acompanhe o blog
nas redes sociais

15.4.16

[Bookserie] Engenharia Reversa: Parte XXVI - Sangue nas Sombras

André Luis Almeida Barreto


Engenharia Reversa


Parte XXVI - Sangue nas Sombras


O antigo automóvel parou ao lado do abrigo. Bel ficou abismada ao ver a máquina, acostumada aos flymobs, precisou recorrer aos registros históricos para entender seu funcionamento. O veículo, entretanto, tinha sofrido adaptações, e foi guiado até ali remotamente por Samuel.

Na rua, junto a ela, o transumano parece meditar. Maestro e o piloto ainda estão dentro do abrigo, discutindo detalhes. Então Zynor abre seus grandes olhos vermelhos, expelindo ar prolongadamente.

- Estamos seguros. - Diz o transumano.

- Sim, eu inutilizei todos os drones. - Responde Bel.

- Você é uma biohacker?

Bel olha rapidamente para baixo, então encara o rapaz e abre um sorriso.

- É claro que eu sou! Para ser sincera, sou uma das melhores biohackers na cidade.

Agora é Zynor quem sorri.

- Imagino. Deve ser complicado invadir um drone em pleno vôo. - Ele mantém o sorriso por alguns segundos - Mas eu não me referia às máquinas malditas, e sim à pessoas, que poderiam estar nos observando, certamente frequentadores do Mephisto que sabem quem são vocês e nos seguiram.

Bel cruza os braços.

- E como você sabe que não estamos sendo observados?

- Eu posso sentir.

- Aprimoramentos genéticos só afetam características físicas. - Afirma Bel, desafiadora.

- Físicas e psíquicas! - Corrige Zynor.

- Impossível! Só as GC’s tem pesquisas nesse campo, e mesmo assim estão longe de serem operacionais.

Zynor fica em silêncio por alguns segundos, fitando o rosto de Bel.

- No início éramos um grupo, um movimento de inconformados sociais. Mas hoje somos um povo, um povo banido. Criamos uma sociedade que vive à margem do que você conhece como sociedade. E nesses anos todos acumulamos conhecimento, temos nosso própria ciência, e, com o tempo, desenvolvemos certas habilidades, e dentre elas temos algo semelhante ao que os humanos chamam de sexto-sentido…

“Os humanos? Interessante eles pensarem assim.” - atenta Bel.

- Entendi. Pesquisei sobre vocês na Hypernet, não tem muita coisa, vocês realmente fizeram um bom trabalho ficando ocultos, e é incrível terem conseguido tanto mesmo sem fontes de renda, sem capital.

- Capital? Não precisamos disso, temos uns aos outros dentro de nossa comunidade! - Diz Zynor, entusiasmado.

Os dois ficam em silêncio, se estudam, ponderam. Então o transumano volta a falar:

- Mas e você?

Ela estranha a pergunta.

- O que tem eu?

- Eu não consigo sentir sua presença. Definitivamente, você não é humana. Entretanto, tudo em você é imperfeito como um ser humano, imperfeito até demais! Não consigo entender...

Subitamente, o semblante de Zynor muda de um ar calmo e professoral para uma fisionomia preocupada. Ele se vira de costas para Bel, saca uma pistola e busca por proteção ao lado do antigo automóvel.

- Cuidado! Abaixe-se! Tem alguém se aproximando!

Bel obedece, se protegendo atrás do carro, então começa a vasculhar a área buscando por assinaturas biodigitais, em segundos encontra o que procura.

- Zynor, tá tudo bem, são meus... amigos!? - Ela se surpreende em dizer aquilo.

O transumano olha dentro dos olhos de Bel, desconfiado, então guarda a pistola.

- Você é bem rápida, devo admitir.

Ela devolve um sorriso amarelo.

- Bel! - Grita Marcela, atraindo o olhar dos dois.

Marcela e Thiago correm na direção de Bel, a loira a abraça, já Davi, um pouco mais atrás, estranha a presença do rapaz ao lado de sua ex-namorada.

- O que você e Maestro foram fazer naquela boate? - Pergunta Davi.

- Ah, foi uma missão! Na verdade, minha primeira missão de campo! Fomos encontrar um…

- Oi, Bel. - Diz Davi, entrando no meio da conversa.

A morena olha feio para rapaz, ignorando-o.

- Como eu estava dizendo, Thiago, fomos atrás de um piloto. O cara que vai tirar a gente de Vix!

- Piloto? Caramba! Então vamos por terra! Cara, vai ser muito perigoso. - Diz Marcela.

- Não precisam se preocupar! - intervém Zynor, os olhos brilhando - Já fizemos centenas de viagens pelas Terras Ermas, conhecemos as melhores rotas e o Lobo do Deserto…

- E quem, ou melhor, o quê é você? - Interrompe Davi, fuzilando o transumano com os olhos.

Zynor fica sério e se volta para o biohacker.

- Eu sou o copiloto, e vou ajudar a salvar esse seu rabo magricela das garras da polícia.

Davi fica sem reação, Thiago e Marcela começam a rir. Então o biohacker parte para cima do transumano, no entanto, atento, Thiago se coloca entre os dois.

- Calma, cara! Pega leve!

- É! Foi só uma brincadeira, Davi, e vamos concordar, você bem que mereceu! - Diz Marcela.

- Uma porra de um transumano! E vocês vão confiar nessa aberração para nos levar para o Brasil? - Vocifera Davi.

- Ou confiam nele, ou podem voltar par o buraco quente de onde saíram! - Diz Samuel, caminhando ao lado de Maestro e se aproximando do grupo.

- É exatamente isso, Davi. Acho que você quer receber a sua parte do trabalho, certo? - Inquere Maestro.

Davi dá de ombros, então o grupo se aproxima de Maestro, feliz em vê-lo.

- Olá, pessoal, eu sou Samuel, piloto do Lobo do Deserto. Acho que já conhecem meu sócio e copiloto, Zynor. Não se assustem com esses olhos vermelhos, esse cara aí tem um coração de ouro! Além de ser um navegador excepcional!

Thiago e Marcela cumprimentam Zynor, enquanto Davi apenas abre um sorriso sarcástico.

- Bora, entrem no carro. Acho que com um pouco de jeito vai caber todo mundo. - Diz Samuel, abrindo através de seu CND todas as quatro portas do veículo.

- Nossa, que lata velha! Espero que esse não seja o tal do Lobo do Deserto! - Zomba Davi.
Então, subitamente, Zynor se detêm, assumindo um semblante sério.

- Esperem. Tem alguma coisa errada. - Diz o transumano.

- O que foi, chapa? - pergunta Samuel, atraindo o olhar preocupado de Maestro.

- É como se alguém nos observasse, mas a presença dele vai e vem, como se um campo de energia o estivesse ocultando.

- Bel, você captou alguma coisa? - Pergunta Maestro, em alto tom.

Todos estancam, olhando para os lados com preocupação.

- Samuel, você tem alguma arma aí dentro? - Pergunta Thiago.

Bel finalmente responde.

- Maestro... Pessoal, tem alguém se aproximando, ali, ali! - Ela aponta para a entrada do beco, no meio de rua.

- Mas não tem nada lá, Bel! - Respondem quase em uníssono Maestro, Davi e Thiago.

- Merda! - Samuel coloca parte do corpo para dentro do carro, de onde tira dois fuzis e uma submetralhadora, joga um fuzil para Maestro e então exibe a submetralhadora.

- Quem sabe usar isso aqui?

- Deixa comigo! - Responde Thiago.

Maestro joga sua pistola para Davi.

- Protejam-se, vão para trás do carro! - Grita Samuel.

- Yagami, fique atrás de mim! - Grita Maestro.

Samuel, Thiago e Maestro apontam suas armas para a posição que Bel indicou, enquanto Davi fica ao lado dela com a pistola em punho, Zynor assume posição ao lado de Samuel.

Do nada, um flash luminoso assusta as sombras e um raio vermelho acerta o ombro do piloto. Ele é projetado para trás e seu corpo acerta o capô do automóvel.

- Samuel! - Grita desesperado Zynor.

Maestro e Thiago abrem fogo na direção do lugar de onde o raio partiu, e assistem, abismados, as balas recochetearem em pleno ar.

- Gerador de invisibilidade! - Apregoa Maestroi.

Então uma forma começa a se revelar na frente dos disparos, uma armadura branca, de contornos femininos, onde um elmo de centurião romano protege um rosto de metal.

- É a Fúria! - Vocifera Davi, tremendo.

- Concentrem o fogo no peito da armadura! - Ordena o deletador.

Todas as armas disparam sem parar contra um ponto central no peito da Gladium VI, a armadura da Fúria, e Dianna apenas faz uma negativa com a cabeça, então ergue um dos braços e o aponta para o grupo, disparando um novo raio vermelho através de um dispositivo fixado acima do punho.

Thiago é atingindo e seu corpo é projetado para trás, chocando-se contra o asfalto. Ele sente seus ossos estalando e uma corrente elétrica o percorre dos pés a cabeça, produzindo uma dor horrível. Ele desmaia. Marcela grita e vai até ele, segurando a cabeça do hacker, tentando sentir sua pulsação

- Ele está vivo! - Grita a engenheira.

Então a Fúria empreende uma corrida na direção do grupo, as balas recocheteando em sua armadura branca a fazem brilhar na noite. Nos céus, centenas de drones começam a se aproximar. Bel se esforça para desativar todos eles.

Vendo a inutilidade do ataque, Zynor larga a pistola, já sem balas, e corre de encontro à Fúria. Bel vê, incrédula, as mãos do transumano se transformarem, com cada dedo se convertendo em afiadas e pontiagudas garras negras, enquanto seus braços e tronco tornam-se mais musculosos e suas pernas mais rápidas.

Maestro muda de posição, para não acertar o transumano, então passa a disparar contra as juntas na perna da Gladium VI; Davi, sem balas no pente, procura pela submetralhadora.

Zynor se choca violentamente contra Dianna, ele crava seus dentes, agora transmutados e semelhantes aos dentes de um tubarão, no pescoço da armadura. Ao mesmo tempo, projeta seu braço direito contra a barriga da Fúria, tentando perfurar a Gladium.

Dianna acerta um soco nas costelas de Zynor, a potência do golpe arrebenta os ossos e o transumano solta um grito pavoroso, largando o pescoço da caçadora. Então a Fúria o pega pela virilha colocando o homem de ponta cabeça, para então jogá-lo violentamente contra o asfalto. Ela flexiona o braço direito, e então, caindo sobre o corpo do transumano, acerta o meio do peito do homem com um soco descomunal.

O aço arrebenta a caixa torácica, comprimindo os órgãos internos, destruindo de uma só vez os pulmões e o coração de Zynor, que por afim agoniza enquanto vê os olhos metálicos de Dianna o observando morrer. O sangue escorre pelo asfalto, descendo para os bueiros nas laterais da ruela.

Davi, Maestro, Marcela e Bel não acreditam no que veem. Maestro lamenta não ter em mãos sua pistola EPM, única arma que conseguiria neutralizar aquela armadura.

A Fúria encara o grupo.

- Eu quero a engenheira, e somente ela. Não tenho nada contra vocês. Não me obriguem a matá-los.

- Ela está comigo. E não vai a lugar nenhum! - Responde Maestro, firme.

- Não. - Intervêm Marcela - Não quero que ninguém mais morra por minha causa, eu vou com ela.

- Você não pode, Marcela! Quem contratou ela certamente quer ver você morta! - Diz enfaticamente Bel.

- Chega de conversa! - Grita a caçadora.

A Fúria avança na direção de Marcela, Maestro se lança contra ela, girando o fuzil no ar e atingindo a cabeça da Gladium VI com o cabo da arma, que se parte em vários pedaços. Dianna acerta um violento chute contra o abdômen de Maestro, o lançando contra a calçada. Agora eles podem ouvir claramente os motores das engrenagens da armadura enquanto ela se aproxima de Marcela.

Encostado no carro, Davi apenas observa, paralisado e tremendo, larga a submetralhadora. Bel se coloca entre Dianna e Marcela, encarando a caçadora.

- Não! Você não vai tirar ela da gente!

- Saia da minha frente, menina!

Dianna acerta um cruzado no rosto de Bel, que com a força do golpe é jogada para o chão, caindo de bruços próxima do corpo de Thiago. Marcela, ajoelhada ao lado dele, se lembra da tensão que passou na Zona de Exclusão, quando viu a Fúria capturar seu namorado, Jorge. Ela estanca de medo e começa a chorar.

- Acabou, Marcela. Você vai se encontrar com seu parceiro.

Então, um brilho azul chama a atenção de Davi, que vê, desnorteado, a luminescência nascendo nas costas de Bel. A biocomputador se apoia nos dois braços, sangue escorre de sua boca, pingando no asfalto. Ela olha para Dianna.

- Você. Não. Vai. Levá-la! - Vocifera Bel, os olhos brilhando. Centenas de drones começam a cair do céu e as parcas luzes que mal conseguem iluminar o beco se apagam.

- O quê? - Diz Dianna, assustada quando mensagens de alerta piscam em sua retina. Os sistemas da Gladium começam a entrar em colapso, mais e mais mensagens de alerta pipocam no display.

- O que você fez! Como conseguiu hackear minha armadura! Isso é impossível!

A Fúria ergue o braço, mirando o laser na direção de Bel; o coloca em potência máxima, potência letal.

- Você vai morrer, sua desgraçada! - Grita Dianna, em cólera.

Com dificuldade, ela mantém o braço erguido e carrega a arma, pronta para disparar. Bel entra mais a fundo nos sistemas da armadura, o custo de energia é imenso e ela quase não consegue se manter consciente, mas percebe que se Dianna atirar, será o seu fim. Então acessa o gerador da armadura, sobrecarregando-o.

Bel apaga, não consegue mais se apoiar e bate forte com a cabeça no chão, mas sua coluna ainda brilha.

Um grito horrendo ecoa pelos alto-falantes da Gladium VI quando um pico de energia invade o CND de Dianna, torrando seu cérebro. A armadura branca desmorona. Por pequenos orifícios no elmo, um líquido grosso composto de sangue e massa encefálica escorre, vertendo para os bueiros nas laterais do asfalto.

Davi e Marcela observam abismados a luminescência azul se apagar vagarosamente nas costas de Bel.

https://www.facebook.com/engenhariareversalivro

[Anterior] [Próximo]
André Luis Almeida Barreto
Aspirante a escritor, inquieto por natureza, ainda tenho vontade de mudar o mundo ou pelo menos colocar um monte de gente para pensar. Viciado em livros, games, idéias loucas e sempre procurando coisas que desafiem minha imaginação.

16 comentários:

  1. Gostei bastante desse capítulo, mas como não venho acompanhando engenharia reversa desde o começo fiquei um pouco perdida.
    Não faz bem meu gênero literário, mas com certeza vou procurar o primeiro capítulo.

    ResponderExcluir
  2. Oii!
    Gostei desse capítulo, me deixou curiosa ainda mais pra conhecer mais a fundo o livro...
    Parabéns André!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Parei de ler, pois acho chato ler picadinho. Mas pretendo ler tudo de uma vez quando for possível.

    ResponderExcluir
  4. Fiquei um pouco confusa porque não conhecia a estória. Vou juntar todos os capitulos e ler em sequencia porque é melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana Paula, nunca tinha te visto por aqui! Mas leia tudo sim, e deixe sua opinião!

      Excluir
  5. Comecei a ver desde o primeiro capítulo pra poder entender melhor, então não li ainda esse capítulo, pretendo ler tudo na ordem.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  6. Não tenho acompanhado os capítulos, mas você está escrevendo uma história fantástica. :)

    ResponderExcluir
  7. Confesso que já estava sentido falta de um conforto desse tipo rsrs; a cena de ação foi ótima!! Fico cada vez mais abismada com os poderes da Bel.
    Ps: Zynor morreu?! Sério?! Logo agora que eu o estava achando um personagem interessante... Poxa, isso não se faz rsrs.
    Aguardando o próximo capítulo.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Any. Muito obrigado pelo comentário! Infelizmente alguém iria morrer, e sobrou para o Zynor, a vida é dura! Abraços!

      Excluir
  8. Só agora me toquei que essa bookserie está sendo escrita aqui no blog. Sempre que via um post sobre ela, achava que era a resenha de uma série de livros ou HQ juvenis. Vou procurar os primeiros capítulos. Uma sugestão: postem um lista com os links dos capítulos em ordem crescente.
    Obrigado,
    André Gama, do Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  9. André!
    Escrever ficção é bem difícil e você tem criatividade de sobra escrevendo essa série fabulosa.
    Parabéns!
    “Muitas palavras não indicam necessariamente muita sabedoria.” (Tales de Mileto)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. André!
    Escrever ficção é bem difícil e você tem criatividade de sobra escrevendo essa série fabulosa.
    Parabéns!
    “Muitas palavras não indicam necessariamente muita sabedoria.” (Tales de Mileto)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

 
Ler para Divertir © 2015 - Blog no ar desde 31.10.2010
topo giovana joris • design e código gabi melo