acompanhe o blog
nas redes sociais

11.7.14

Passarinha [Kathryn Erskine]

Ed. Valentina, 2013 - 224 páginas:
      No mundo de Caitlin, tudo é preto e branco. Qualquer coisa entre um e outro dá uma baita sensação de recreio no estômago e a obriga a fazer bicho de pelúcia. Mas agora, depois do dia em que a vida desmoronou, seu pai, devastado, chora muito sem saber ao certo como lidar com isso. Ela quer ajudar o pai e a si mesma e todos a sua volta, mas, sendo uma menina de dez anos de idade, autista, portadora da Síndrome de Asperger, ela não sabe como captar o sentido. Caitlin, que não gosta de olhar para a pessoa nem que invadam seu espaço pessoal, se volta, então, para os livros e dicionários. Após ler a definição da palavra desfecho, tem certeza de que é exatamente disso que ela e seu pai precisam. Seguindo o conselho do irmão, ela decide trabalhar nisso, o que a leva a descobrir que nem tudo é realmente preto e branco, afinal, o mundo é cheio de cores, confuso mas belo. 

Onde comprar:


Passarinha é um livro emocionante, que trata de temas delicados sob a ótica de uma criança: a perda de um ente querido, a violência e a Síndrome de Asperger. Com pouco mais de 200 paginas – que a diagramação caprichada soube valorizar –, a autora insere os assuntos com esmero e de forma muito bonita.

Precisei fazer uma pesquisa para entender a síndrome e como afeta seus portadores. De acordo com o Hospital Albert Einstein, "são pessoas que têm extrema dificuldade em entender o que pensam e sentem aqueles que os cercam, a menos que essas emoções sejam explicitamente demonstradas e explicadas a eles. Prendem-se a regras e não conseguem agir com flexibilidade. Muitos possuem, inclusive, QI acima dos índices normais. E o fato de terem habilidade verbal muito desenvolvida, com um vocabulário amplo, diversificado e rebuscado, reforça nos pais a ideia de que seus filhos são superdotados.”

Caitlin tem dez anos e Síndrome de Asperger. Como não consegue estabelecer laços de amizade por ser mal interpretada pelas outras crianças, acaba se isolando na escola. Não gosta do recreio pelo barulho que a algazarra dos alunos provoca, preferindo as aulas de artes, quando consegue se expressar através dos lindos desenhos que produz - sempre em preto e branco, porque as cores a deixam confusa. Está passando por um momento emocional extremamente delicado: a mãe morreu de câncer, o irmão foi morto num tiroteio na escola e o pai está profundamente deprimido, mas tentando seguir em frente.

“Livros não são como pessoas. Livros são seguros.” (p. 42)

Em meio ao caos, Caitlin tem encontros semanais com a terapeuta da escola, para aprender a lidar com as emoções e a criar vínculos com os colegas. Ela precisa de regras práticas para estabelecer seu lugar no mundo e, para isso, desenvolve ‘instruções’ sobre como proceder. “Captar O Sentido”, para compreender além do sentido literal o que lhe é dito; “Olhar Para A Pessoa”, para estabelecer contato visual com seu interlocutor, além de outros conceitos. Ao conhecer uma nova palavra – Desfecho -, nossa protagonista empreende uma busca pela aplicação do termo em sua vida familiar, acreditando que só assim aliviará a dor que ela e o pai sentem com a partida violenta do irmão mais velho. Devon era uma espécie de guia para a irmã, traduzindo o mundo abstrato que ela não consegue compreender.

“Não gosto dessas palavras gêmeas logo logo porque a gente não sabe quando elas vão chegar de fininho e pegar a gente de surpresa e virar AGORA. Ou vai ver que é daquele tipo de logo logo que nunca chega a acontecer.” (p. 52)

Com essa missão em mente, Caitlin encanta o leitor. Tive a sensação de ser puxada pela mão, como as crianças costumam fazer para mostrar algo novo, e adentrar um universo sensível e carregado de pureza e simplicidade, com os significados que nossa menina tenta compreender. Apesar de enfrentar o preconceito das crianças da escola, em momento algum Caitlin é vitimizada – por se sentir diferente ou pela forma como a autora conduz a trama. Nesse ponto, Kathryn Erskine mostra que as dificuldades podem doer, mas na mesma intensidade também fazem crescer. Disposição e bom humor para enfrentar as vicissitudes da vida são boas armas e Caitlin está bem munida delas. É lindo acompanhar como a narradora-protagonista tenta superar suas limitações, compreendendo que as possui e que precisa de boa dose de trabalho e empenho para suplanta -las. Uma boa lição, leitores!

O desfecho, tanto para Caitlin e seu pai, como para o livro, sai do preto e branco - que Caitlin insiste em usar em seus desenhos -, para o colorido recém-descoberto por ela, com encantamento. É tentando acertar e aprendendo com os erros que Caitlin ensina a viver com alegria e apaixona o leitor. A autora criou uma narrativa cheia de significados, que fazem da leitura um deleite, aquecendo o coração!


 Editora Valentina
Manu Hitz
Cearense, fisioterapeuta e mãe. “Eu não tenho o hábito da leitura. Eu tenho a paixão da leitura. O livro sempre foi para mim uma fonte de encantamento. Eu leio com prazer. Leio com alegria.” Ariano Suassuna.

*Sua compra através dos links deste post geram comissão ao blog!

comentários pelo facebook:

35 comentários em "Passarinha [Kathryn Erskine]"

  1. Eu amei esse livro, essa síndrome é pouco comentada/falada por ai. Geralmente as pessoas sabem o que se trata o Autismo, mas Asperger não. E acho que esse livro tem uma forma singela, mas realista pra comentar sobre. A Caitlin é uma fofa, é uma personagem tão cativante né? A gente vai acompanhando ela pra tentar "captar o sentido". E me deu uma dó dela, tentando fazer com o que o pai dela saísse dessa deprê. Outra coisa que me fez amar mais ainda foi quando ela fez amizade! Achei muito lindo <3
    Enfim, amei a resenha!! Parabéns :)

    ResponderExcluir
  2. Adoro livros que nos fazem refletir e esse me pareceu ser assim. A sua resenha me deixou curiosa e colocarei esse livro na lista com certeza.

    ResponderExcluir
  3. Oii
    Estou louca para ler esse livro desde o lançamento e espero gostar muito, não vejo a hora de ter oportunidade de lê-lo, pois gosto mt de assuntos desse gênero, são pouco falados hoje em dia e acho isso ruim, sua resenha está ótima e que bom que gostou da leitura.

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/2014/07/top-5-filmes-de-acao.html

    ResponderExcluir
  4. Apesar de toda a expectativa e ótimas resenhas, não consegui ler esse livro e sei que quando criar coragem não vou me arrepender, pelo menos é o que me parece pela reação das pessoas que leram! De qualquer forma mais um livro na listinha de vou ler XD

    ResponderExcluir
  5. Manuh querida, um livro indicado por ti com cinco estrelas já me faria parar pra ler e reler as considerações. e tem mais ainda, ele fala da síndrome de asperger que é algo que me hipnotisa. tem um funcionário que trabalha comigo que tenho certeza absoluta possuir tal síndrome. ele sabe o aniversário dos 5 mil funcionários da prefeitura de cor. e no dia de cada um lá está ele para cumprimentá-los. pra complicar um pouco a coisa toda, resolvi testá-lo. nasci em um dia e fui registrado em outro, coisa antiga né? pois bem, ele veio me cumprimentar no dia de meu registro e disse pra ele que tinha outra aniversário e ele não sabia qual era. evidentemente não sabia, então lhe contei. a partir desse dia ele continuou me cumprimentando no registro, daí digo a ele, meu aniversário já passou, ele pensa uns 10 segundos e diz, eu sei, foi no dia tal. ou seja, situações inusitadas devem passar por outro caminho na mente desse colega, mas nunca mais será esquecida. por outro lado ele não consegue se relacionar com ninguém, muitas vezes esquece de tomar banho durante semanas, e se alguém disse a ele que esqueceu a porta aberta ao sair (e pode ter certeza, há inúmeras pessoas que fazem isso por maldade), ele volta umas 8 vezes pra conferir. mexe na maçaneta quatro vezes (sempre 4 vezes, já observei), pega o elevador, desce até a rua, depois volta e repete o processo até completar 8 vezes. seria isso TOC e mais a síndrome?
    por essa razão e tantas outras é que sempre fico desorientado, louco pra ler histórias reais ou não de síndromes como esta, pra tentar entender um pouco do funcionamento do cérebro, pra confirmar que utilizamos a mínima parte dele. mas como despertar as outras áreas, áreas essas que aqueles que têm a síndrome conseguem?
    é querida, viu o que suas palavras fazem comigo? pois é, me colocam em estado de alerta, sempre. por isso as adoro!

    ResponderExcluir
  6. Esse parece um daqueles livros que acrescentam algo na vida da gente. Cheio de sensibilidade, a história convida o leitor a entrar em um "universo" encantadoramente desconhecido, a aprender sobre o diferente e aceitá-lo como é.
    Muita gente desconhece qualquer coisa sobre o autismo (e suas variações) e isso gera preconceitos absolutamente desnecessários (como todos, na verdade). Por isso, além do entretenimento, Passarinha é uma porta para o esclarecimento e para a conscientização.
    Estou doida para ler o livro. Já tenho certeza que vou amar.
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Oiee
    Não sou muito acostumada a ler livros onde os protagonistas são crianças ou pela visão de uma criança,mas essa história realmente me surpreendeu,também não sabia o que era a "Síndrome de Asperger" até você falar sobre ela na resenha.
    Se já é difícil para um ser humano "normal" lidar com o sofrimento e consequências de uma perda imagina para uma pequena garotinha que não consegue compreender seus sentimentos e emoções.
    O livro é encantador,acho que nunca li nada parecido mas quero muito.
    beijos :)

    ResponderExcluir
  8. Já tinha visto a capa e ouvido falar sobre esse livro, mas ainda não tinha lido nenhuma resenha sobre ele, parece bem interessante, ainda mais por se tratar de uma criança de dez anos que quer aprender a viver com suas limitações, tentando aprender como criar vínculos com os colegas e ser aceita por eles, na luta para superar a si mesma, ajudar o pai e as pessoas a sua volta. É comovente só de imaginar uma criança lidar com tudo isso , sua força, coragem e determinação para seguir em frente.

    ResponderExcluir
  9. Olha, Manu, eu tinha uma ideia totalmente errada sobre esse livro. No meu "pré conceito" imaginei que fosse algo assim fazendo a criança de vítima ou alguma coisa parecida, mas me enganei totalmente e me pareceu uma história linda. Gostei muito da sua fundamentação,inclusive indo buscar e nos trazendo mais sobre a Síndrome de Asperger. Como mãe, sempre fico com o coração na mão quando o enredo envolve crianças e fiquei espantada de, em pouco mais de duzentas páginas, termos uma história tão bonita. Se já fiquei encantada pela resenha, imagino o que o livro me trará.

    ResponderExcluir
  10. Gosto muito de ler livros que tratam desse assunto. Esse livro parece ser muito tocante, principalmente pela narração ser feita pela criança. A capa é muito bonita e já nos faz refletir sobre o Autismo.

    ResponderExcluir
  11. Fiquei curiosa em ler esse livro, a capa do livro por si só já é bastante interessante: Uma menininha em preto e branco dentro de um cesto, é bastante interessante também a protagonista ter Síndrome de Asperger, quero saber como a autora conduziu essa história que tem essa premissa tão legal. Obrigada pela resenha, não conhecia o livro e graças a ela tenho mais um livro na minha lista.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. o doce passarinha!
    quantas coisas e sentimentos um livro nos dá para pensar? não sei se consigo expressar em palavras a gentileza de sua resenha e o quanto ela me instigou a pensar! acho interessante a protagonista ter a sindrome, que não é comentada e que precisa ser desmistificada!
    literatura tem esse poder!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Aaaaaaaaah, Manuh! Como eu amei Passarinha. Caitlin é daquelas personagens que a gente agradece porque nunca vão crescer, sempre estarão ali, com a mesma idade, com a mesma inocência, com a mesma beleza.
    Adorei sua analogia sobre ser carregada pela mão; pensando bem, foi assim mesmo que senti.
    Eu já conhecia a Síndrome, principalmente por causa da disciplina Educação Especial na graduação, mas nunca tinha lido nenhum livro cujo protagonista fosse portador. Depois desse, li Colin Fischer, mas é bem diferente: adolescente, menino, sem nenhum trauma familiar forte. Mas é bem curioso enxergar o mundo por olhos tão diferentes dos nossos.
    Beijinhos!
    Giulia - Prazer, me chamo Livro

    ResponderExcluir
  14. Que lindo este livro deve ser!Um tema delicado tratado com sutileza e a forma como a autora conduziu a historia parece ser interessante.Gostei do detalhe das cores,pois elas deixam a protagonista confusa(as vezes isso realmente acontece).

    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Passarinha é, de longe, um dos meus livros preferidos. Fiquei encantada com a pequena Caitlin e sua lógica desconcertante. A autora abordou temas fortes, mas com uma narrativa sensível e recheada de humor, o que tornou a leitura deliciosa.
    Parabéns pela resenha, Manuh! Amei!

    ResponderExcluir
  16. ooieee manu,

    adorei sua resenha e fiquei bem emocionada com ela, não conhecia o livro mas meu interesse para a leitura nasceu HAUEAEUAUE

    beijos,
    nathália n.
    www.livroterapias.com

    ResponderExcluir
  17. Acho que é isso mesmo, Manu, a gente realmente sente que está sendo puxado pela mão ao entrar no universo da Caitlin. Esse livro me tocou muito, quando li fui pesquisar um pouco sobre a síndrome, como você fez, nunca tinha ouvido falar. Também me apaixonei e a Caitlin realmente tem uma bela lição a nos passar, é lindo ver como a garotinha faz de tudo para se conhecer e se aceitar, além de buscar superar sempre suas dificuldades.

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  18. Oie,
    nossa que livro bem diferente. Nunca tinha ouvido falar da história, mas já tinha visto a capa por aí.
    O livro deve ser lindo neh?

    bjos

    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  19. Oi Manuh!
    Que resenha mais linda! Vc sempre arrasando, heim?
    Eu tenho uma vontade imensa de ler esse livro por conta dos elogios à trama e pela carga emocional que ele envolve. Eu gosto de histórias que mexam comigo, que me emocionem e que, quando fechar o livro, esteja totalmente encantada.
    E creio que Passarinha tem todos os requisitos para se tornar minha leitura favorita ever. <3 Espero ter a oportunidade de ler em breve.
    Beijos
    Coisas de Meninas

    ResponderExcluir
  20. Oi! Eu achei a capa do livro diferente e pensava que o livro abordasse algo meio diferente, a sua resenha muito alguns dos conceitos que eu tinha sobre o livro, ele se tornou um ótimo candidato a minha lista de leitura. Bjoo

    ResponderExcluir
  21. Oi, tudo bem? Ainda não tinha visto esse livro, mas pela sua resenha parece ser bem legal...Quem sabe entre pra minha listinha de comprar. rs

    Beijinhos, Dany.
    http://livrosqueinspiram.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  22. Oi, tudo bem?
    Já li sobre essa Síndrome de Asperger no livro Colin Fischer, pela sua descrição de Caitlin, ela é bem parecida com Colin!
    Essa é a primeira resenha que leio de "Passarinha" e já me interessei pelo livro, são poucas histórias que nos transportam para um universo sensível e carregado de pureza e simplicidade.
    Amei a resenha!
    Beijos... Samantha Culceag.
    Só pra Menores

    ResponderExcluir
  23. Oi Manuh! Eu me senti ao lado desta linda menina durante a leitura, amei cada pedacinho do livro e chorei um bocado, é sensível, emociona, mas sem apelação e drama exagerado, é um livro único. Abordando o tema Asperger, li também Colin F. (Novo Conceito) e O projeto Rosie, ambos são bem bacanas, mas não tão tocantes quanto Passarinha. Eu quero ler um da Jodi Picoult que aborda o mesmo tema.

    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  24. Achei o livro muito interessante.
    Pretendo lê-lo em breve. Achei que a resenha foi muito bem escrita.
    O que me fez querer ler esse livro é como a autora parece tratar de forma emocionante temas trágicos e delicados.

    ResponderExcluir
  25. Oi Manu, resenha linda!
    Já li muitas resenhas positivas deste livro, e já ouvi muitos comentários enaltecendo a escrita desta autora, mas te confesso que ainda não me rendi a ele. Acho que o tema que a autora escolheu, é muito interessante e pouco explorado, mas sou muito manteiga derretida, e geralmente evito temas que me deixem triste ou me tragam sofrimento. Quem tem filhos como eu, costuma se conectar muito a histórias assim, contadas por crianças ou na qual elas sejam o cerne principal e sejam sofridas. Por isso, ainda vou demorar um pouquinho pra ter coragem de pegar para ler. Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
  26. Olá vi que esse livro é muito intenso e tem belas mensagens pra passar. Livros com personagens que tenha algum tipo de doença sempre me emociono.Tenho que me preparar pra ler este livro!

    ResponderExcluir
  27. Oi Manu!
    Poxa não gostei da capa pelo enredo, porque pela capa a criança aparenta ser uma vítima! O ex-namorado da minha melhor amiga tinha Aspenger era extremamente dificil lidar com isso, ele era eloqüente quando queria, mas se fechava em copas quando não se sentia confortável em alguma situação! Não sei como ELA conseguia lidar com isso.
    Adorei o fato da autora não vitimizar a protagonista, não sou a maior fã de livros que tratam de doença justamente por isso. Você acaba sentindo pena do personagem, achando que o mundo é muito injusto e blá blá blá!

    um beeijo Lara
    http://meusmundosnomundo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  28. Ai, que estória triste. Não pela síndrome em sim. Porque pelo que deu para perceber, isso não impede a personagem de lutar e viver...
    Fiquei com nó na garganta ao ler as perdas tão trágicas.
    Ao invés do pai servir de suporte para a filha ela quem reage... comovente!

    Adorei e fiquei sem palavras... desculpem!
    Bjs

    ResponderExcluir
  29. Oi, Manu! Menina, amei, amei, amei mil vezes a sua resenha. Sou louca para ler esse livro, porque parece incrível e só li comentários mega positivos até hoje. Também acho que seria mega interessante acompanhar uma narrativa feita por uma criança portadora de uma síndrome como essa.

    Um beijo enorme,
    Doce Sabor dos Livros - Aguardo a sua visita!

    ResponderExcluir
  30. Adorei a resenha, muito linda. Sempre vejo muita gente elogiando este livro e fico com muita vontade de lê-lo também. Já sabia um pouco sobre essa síndrome mas ler sobre um personagem que a tem deve ser melhor ainda para entender. Fiquei curiosa, parece ser uma leitura linda. :)
    beijos

    ResponderExcluir
  31. Eu estou, no momento, precisando ler um livro assim. Eu nunca li nada com esta temática, adoraria ler este livro.
    Ah, a capa é linda *-*

    ResponderExcluir
  32. A primeira menção que tive da Síndrome foi ao ler as resenhas de Colin Fischer, desde então estou curiosa para saber mais sobre a Síndrome de Asperger, o livro parece ser incrível e convidativo ao amadurecimento do leitor. Quero me emocionar com esta leitura.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  33. Eu já tinha visto esse livro a um bom tempo, mas nunca tinha parado para ler a sinopse. Posso dizer que fiquei encantada. Não fazia ideia de que tratava de temas tão fortes e de uma uma maneira tão delicada. Gosto bastante de livros narrados por crianças. Eles passam uma inocência que torna até o pior dos problemas em algo não tão impossível de se vencer. Suas resenhas sempre me deixam fascinada pelos livros que indica. Se não tivesse tantos na frente para ler começaria logo com esse :)

    ResponderExcluir
  34. Mais uma resenha extremamente positiva que leio sobre esse livro. A cada uma delas, minha vontade de conhecer essa garotinha só vai aumentando. Acho que deveria ser uma leitura obrigatória pra todo mundo. Me parece ser sensível e emocionante. O tipo de história que encanta por sua simplicidade. O tema abordado também é muito interessante, e nos faz conhecer um pouco mais sobre essa síndrome.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  35. Manuh,
    Ai meu Deus, quanta intensidade em suas palavras (pra variar)!!!
    O único contato que tive com um livro onde o protagonista tinha a síndrome, foi O Projeto Rosie. Eu adorei entender mais sobre uma doença que muita gente chega a ridicularizar por não entender o que é.
    Gosto de livros assim, que nos fazem pesquisar mais sobre coisas que estão aí em nosso universo e a gente desconhece e também livros de uma simplicidade que fazem vc "viver" a história, a dor, os sentimentos de quem está narrando.
    Acho que aqui, o fato de Caitlin ser criança, as coisas ficam ainda mais complicadas, pois é uma fase em que já é difícil entender as pessoas em um cenário de normalidade.
    Ai se deixar fico aqui falando o dia todo kkkkk
    Amei e COM CERTEZA absoluta vou ler!
    Obrigada... é só o que posso fazer por essa indicação!!!

    Beijos
    Chrys Audi
    Blog Todas as coisas do meu mundo

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir