acompanhe o blog
nas redes sociais

10.7.15

[Bookserie] Engenharia Reversa: Parte IX - O Ataque do Falcão



Engenharia Reversa


Parte IX - O Ataque do Falcão


A noite começa a cair em Vix. Uma boa parte da população, assustada com os últimos acontecimentos, se aglomera nas vias aéreas tentando chegar em casa o mais rápido possível. Os céus da cidade estão repletos de unidades da UNI-Tron, cada cruzamento, cada setor, cada passarela, tudo é minuciosamente monitorado. Milhares de drones cobrem os pontos cegos, os becos escuros e os cantos onde a polícia não consegue alcançar.

Na central de comando da força de segurança, dezenas de olhos curiosos acompanham em um grande monitor e em suas telas virtuais uma imagem produzida em tempo real por poderosos satélites. Espalhados em diversa estações de trabalho, homens e mulheres da UNI-Tron operam freneticamente seus consoles bio-digitais ajudados por pequenos bio-computadores, informações não param de chegar, exigindo cada vez mais potencial de processamento das máquinas e atenção redobrada dos humanos.

No centro da sala, como se fosse um almirante em um porta-aviões, Daniel Schiavam envia ordens e acompanha atento, centrado, a perseguição que se desenrola no grande monitor à sua frente. A tela é repleta de estatísticas que são atualizadas a cada segundo, na parte de baixo, um display vLED exibe a frase "Região de Alta Santa Maria", e na maior área da imagem, por um ângulo superior, o mapa da região é exibido repleto de vários pontos luminosos que se movem freneticamente como um enxame de abelhas.

Pontos na cor azul representam unidades da força, são a grande maioria na tela, porém dois pontos vermelhos se destacam, percorrendo o monitor em vantagem de distância frente ao enxame brilhante das unidades da UNI-Tron, cada um dos dois possui um número de identificação, uma tag, que se move rente ao respectivo ponto. Os pontos vermelhos são o flymob de Maestro e a nave do Coveiro, porém, ambas se movem em extremos opostos da tela.

Então, um dos oficiais interrompe seus afazeres e se levanta, dirige a palavra ao tenente:

- Senhor, recebemos a atualização de segurança da VNR e já rodamos o upgrade em nossos sistemas centrais. Posso enviá-la para as forças em campo?

- É o novo firewall? - Questionou Daniel, entusiasmado.

- Afirmativo, senhor.

O tenente se irrita, enchendo o ar de mais tensão ele berra com o homem:

- Mas você já deveria ter enviado esse update, soldado!

O subalterno prontamente se senta e aciona um comando virtual. Em instantes, centenas de unidades da força policial tem seus sistemas de segurança atualizados para a versão mais recente.

Daniel volta a se focar no monitor. Com um brilho nos olhos, sentindo a adrenalina se espalhar pelo corpo, ele arquiteta rapidamente uma tática para por fim ao encalço; abre um canal de áudio e entra em contato direto com as unidades em Santa Maria:

- Atenção grupamentos TX e RV, fechem todas as saídas, isolem o bairro.

Então ele se volta para um dos oficiais próximos:

- Sargento Soares, acesse o VTGA, canal oficial, quero os atiradores na linha.

O VTGA (Veículo Tático de Grande Altitude) é o dirigível de apoio da força. Voando na mesosfera, a mais de cinquenta quilômetros do solo, a nave de forma semelhante a um grande disco é um pouco lenta, mas compensa a fraca velocidade com a capacidade valiosa de ser invisível aos radares, além disso, possui sensores poderosos, capazes de cobrir vastas áreas da superfície, e sua equipe operacional é reforçada por dois atiradores de elite, munidos com rifles de precisão com mira guiada por satélite, devido a esses homens e suas armas poderosas, o VTGA é conhecido na corporação como "Falcão".

Os atiradores, atentos, recebem as instruções de Daniel e logo em seguida ativam o sistema de marcação de alvos. Na atmosfera da Terra, em órbitas geoestacionárias, três satélites apontam suas potentes câmeras para Vix, precisamente para o bairro de Santa Maria, para então iniciar o processo de triangulação.

***

- Thiago, derrube todas as redes de comunicação da Uni-Tron! Deixe eles isolados! - O tom de maestro é frio, calmo, o homem não aparenta o menor traço de pânico, apesar das dezenas da naves policiais que estão em seu encalço. A mais de quatrocentos quilômetros por hora, o flymob acelera no ar, passando como uma bala por sítios de construção e fábricas diversas, espalhadas na parte sul do grande bairro de Santa Maria.

Thiago e Davi estão com o coração quase pulando pela boca, mas Marcela está apática, indiferente, ela apenas olha pela janela do flymob vendo a luz dos giroflexos das naves da polícia refletida nas superfícies cromadas de robôs industriais, espalhados por canteiros de obras que vão ficando para traz quando Maestro executa rápidas manobras evasivas.

A ex-engenheira da VNR havia conseguido uma chance, uma única chance de tentar reparar o mal que fizera no passado. Aquele garoto Ruivo, recém saído da adolescência, foi providencial quando a libertou da nave do Coveiro. Agora ela estava ali, junto dele e de seus estranhos amigos, fugindo para um destino desconhecido. Quando estivesse em segurança, tentaria saber algo sobre Jorge, seu namorado que tornara-se um prisioneiro da famosa caçadora de recompensas Dianna Di Médice, a Fúria.

Bel, ainda desacorda e vestida com uma jaqueta de couro alguns números acima do seu por cima da camisola hospitalar dorme encostada em Davi. Uma análise rápida feita por Thiago revelou que o sensor de localização havia sido removido do corpo dela, provavelmente pelo médico da VNR que estava a bordo do transporte, e que agora não passava de mais um cadáver no campo de batalha deixado para trás. Que bom, pensou Thiago no momento, era uma preocupação a menos, pois se o dispositivo ainda estivesse no corpo de Bel ele teria que removê-lo. Porém, agora o hacker estava sofrendo para invadir os sistemas de seus perseguidores. O que parecia ser uma tarefa simples havia se tornado um tormento.

- Maestro, não tô conseguindo entrar na rede dos goozes! Eles mudaram o firewall ! Cada vez que tento um ataque o troço se reconfigura, bizzarrro!

Davi, atento à conversa, percebe na hora do que se trata:

- É um programa reativo! Deve ter um bio-computador por trás, você precisa usar um bio-virus!

- Mas como vou conseguir implantar um bio-vírus? Eu preciso achar uma conexão de CND para isso, porra, cara, não viaja!

Davi estava com a resposta na ponta da língua, porém, uma manobra brusca do veículo faz com que ele e os outros percam o fôlego. A nave se inclina noventa graus, acelera mais, e então gira no próprio eixo para o lado contrário, descreve uma curva descendente, corta o ar como uma flecha para então voltar a ficar estabilizada.

Durante a manobra os ocupantes puderam ver, incrédulos, diversas esferas azuis brilhantes como neons passando velozes ao lado do flymob e ultrapassando o veículo, perdendo-se no horizonte à frente.

- Os desgraçados estão atirando em nós com armas eletromagnéticas! Segurem-se! - Grita Maestro, dessa vez avisando-os que nova acrobacia estava a caminho. A nave ficou de cabeça para baixo e realizou um parafuso. Caiu velozmente enquanto os feixes de esferas passavam ao longo da fuselagem, por pouco não a atingindo, então o flymob voltou a subir, acelerou o máximo e girou para a esquerda, mais rajadas de esferas brilhantes cortaram os céus, tentando envolver a nave como em um balé mortal, mas então ela virou rapidamente para a direita, descrevendo uma curva super fechada e deixando as cargas eletro-magnéticas para trás.

A força G jogou todos os ocupantes para o lado esquerdo, não fossem os cintos de segurança, terminariam uns esmagando os outros.

A última rajada de esferas passou bem perto, projetando explosões brilhantes rente as janelas, fazendo o ar zunir agudamente e clareando o interior do veículo como um relâmpago. A nave volta a se estabilizar, assumindo novamente o vôo em linha reta e todos, por um momento, respiram aliviados.

Marcela está ofegante. Davi aperta seu braço esquerdo, que havia sido comprimido contra a porta do veículo e agora doía bastante. Thiago passou mal, quase vomitou, mas assim que o veículo se estabilizou ele voltou ao normal.

Bel, sentada entre Marcela e Davi, está com os cabelos bagunçados, cobrindo seu rosto. Ela começa a recuperar os sentidos, abre os olhos e se sente desorientada. Passa uma mão sobre o rosto para afastar os fios rebeldes, então é acometida por uma forte dor de cabeça. Percebe o cinto de segurança fortemente fixado contra seu corpo e, lembrando-se do sonho, das aranhas de metal, se desespera e tenta removê-lo de maneira violenta. Todos olham para ela, com exceção de Maestro, que está concentrado na direção mas escuta tudo atentamente. Davi de imediato tenta acalmá-la, abraçando a moça como pode.

- Calma, Bel! Sou eu, estou aqui! Você está segura, tente relaxar por favor!

- Davi? - ela olha para ele, um pouco incrédula. Percebe que está em um flymob em alta

velocidade, olha para trás rapidamente e vê as centenas de luzes dos giroflexos das naves da UNI-Tron, porém, a dor de cabeça lacerante a faz quase perder os sentidos novamente, fecha os olhos, leva as mãos a testa.

- Ai... Minha cabeça, como dói! O que... O que está acontecendo, Davi? Quem são essas pessoas? Por que estamos fugindo da polícia?

Ele tenta confortá-la como pode.

- Eles são amigos, estão nos ajudando! Mas você precisa descansar e precisa confiar em mim! Passamos por muita coisa nas últimas horas - Davi olha profundamente nos olhos da executiva, ainda não consegue acreditar totalmente que ela seja um bio-computador; põe o máximo de ênfase que consegue na voz - Você precisa confiar em mim, dessa vez mais do que nunca!

Bel olha para o rapaz como se tentasse decifrar um enigma. Davi está diferente, alguma coisa no ar diz que ele mudou. Repentinamente, percebe que algo também está mudando dentro dela, é como se toda a sua vida antes daquele episódio estivesse desmoronando, como se o destino estivesse lhe pregando uma peça. Ela sente a preocupação nas palavras do namorado, se esforça para romper a dor que não cede um segundo e embaralha os pensamentos.

"Confiar", ele disse, a palavra ecoa na mente dela, o sonho, ou melhor, o pesadelo volta à memória, fazendo com que ela se lembre da traição, do Davi em seu sonho a entregando para os homens armados, o tiro na cabeça...Respira fundo, tenta suportar a dor. Agora ela estava em um veículo estranho, com pessoas estranhas e fugindo da UNI-Tron, algo muito errado acontecia e Davi não estava ajudando.

Tenta se acalmar, tenta controlar as emoções que começam a aflorar, insanas. E ainda havia mais alguma coisa errada, podia sentir, era algo com seu CND mas isso tinha que esperar. Volta a encarar a realidade, Davi está olhando fixo para ela, ansioso por uma resposta.

Bel desvia do olhar do namorado, fica cabisbaixa; com severidade na voz ela o questiona, atraindo a atenção de todos:

- Davi, vou repetir minha pergunta. Quem são essas pessoas, e que droga estamos fazendo aqui?

Ele sente a gravidade da situação, fica inseguro, sabe que em algum momento terá que contar a verdade mas não esperava ser tão cedo; percebe Thiago e Marcela olhando para eles, apreensivos. Prepara-se para responder a Bel, porém Maestro é mais rápido:

- Senhorita Bel, por favor se acalme. Estamos tentando salvá-la, e assim que chegarmos ao nosso destino vamos fazer um bio-scan completo em você. A VNR pode ter feito algo enquanto você estava cativa.

O homem de dreadlocks conseguiu intrigar a executiva.

- Como assim, cativa? O que minha empresa faria comigo, que absurdo é esse ? E quem é você, afinal?

Sem que ninguém percebesse, Maestro leva uma das mãos a um bolso em sua calça, ao lado da coxa, de onde tira uma pequena pistola peculiar, uma arma tranquilizadora. Ao mesmo tempo ele responde à Bel:

- Eu sou Maestro. Fui contratado para resgatá-la. Por hora posso lhe dizer que você foi traída por sua empresa, contudo, por muita sorte você tem amigos poderosos e que se preocupam muito com você.

Davi sente-se um pouco mais aliviado por a conversa ter mudando de rumo, ele novamente tenta acalmar Bel, tenta abraçá-la, mas ela o rejeita. Ele insiste, e pega nas mãos dela. Quase implorando, volta a falar:

- Bel, você precisa acreditar nele! A VNR quer acabar com a gente!

Ela larga as mãos do rapaz, num gesto brusco.

- Davi, não sei o que está acontecendo e não quero saber, e nem sei se você é mesmo o Davi que eu conheci! - ela força a trava do cinto de segurança e o remove, levantando-se da poltrona.

Novos disparos das forças policiais forçam Maestro a executar uma manobra evasiva. Dessa vez, para a surpresa de todos, os tiros vem pela frente, anunciado que uma barreira havia sido preparada, bloqueando completamente a rota atual. Maestro executa um cavalo de pau em pleno ar, forçando Bel a se sentar e dando meia-volta. Acelara, consumindo o máximo de potência dos motores. A nave serpenteia por entre mais rajadas de disparos da UNI-Tron, agora vindo de ambas as direções, então desce um pouco mais e assume nova direção, voando por entre um labirinto de prédios centenários e desaparecendo entre eles, conseguindo mais alguns minutos de vantagem.

Bel sente seu coração bater mais rápido, um turbilhão de emoções invade seu corpo. A empresa para a qual dedicou sua vida, que cuidou dela e de sua família por gerações, jamais trairia sua confiança, aqueles estranhos sim, eles poderiam ser sequestradores! Algum programa obscuro em seu CND deveria estar criando ilusões, mudando a verdadeira imagem daquelas pessoas, enganando seus sentidos, assim ela pensou. Porém, os nano-robôs implantados em seu corpo pelo finado doutor Daniel estão super ativos, atacando seu cérebro, liberando hormônios e quase causando um colapso emocional. Ela tenta se levantar mas é contida por Davi. Suas palavras em tom de desespero ecoam pelo interior do aeromóvel:

- Aterrissem esse veículo imediatamente! Eu quero sair daqui!

- Segure-a, Davi! - grita Maestro, levantando-se rapidamente com a pistola tranquilizante pronta para ser utilizada.

- O que você vai fazer, cara? - protesta Marcela, nervosa e quebrando seu silêncio, surpresa com a atitude do piloto. Thiago cerra os dentes, pensa em como poderia amenizar a situação.

Nesse exato momento um flash produzido por uma explosão se projeta pelo para brisas do flymob, segundos depois eles ouvem o som do tiro, que atingiu em cheio a parte da frente do veículo. Instantaneamente a nave começa a perder altitude e empina bruscamente para baixo, Bel e Maestro perdem o equilíbrio. Outro tiro, dessa vez disparado contra o teto, atravessa a fuselagem e vara o veículo, perfurando de raspão o ombro esquerdo de Maestro. Pânico.

O terceiro tiro, preciso, destrói uma das turbinas do flymob, que agora começa a se aproximar perigosamente do solo. O sistema de piloto automático é ativado, tentando estabilizar a nave para uma aterrizagem de emergência.

A quilômetros de distância acima, dentro do VTGA que plana graciosamente na mesosfera, o atirador de elite contacta o centro de comando da UNI-Tron:

- Tenente, alvo neutralizado. O Falcão cravou suas garras.


[Anterior] [Próximo]

Aspirante a escritor, inquieto por natureza, ainda tenho vontade de mudar o mundo ou pelo menos colocar um monte de gente para pensar. Viciado em livros, games, idéias loucas e sempre procurando coisas que desafiem minha imaginação.

comentários pelo facebook:

19 comentários em "[Bookserie] Engenharia Reversa: Parte IX - O Ataque do Falcão"

  1. Oi, André! Me senti dentro do flymob, sério (só espero que eu sobreviva, ok? rsrs). Você consegue descrever tão bem as cenas, que foi impossível não me imaginar fazendo parte daquilo ali. Já quero mais!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, quanta ação! Você descreveu todas as cenas muito bem, consegui imaginar perfeitamente, quase como se fosse um filme, sabe? Admito que não gostaria de estar no lugar dos personagens, já teria ficado enjoada dentro do flymob e tido um belo ataque de pânico, aprendi que não fui feita para fortes emoções xD
    Essa cena final me deixou apreensiva com o que acontecerá agora *-*
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. André!
    Já estava com saudade.
    Gostei de conhecer o Veículo Tático de Grande Altitude, maravilha! A uma viagem dentro dele..
    Roendo as unhas pela continuação dessa aventura ficcional.
    “Lutar pelo amor é bom, mas alcançá-lo sem luta é melhor.”(William Shakespeare)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe no nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  4. Muita ação e emoção. Desse jeito vou ter um infarto.rs
    Parabéns. Adorando acompanhar sua estória e a evolução dela.

    ResponderExcluir
  5. Muito legal esta história!
    Quanta emoção haha, me senti na história, as senas super bem descrevidas.
    Aguardo a próxima.

    ResponderExcluir
  6. @Larissa Oliveira Oi, Larissa.
    Legal o texto ter conseguido passar bem a experiência descrita, e mais uma vez só tenho a agradecer pelo comentário e pela leitura! Boa semana!

    ResponderExcluir
  7. @Karina Valshe
    Ataque de pânico? Caramba, rs! Ainda bem que o próximo capítulo dá uma baixada na tensão, assim dá para recuperar o fôlego! E como sempre, não pode faltar o meu muito obrigado pelos seu comentário!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. @RUDYNALVA
    Oi, Rudy, que bom que gostou do VTGA, deu um trabalhinho pensar nele, mas acho que ficou legal né?

    Obrigado pelo seu comentário, sempre muito inspirador, e em especial pelas sábias palavras do mestre Shakespeare, como jpa sabemos, você manda muito bem!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  9. @Gislaine Silva
    Pelo amor de Deus, Gislaine, não enfarta não!Mas como eu disse para a Larissa, o próximo capítulo vai ser mais calmo, embora "calmo" nessa história não é tão calmo assim...rs. Enfim, valeu pelo comentário! Abraços!

    ResponderExcluir
  10. @Gislaine Silva
    Pelo amor de Deus, Gislaine, não enfarta não!Mas como eu disse para a Larissa, o próximo capítulo vai ser mais calmo, embora "calmo" nessa história não é tão calmo assim...rs. Enfim, valeu pelo comentário! Abraços!

    ResponderExcluir
  11. @Mariele Antonello
    Ei, Mariele, obrigado pelo comentário e obrigado por curtir a trama! Acho que você começou a acompanhar só agora né? Então seja bem vinda!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. Nossa!! Quanta ação!! Senti como se estivesse fazendo parte da história. Adorei como você descreveu tudo. Continue assim, é incrível! Abçs!!

    ResponderExcluir
  13. @Alessandra Fernandes Oi, Alessandra. Bem vinda à Book Serie! Muito agradecido pelos comentários! Abraços!

    ResponderExcluir
  14. A cena de fuga, e depois o ataque do falcão... nossa, amei!! Esse mês também vai ter dois capítulos? Espero que sim, pois estou ansiosa pelo próximo e curiosa pra saber o que vai acontecer com Maestro e os outros.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  15. @Any
    Oi, Any, vai sim. Dia 24 sai o próximo capítulo! Obrigado pelo comente e, como sempre, muito bom saber que você também está curtindo!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  16. Oi, André! Perdi alguns capítulos da série, mas vou tentar colocar a leitura em dia. Gosto muito desse universo que você criou, cheio de ação e de tirar o fôlego! Parabéns pela excelente qualidade da série. :)

    ResponderExcluir
  17. @Andreza Galvão
    Andreza, é sempre legal saber que as pessoas estão gostando da história! Muito obrigado pelo comentário e espero que vc curta bastante!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  18. Haja fôlego pra conseguir acompanhar essa série, hein, André?!?! Que bom que tem um tempinho entre um capítulo e outro, viu?!?! Se bem que, por outro lado, ficamos ansiosos pelo próximo.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  19. Nossa André, como sempre é impossível não se sentir "dentro" dos livros. Amo suas resenha. Estava com saudades de me sentir assim. Só li esta parte e estou com a sensação que já conheço os livros por inteiro....... Me fez lembrar de várias misturas de filmes que vi, foi muito legal.


    Bjsss

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir