acompanhe o blog
nas redes sociais

24.7.17

Nós [Ievguêni Zamiátin]

Nós
Ed. ALEPH, 2017 - 340 páginas
- "Nós é um romance distópico escrito entre 1920 e 1921 pelo escritor russo Yevgeny Zamyatin. A história narra as impressões de um cientista sobre o mundo em que vive, uma sociedade aparentemente perfeita, mas opressora, e seus conflitos ao perceber as imperfeições dele, ao travar contato com um grupo opositor que luta contra o 'Benfeitor', regente supremo da nação. O livro só adentrou legalmente a pátria-mãe do autor em 1988, com as políticas de abertura do regime soviético, por estar proibido na então União Soviética devido à censura imperante no país."

Onde comprar:


NÓS é uma distopia. Em uma sociedade onde indivíduos são tratados como números, vivendo sobre regras rígidas de horário e conduta, aceitam essa conduta para ter acesso ao bem maior: A Igualdade. Em meio a isso, conhecemos nosso personagem, o engenheiro matemático D 503, que tem sua vida feliz e pacata transformada quando uma mulher, I 330, o contagia com a perigosa doença Imaginação. Quase uma parábola de Adão, Eva e o paraíso.

Nós de Ievguêni Zamiátin

É simplesmente sensacional ver a racionalidade de D 503 começar a desmoronar lentamente, levando a delírios e loucuras. Ver a razão, ordenada, organizada e bem vestida, dar lugar aos sentimentos, peludos, nus e descobertos. Zamiátin nos brinda com uma obra absolutamente maravilhosa, mostrando como o Totalitarismo não consegue, de forma nenhuma, se sobrepor ao espírito humano de liberdade.

"É admirável: como são persistentes os instintos criminosos da espécie humana. Digo "criminosos" conscientemente. A liberdade e o crime são tão indissoluvelmente conectados entre si como... (um veículo e a velocidade). Se a liberdade de uma pessoa é igual a zero, ela não comete crimes. Isso é claro. O único meio de livrar uma pessoa do crime é livrá-la de sua liberdade."

Nós de Ievguêni Zamiátin

Para ajudar a aceitar essa obra incrível, a Editora Aleph fez um trabalho sensacional: Um miolo todo pintado de preto e rosa, capa dura, recheado de artes lindas por dentro e por fora. Eu me encantei com o livro, do momento que vi seu lançamento até a última página. Um material célebre sem sombra de dúvidas e você que adora este tipo de literatura, não pode deixar de ler e conhecer.

Nós de Ievguêni Zamiátin


Marcos Graminha
Marcos Graminha é leitor viciado em terror e vampiros. Conta com um acervo de mais de 1500 livros sobre esses assunto. Proprietário de um sebo na cidade de Vila Velha, dedica sua vida a desvendar os mistérios desses "filhos da noite". contato: marcos.graminha@gmail.com
Cortesia da Editora Aleph
*Sua compra através dos links deste post geram comissão ao blog!

comentários pelo facebook:

19 comentários em "Nós [Ievguêni Zamiátin]"

  1. Oi Marcos, Nós parece ser uma distopia muito boa e que já começa se destacando na sua criação, entre 1920 e 1921, tanto tempo mas que trás assuntos que são importantes: igualdade, criatividade, liberdade. As fotos o quanto a edição tá caprichada e curti a resenha ;)

    ResponderExcluir
  2. Eu geralmente gosto de livros de distopias, e achei essa bem diferente esta história em que os indivíduos são tratados como números, e que tem que aceitar as regras para terem acesso a igualdade. Gostei muito da sua resenha e simplesmente fiquei muito curiosa para ler este livro, parece ser uma ótima distopia, adicionei NÓS em minha lista de leituras, espero ler este livro em breve.

    ResponderExcluir
  3. Marquinho!
    Fiquei daqui imaginando tudo de vidro e todo mundo observando o que se faz... me sentiria violada, mesmo sem ter nada a esconder. Imagina?
    De qualquer forma, deve ser uma boa leitura para aprendermos mais sobre o totalitarismo.
    Desejo uma ótima semana!
    “Demore na dúvida...E descubra a sabedoria que insiste em se esconder na ausência de palavras.” (Padre Fábio de Melo)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  4. E ai Marcos! Tudo bem?

    É um título que acabo de conhecer e já considero pakas, apesar de não ser muito fã de distopias eu de fato gostei bastante do livro, capa e sinopse, talvez pelo romance ou características principais da obra. Parabéns pela resenha!

    Grande abraço,
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Marcos. Sou grande fã de distopias diárias e adorei a premissa do livro. Interessante as pessoas serem conhecidas por códigos e do objetivo da história. Organização sendo desorganizada é uma coisa que eu gosto.
    Obg pela indicação ;)
    Abc

    ResponderExcluir
  6. Oi Marcos! Como sempre vc me apresentando sempre obras diferentes e interessantes! Eu ando cansada de distopias, mas as adolescente, essa parece uma excelente obra! A edição parece maravilhosa!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  7. Oii!
    Adoro distopias e essa me aprece bacana, que bom saber que a editora caprichou não só na capa como em o tdo o livro, vou qrer conhecer sim.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi, eu gosto muito de distopias, mas sempre acabo o lendo as maisso novas.
    A história parece ser bem interessante, e realmente é um livro lindo, parece um grafite atrás, vou ler com certeza.

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Quero muito ler esse livro.
    Parece ser uma ótima distopia e edição está linda!
    Não sabia que era quase uma parábola de Adão e Eva, me interessei ainda mais por isso.
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá! Gosto bastante de distopias, e essa em particular chamou muito minha atenção, impressionante que um livro escrito em meados de 1920/1921, trás assuntos que devem ser refletidos atualmente, adorei a capa do livro e o cuidado que eles tiveram em nos presentear com um material incrível.

    ResponderExcluir
  11. Esse edição esta muito bonita e caprichada, parece ser interessante afinal fala da liberdade que é algo maravilhoso, fico imaginando como seria as pessoas sendo tratadas tão rigidamente assim, seria terrível, ainda bem que sempre tem alguém com ideias mais avançadas digamos assim e procuram mudar as coisas.

    ResponderExcluir
  12. Hey Marcos
    Fiquei interessada nessa obra, recebeu uma boa classificação sua também,parece uma leitura que vale a pena.
    Curto distopias,traz reflexões,a mais recente que li foi O Conto do Aia,muito bom.
    E claro, o trabalho da editora Aleph ficou muito bonito.

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Que resenha bem pequena, pensei que teria mais sobre essa obra. Gostei do livro, tem uma distopia bem legal e a frase que você colocou do livro e magnifica. Um leitura super interessante que com certeza vale a pena ler.

    ResponderExcluir
  14. Oi Marcos,
    Adoro distopias, mas é a primeira vez que vejo uma tão poética. Uma sociedade onde pessoas são tratadas por números me parece tão impessoal. Com certeza é uma fator adotado para que eles se mantenham menos humanos e mais controláveis. A forma como o autor vai inserindo as descobertas humanas de D 503 deve ser bem interessante. A edição deste livro está linda e fiquei bem instigada a conhecer esta obra.

    ResponderExcluir
  15. Oi, Marcos!!
    Que legal a premissa desse livro, adoro distopias e fiquei bem surpresa com o ano que esse livro foi escrito em 1920!! Poxa, amei a diagramação que ficou bem caprichada!! Que indicação maravilhosa!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bom?
    Eu não conhecia o livro ainda, mas parece ser bom. Eu li poucos livros do gênero distópico que eu gostei muito, achei interessante essa coisa de imaginação, e das pessoas serem identifica por números, a edição também esta muito linda.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  17. Oi, Marcos!
    Não curto distopia, provavelmente por isso que a história de D 503 não me interessou, mas acredito que Nós é uma ótima dica para quem gosta do gênero.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  18. Olá Marcos ;)
    Geralmente gosto de distopias, mas confesso que Nós não despertou meu interesse, apesar de ter gostado da sua resenha e dos seus comentários.
    Achei interessante essa comparação da trama com a parábola de Adão, Eva e o paraíso... foi uma boa jogada.
    E essa edição está linda mesmo, a editora arrasou!
    Abç

    ResponderExcluir
  19. A capa desse livro é tao simples quanto confusa (de um jeito bom). Nao conhecia a obra e amo distopias, mas não curti a premissa desta aqui, é um universo bem "fechado", digamos assim. Vi as fotos e pesquisei mais sobre ele e a edição está realmente caprichada.

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir