidade de conferir o livro O Mundo de Sofia, embora sempre leia coisas muito positivas sobre ele, acredito que é muito bom consegui por meio de um romance saber mais sobre os princípios da filosofia, principalmente em nosso cenário atual.

    ResponderExcluir
  12. Oi Thiago,
    Li uma parte desse livro na adolescência, preciso pegar para concluir, como você disse, a filosofia permeia tudo o que conhecemos!
    Ah, o seriado Merlí também ouvi falar, hum, cada episódio tem ideias de um pensador diferente, interessante.

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir