acompanhe o blog
nas redes sociais

7.10.14

As Sete Irmãs [Lucinda Riley]

As-Sete-Irmãs
Ed. Novo Conceito, 2014 - 560 páginas:
      Elas eram seis irmãs. Crianças vindas de lugares distantes, transformadas em família por um homem misterioso. Unidas pelo amor e pelas dúvidas sobre suas origens. Até o dia em que perdem o pai, o que encoraja cada uma a cumprir o seu destino em busca do passado. Maia, a mais velha, é a primeira a procurar a verdade. Em meio às belezas do Rio de Janeiro, ela irá mergulhar em uma história de amor devastadora, sob os braços do Cristo Redentor.

Onde comprar:



Como é bom terminar uma leitura com vontade de mais! Completamente envolvida pelo amor dos personagens e, de bônus, com boas reflexões sobre as escolhas que fazemos na vida, fecho o livro rendida ao talento de Lucinda Riley.

As Sete Irmãs (Novo Conceito, 560 páginas) é o primeiro de uma série longa: serão sete livros. Haja fôlego para ler tudo, haja paciência para esperar pelos lançamentos. Como a escritora é muito querida no Brasil – razão que a levou a escrever este romance nas nossas paisagens -, com certeza o sucesso está garantido.

Pa Salt era um homem rico, inteligente e misterioso, que adotou seis meninas de diferentes lugares do mundo e deu-lhes os nomes de seis estrelas da constelação das Sete Irmãs. Após sua morte, cada filha recebe uma carta carinhosa com um conselho para a vida e algumas pistas sobre a origem de cada uma. Generoso, o pai deixa que decidam buscar ou não suas histórias.

Cada livro é dedicado a uma das irmãs e um mistério envolve o último, uma vez que Pa adotou apenas seis meninas. O leitor pode verificar esta informação no vídeo da autora, no link no final da resenha.

O primeiro livro da série conta a história de Maia, a primogênita, tradutora talentosa que permaneceu morando com o pai numa magnífica ilha na Suíça, enquanto as outras irmãs seguiram suas vidas pelo mundo. Maia guarda um segredo que só divide com Marina, a fiel governanta de Pa Salt, que ajudou a criar as meninas com o carinho e a preocupação de uma mãe.

Ao receber a carta, Maia fica intrigada ao saber que teria sido adotada no Brasil. Curiosamente, fora estimulada pelo pai a aprender português. Em meio à dor do luto, resolve viajar para o Brasil depois do telefonema de alguém que não quer reencontrar. No Rio de Janeiro, tem como guia Floriano Quintelas, escritor e historiador brasileiro cujo último romance ela traduzira para o francês. A amizade entre os dois passa a ser fortalecida pelo interesse de Floriano em ajudar Maia a desvendar os mistérios do seu passado. As pistas que têm levam à decadente Casa das Orquídeas, onde vive Beatriz Cabral, a suposta avó de Maia, que não quer nenhum contato. Mas a cuidadora da velha senhora entrega a Maia antigas cartas de Izabela Bonifácio, sua bisavó.

A partir desse ponto, a narrativa passa a ser alternada entre o presente de Maia e o passado de Izabela, nos anos 20. Izabela é uma linda jovem, obrigada a aceitar um casamento arranjado pelo pai, um rico produtor de café que ambiciona frequentar as altas rodas cariocas. O noivo é o insosso Gustavo, filho único da tradicional família Aires Cabral, que vê no casamento a possibilidade de sair da atual decadência financeira.

"Bel entrou no banheiro luxuoso. Fechou os olhos e pensou em como era ridículo que um anel em seu dedo e algumas frases curtas pudessem mudar sua vida tão profundamente. O contraste entre a Bel feminina e solteira - cuja virtude deveria ser protegida a todo custo dos machos predadores - e a mulher que agora, a poucas horas de entrar em um quarto sozinha com um homem para o mais íntimo dos atos, beirava o ridículo. Ela ergueu os olhos para seu reflexo no espelho e suspirou."

Através da história de Izabela, a autora nos conta sobre o período de construção do Cristo Redentor e insere personagens reais no romance, como o engenheiro brasileiro da obra, Heitor da Silva Costa, o escultor francês Paul Landowski (responsável pela escultura) e seu assistente, Laurent Brouilly, a grande paixão de Izabela em Paris. Com Maia, descortinamos a beleza natural do Rio de Janeiro atual, com todas as desigualdades sociais e a riqueza cultural que caracterizam muito bem o nosso país.

O amor que liga Izabela a Laurent é lindo, intenso e proibido. A escritora vai esculpindo um belo texto palavra a palavra, valorizando o cenário encantador do Rio de Janeiro antigo e de Paris no final dos anos 20, com todo o romantismo sufocado pelas convenções sociais. Riley engrandece a narrativa com os fatos históricos e os mistérios que precisam ser descobertos, instiga o envolvimento com os personagens à medida que conhecemos suas paixões e fraquezas. Alimenta no leitor uma curiosidade irresistível sobre o destino dos casais que se formam. Torcemos pelo amor, é inevitável.

O romance do século XX influencia Maia fortemente, levando-a a questionar as escolhas que fez até o momento. O exemplo da audaciosa Izabela do passado traz mudanças significativas para a vida da bisneta, que ousa experimentar ser fiel aos seus mais íntimos desejos e sentimentos. Então, Maia sai do casulo frio onde sempre estivera escondida, agora fortalecida e vibrante, encorajada e encantada pelo atencioso Floriano. Para os românticos, mais uma dose de suspiros, paixão e arrebatamento.

Gostei muito de Laurent e Floriano, homens dedicados, cavalheiros e apaixonados. Apreciei ainda mais as personagens femininas. Enquanto Izabela é decidida e corajosa, mas acaba resignada a uma vida morna por um grande motivo (deixarei que o leitor descubra), Maia é muito introspectiva e medrosa, mas encontra na paixão a possibilidade de uma louca virada. Coisas que o coração ajuda a resolver... As duas grandes mulheres do romance vão na contramão uma da outra.

As Sete Irmãs é um livro que fala dos caminhos que tomamos na vida, as inevitáveis consequências das escolhas que precisamos fazer e as pendências geradas pela falta de coragem. Da necessidade de enfrentar o que vem pela frente, de assumir os sentimentos, de seguir o coração. É um livro para românticos, sem dúvida. Adorei ver personagens tão destemidas, mulheres que abraçaram suas decisões e pagaram o preço cobrado. Que muito choraram, mas nunca se desviaram de seus valores.

“Você é linda, minha querida Maia. Desejo tantas coisas para o seu futuro... Acima de tudo, desejo que encontre o amor. É a única coisa na vida que torna a dor de viver suportável. Por favor, lembre-se disso." (Beatriz, p. 529)

Não se deixe enganar: Lucinda abre lentamente sua caixinha de segredos e dela vai retirando os retalhos que dão cor aos fatos históricos à época da construção do Cristo, com ingredientes calorosos que merecem os cenários do Rio e de Paris. O livro termina com um convidativo gancho para o próximo, que será sobre a segunda irmã, Ally.

Depois da leitura carregada de emoção, fica viva aquela inquietante indagação “e se eu tivesse feito diferente?” que muitas vezes nos ocorre quando fazemos um balanço da vida. Quem nunca ficou imaginando as várias possibilidades para decisões diferentes? Para esta pergunta, vale registrar a bela lição do livro, um soco logo nas primeiras páginas, no recado que o patriarca Pa Salt deixa à primogênita Maia: “ “nunca deixe o medo decidir o seu destino”.

Link do livro no Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/399731-as-sete-irmas
Booktrailler do livro: https://www.youtube.com/watch?v=Lrc6TATdbws
Lucinda Riley fala da criação da série: https://www.youtube.com/watch?v=A8_05-ROpoY

Cortesia da Editora Novo Conceito

Cearense, fisioterapeuta e mãe. “Eu não tenho o hábito da leitura. Eu tenho a paixão da leitura. O livro sempre foi para mim uma fonte de encantamento. Eu leio com prazer. Leio com alegria.” Ariano Suassuna.

*Sua compra através dos links deste post geram comissão ao blog!

comentários pelo facebook:

32 comentários em "As Sete Irmãs [Lucinda Riley]"

  1. Eu só li dois livros da Lucinda até agora. E adorei, a mulher escreve com maestria. As 500 páginas e poucas passam despercebidas. Eu adoro essa característica dela de alternar passado com o presente dos personagem. É um dinamismo muito bacana. Agora sobre esse livro, simplesmente preciso lê-lo. Primeiro por falar do Brasil! kkk Mas o enredo é cativante demais. Já pelo que você falou, gostei dos personagens. E fiquei curiosa pra saber o porque da Maia ter uma vidinha morna. Ok, fiquei curiosa pra conhecer mais afundo toda a história.
    Meu exemplar está pra chegar, acho que assim que pagar nele já começarei a leitura. haha
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Li à pouco tempo uma outra resenha sobre esse livro e desde então que fiquei curiosa. O facto de serem 7 livros (se não estou em erro) inspirada em cada uma das irmãs captou totalmente a minha atenção. Infelizmente esse livro não vende em Portugal :S
    www.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  3. Sete livros é bastante coisa mesmo, Manu, para uma série. Mas quando a obra é gostosa de se ler e a personagem é tão querida assim aqui, como você falou, com certeza ler os sete será fichinha. O problema vai ser esperar esses lançamentos. A ansiedade e agonia vai tomar conta rs

    ResponderExcluir
  4. querida Manuh, e não é que meu destino muitas vezes foi decidido pelo medo? sou um sonhador que não anda descalço, então na maioria das vezes, próximo de me aventurar a algo novo, paro, reflito e me deixo levar pelo que é seguro, por aquilo que está à minha frente, o desconhecido me inibe, me estaciona, me dá paúra. então invejo tremendamente aqueles que mergulham no penhasco, adrenalina a mil, sem salva-vidas, apenas pelo gosto do inexplicável, arriscando tudo em prol dos seus sonhos. será que este livro não seria na medida para alguém como eu? acho que sim, além do mais há personagens históricas inseridas, coisa que aprecio demais. suas resenhas têm o dom de instigar não só minha curiosidade, mas também minha reflexão e você bem sabe isso, tanto que quando a leio e a releio, penso: caramba, ela está falando isso tudo pra mim? penso que suas palavras de alguma forma me tocam fundo e por isso curvo a elas e aos livros que lê. obrigado!

    ResponderExcluir
  5. oie manu!
    eu ainda não li nenhum livro da Lucinda, até porque nenhum deles em chama atenção... mas a Sete Irmãs até consigo desejar ler por causa do Rio mas não é algo que eu "precise ler agoraaaaaaaa", se é que me entende HAUEHUAEHUAE

    besos
    ~nathália n
    www.livroterapias.com

    ResponderExcluir
  6. Já tinha ouvido falar da Lucinda, mas ainda não tive a oportunidade de ler uma obra dela... Essa série parece que será muito boa, e o fato desse primeiro livro se passar aqui no Brasil traz ainda mais curiosidade para lê-lo... Gostei da ligação entre as duas mulheres e de contar as história das duas... Acredito que deve ser belíssimo o contexto de construção do Cristo... Vou ler assim que puder, pois me interessei bastante...
    Kisses =*

    ResponderExcluir
  7. Conheci Lucinda Riley através do livro A Casa das Orquídeas, o qual julguei pela capa, infelizmente é um defeito que tenho rsrsrs, e não queria lê-lo, mas quando comecei a ler me apaixonei pela história de um jeito que não queria mais desgrudar os olhos da leitura. Agora estou sonhando em ler A Rosa da Meia-Noite e As Sete Irmãs, que pela sua resenha me parece bem instigante, sem contar que quando você mencionou que é romântico, fiquei com muito mais vontade de lê-lo. Parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Manu! Primeiro, preciso dizer uma coisa que está entalada aqui na garganta: VOCÊ É MÁ!
    Cara, que resenha é essa? Sinceramente! Amei, meu! Amei, amei e amei. Nunca li nada da autora, como já comentei com você, mas esse livro parece tão incrível que fiquei tentada a coloca-lo na minha enorme lista de desejados! Toda essa história de consequências, esses cenários, o romance e tudo mais me chamaram muita atenção. A única coisa que me deixou meio pra trás foi o fato da obra ser o primeiro volume de uma série composta por sete livros. Isso é triste!

    Um beijo e meus parabéns!
    Doce Sabor dos Livros - Aguardo a sua visita!

    ResponderExcluir
  9. Já li várias resenhas sobre o livro, e todas fazem uma crítica positiva a escrita da autora, e a como ela mistura fatos históricos e fictícios na sua narrativa. Como adoro um bom mistério, a leitura seria irresistível para mim, ainda mais quando eles se revelam aos poucos, conduzindo o leitor e desvendá-los junto com as personagens. Achei muito interessante o fato de ela ter dado espaço para o Cristo Redentor, afinal, quando falamos em Brasil é impossível não lembrar dele. Fiquei super curiosa com relação à sétima irmã, e não vejo a hora dos outros livros serem lançados.

    ResponderExcluir
  10. Oiee.
    Que livro lindo, gostei muito da história em sim e do fato da Maia ter vindo parar no Brasil, quero ver como os autores de fora descrevem o nosso páis.
    O único fato que me incomoda em tudo é a quantidade de livros, não sei se vou conseguir esperar rsrsrs
    Amei a capa, muito linda mesmo.
    Bjokas!

    ResponderExcluir
  11. Manu
    Gosto desta autora e como ela trata suas histórias. Também gosto desta característica de alterar entre o presente e o passado. Esta é uma série que gostaria muito de ler.
    Muito legal ver você se aventurado por outros gêneros... E ainda gostou...
    um grande abraço
    Gisela - Ler para Divertir

    ResponderExcluir
  12. Sou louca para começar a acompanhar essa série,
    Mas infelizmente ainda não tive essa oportunidade.
    Só ouço falarem bem da Lucinda, e leio também, né? Rsrsrsrs
    O que desperta mais ainda essa curiosidade.
    Acho as capas dos livros incríveis.
    espero poder ler em breve.
    ♫ Conversas de Alcova ♫

    ResponderExcluir
  13. Lucinda é uma autora incrível mesmo, Manu!! Que talento e que sutileza ao escrever sobre a vida, sobre nossas escolhas, etc.
    Gostei demais da resenha e senti um gostinho do que será essa leitura para mim. Mais do que entretenimento, os livros da autora são verdadeiras fontes de lições de vida.
    Não vejo a hora!
    bjs

    ResponderExcluir
  14. Já tentei ler um livro da Lucinda, A Casa das Orquídeas, mas não consegui concluir a leitura, algo na escrita dela não funcionou comigo... mas tentarei novamente e quem sabe eu acabo gostando.

    Beijo
    http://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Eu ainda não li nada da Lucinda Riley, mesmo tendo A casa das orquídeas na minha estande. Apesar disso, As Sete Irmãs me chamou a atenção logo de cara. Amei saber que era um livro que se passava aqui no Brasil e ainda contava um pouco da nossa história. É muito bom saber pela sua resenha que é um livro que realmente vale a pena. Gosto das histórias que nos passam alguma mensagem e nos fazem refletir sobre nossas próprias escolhas. Espero poder lê-lo em breve. O triste mesmo é saber que são 7 livros no total e pior ainda é ter que esperá-los serem publicados. Já estou morrendo de curiosidade para saber o segredo do sétimo livro.

    ResponderExcluir
  16. aquele momento eu preciso desse livro, eu quero esse livro, eu respiro esse livro srrsrs
    se tem uma mulher que sabe mexer comigo é a Lucinda! parece que ela sabe os botões que deve apertar para me deixar alucinada em suas histórias
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. Não gostei muito da capa do livro, e não consegui ler a obra da autora, parece que algo faltou, há algumas outras obras dela na qual eu também já quis ler, me sinto fora do normal, pois quando todo mundo elogia suas obras, eu não gosto nem um pouco, acho a escrita meia lenta e me dá desanimo ao ler...não me julguem por isso.
    Beijos, ThaynáQ.

    ResponderExcluir
  18. Não li nenhum livro da autora ainda, mas confesso que estou em cima do muro em relação aos livros dela! Gosto de romances r não tenho certeza se me entregaria a leitura das histórias da autora, mas pretendo dar uma chance a ela!

    ResponderExcluir
  19. A Lucinda parece ter feito um trabalho incrível de pesquisa do nosso país pra poder compor a história do livro, só por isso ela já merece nosso reconhecimento. Achei muito lega a ideia das irmãs adotadas e cada uma ser de um país, já podemos perceber que conheceremos mais detalhes de 5 países. Fiquei curiosa quanto ao ultimo livro da série.

    ResponderExcluir
  20. está ai um livro que poderia me levar aos anos vinte de uma forma encantadora. fiquei bastante interessado, mas como ando fugindo de series, irei esperar minha situação financeira melhorar ...

    ResponderExcluir
  21. Eu devo ter três ou quatro livros da Lucinda Riley em casa mas ainda não aprei pra ler nenhum deles. Sempre que leio uma resenha dela, me lembro que tenho que pegar para ler e também conhecer essa emoção que a autora passa a cada página. Essa será uma série bem longa, já que termos pelo menos sete livros, então espero que toda a qualidade do primeiro volume seja mantida nos demais. Resenha impecável como sempre, Manu!

    ResponderExcluir
  22. Já tinha lido resenhas positivas sobre esse livro e já tinha ficado muito interessada. lendo a sua agora só conclui que ele irá para o topo da minha lista de leitura para o próximo mês.

    ResponderExcluir
  23. Viver no "e se..." deve ser terrível!
    A escrita da Lucinda é super elogiada, mas seus livros geralmente são bem grossos e por isso ainda não pude apreciá-los, mas pretendo fazê-lo em breve,
    Boa resenha amiga!

    ResponderExcluir
  24. Oi, Manu.
    A única coisa que tirou minha vontade imediata de ler este livro são os outros seis que virão. Ando sem paciência de esperar, por isso vou aguardar pelo menos mais uns dois lançamentos.
    Eu gostei muito da premissa, das irmãs e cada livro contar a estória de uma delas e das escolhas que cada uma terá que assumir para saber mais sobre sua origem.
    Acho que a protagonista não é tão introvertida assim, pelo simples fato de ir até p RJ, sem conhecer ninguém para tentar saber mais sobre sua história. Eu não sei se eu teria esta coragem.
    Parabéns pela resenha, ficou ótima como sempre. Você tem tido muita sorte com suas leituras ultimamente hein? O que resulta em boas indicação para todos os que "te acompanham".
    Bjs

    ResponderExcluir
  25. Eu adorei a ideia inovadora da autora, gostei de todo o mistério que há por trás da trama, o melhor ponto do livro é se passar aqui no Brasil, coisa que dificilmente acontece. Não conheço a história de como foi construído o Cristo e isso seria muito interessante de conhecer.

    ResponderExcluir
  26. Ainda não li nada da Lucinda, pois tenho certo receio em relação aos livros grandes. E, se eles forem romances, mais ainda, pois fico com a impressão de que são monótonos demais. Mas tem uma coisa que me chama bastante atenção nos livros da autora, ela sempre faz esse jogo "passado x presente". Pelo menos acho que isso ainda está dando certo. Outra coisa que gostei foi a ambientação desse volume ser aqui no Brasil. Claro que é um estímulo a mais para ler.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  27. Não li nada desse autora ainda e espero ter chance. Mas já essa série não despertou curiosidade. Deixei um pouco esse gênero de lado e não me vejo lendo tão cedo.

    ResponderExcluir
  28. Awmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm autografei meu livro na Bienal, a autora é TÃO fofa.....
    Enfim, a história parece ser ótima, ainda não consegui lê-lo, mas com certeza lerei em breve. A escrita da autora é cativante e tenho certeza que criou personagens ótimos.

    ResponderExcluir
  29. Nunca li um livro dessa autora, mas tive vontade de ler esse por ter algo do Rio onde moro. O problema é que não tenho coragem de encarar 7 livros que devem ser tijolos como esse. Espero que o livro seja bom como dito na resenha.

    ResponderExcluir
  30. Adoro os livros de Lucinda Rylei.....e ja li tds dela....é o tipo do livro, pelo menos pra mim, q qdo começo a ler ñ tenho vontade de parar......e ansiosa na espera pelo livro da Ally....uma das Sete Irmãs.....

    ResponderExcluir
  31. Bom dia... Alguém sabe me informar se já encontro o volume 2 desse livro para comprar? E onde consigo?
    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o volume 2 foi lançado pela Arqueiro e chama-se: A Irmã da tempestade e está a venda nas principais livrarias do Brasil
      abraços
      Gisela

      Excluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir