acompanhe o blog
nas redes sociais

3.4.18

A Irmã da Tempestade - A História de Ally, Vol. 02 - Série As Sete Irmãs [Lucinda Riley]

Ed. Arqueiro, 2016 - 528 páginas
- "Ally D’Aplièse é uma grande velejadora e está se preparando para uma importante regata, mas a notícia da morte do pai faz com que ela abandone seus planos e volte para casa, para se reunir com as cinco irmãs. Lá, elas descobrem que Pa Salt – como era carinhosamente chamado pelas filhas adotivas – deixou, para cada uma delas, uma pista sobre suas verdadeiras origens. Apesar do choque, Ally encontra apoio em um grande amor. Porém mais uma vez seu mundo vira de cabeça para baixo, então ela decide seguir as pistas deixadas por Pa Salt e ir em busca do próprio passado. Nessa jornada, ela chega à Noruega, onde descobre que sua história está ligada à da jovem cantora Anna Landvik, que viveu há mais de cem anos e participou da estreia de uma das obras mais famosas do grande compositor Edvard Grieg. E, à medida que mergulha na vida de Anna, Ally começa a se perguntar quem realmente era seu pai adotivo."

Onde comprar:

Lucinda Riley é uma daquelas autoras que te deixam com um sorriso no rosto, pelo simples fato de escrever estórias tão boas que emocionam a todos. Ela sabe conduzir uma bela estória, com pitadas de emoção, suspense e amor onde precisar e no momento certo. É indiscutível seu talento, pois seu amor pelo que faz transborda em cada página de seus livros. Não é exagero meu, falando com propriedade, em dizer que a mesma é uma das escritoras mais incríveis que já conheci. Apesar de usar de uma fórmula, ao qual tomou para si, seus livros em nada são repetitivos ou “sempre do mesmo” como já ouvi muito por aí. Pelo contrário, seus romances são sempre únicos, singulares.

Recapitulando o inicio desta série, vamos lá: As irmãs D' Aplièse foram adotadas por Pa Salt, um homem muito rico que vivia a viajar pelo mundo e adotou sete meninas dando o nome delas da Constelação de Plêiades. Após sua morte, ele deixou cartas. Cartas essas que explicam a origem de cada uma. No primeiro livro conhecemos Maia e a sua ligação com o Rio de Janeiro, neste conheceremos a história da segunda irmã, Ally, a irmã inteligente, forte, destemida, que herdou o gosto do pai em estar sempre no mar. Todavia, quando recebe a trágica noticia sobre seu pai, sua vida desmoronou.

"Em algum momento, você tem que tomar a decisão entre perder a pessoa que você ama e sua própria sanidade."

Ally é uma personagem muito forte, decidida e dona do próprio nariz, seguindo as pistas deixadas pelo seu pai, ela vai para Noruega, onde lá verá que sua origem está ligada a uma cantora do passado que se chama Anna Landvik. Uma pobre moça camponesa que vive a vida cuidando de vacas e cantando para elas. Até que certo dia ela é “descoberta” por Herr Bayer, um produtor que a promete transformar em uma grande artista. Ao chegar lá descobre que fará uma espécie de dublagem, onde ela cantaria por trás das cortinas, e outra pessoa fingiria que estava cantando através de sua linda voz. O que há de comum entre essas duas tramas? Bem, é claro que Lucinda nos apresenta, sempre, a ligação do presente e o passado ao qual ela faz questão de desenrolar seus livros sobre essa fórmula. Como já mencionei, seus livros mantém um estilo padrão, porém o conteúdo é que encanta e surpreende, Nesta trama não foi diferente.

"À medida que Atlantis diminuía de tamanho ao longe e a casa desaparecia entre as árvores, implorei para que as palavras de Pa penetrassem meu espírito e me ajudassem a encontrar a coragem de que eu precisava para seguir em frente"

É sensacional o modo como ela consegue criar protagonistas tão reais, tão próximos à realidade. Isso torna sempre a leitura mais prazerosa, mais dinâmica e gostosa de ser lida, pois nos identificamos fielmente. Ally está sempre à prova, como se algo a quisesse que perdesse tudo para receber em dobro depois. Apesar de sempre ter seu mundo virado de cabeça para baixo, como enfatiza a sinopse, ela se mostra uma pessoa que a todo o momento se reconstrói, como se realmente renascesse das cinzas. É admirável sua bravura ante as dificuldades. Inspirador!

Quanto ao segundo enredo, ele se mostra simples, mas rico, dando uma visão ampla do que pode ser desenvolvido pela frente, algo característico da autora. O que quero dizer é que ela vai discorrendo seus pensamentos no papel de forma tão enriquecedora, dosando elementos da realidade, que o leitor vai imaginando o que vem na página seguinte. Contudo, Lucinda demonstra ser tão inteligente, nos levando a imaginar algo previsível, que no final ela nos deixa boquiabertos.

A narrativa continua da mesma forma, parte em primeira pessoa, parte em terceira pessoa. Isso proporciona uma máxima visão da trama, onde o leitor pode colocar na balança os dois lados apresentados.

“Passei os quarenta minutos seguintes ouvindo-o tocar uma fabulosa seleção de suas peças preferidas, entre as quais o primeiro movimento do Concerto para Violino em Ré Maior de Tchaikovsky e a sonata Trinado do Diabo, de Tartini, e pude testemunhar enquanto ele se transportava para dentro de outro mundo, um mundo no qual eu tinha visto todo músico de verdade entrar quando tocava.”

A estória em si é espetacular, e posso até afirmar que é bem melhor que o primeiro. Este está mais maduro, mais direto a meu ver, nos mostra mais com clareza aquilo que realmente estamos atrás. Os personagens são perfeitos, descrições exuberantes, e desfecho de tirar o fôlego. Estou muito ansioso para ler o terceiro livro, e mais curioso ainda pra saber como a autora irá encerrar está série, sendo que a sétima irmã, assim como a lenda das Plêiades, está perdida. Boa leitura!

Clique na capa para ler a resenha do livro anterior:



Douglas Brandão
Geminiano, formado em Magistério e futuro professor de História. Mora na Bahia e louco por livros. Um pouco ciumento e orgulho. Fanático por Harry Potter e chegou a receber o apelido de "Vírgula" por sempre dar uma opinião ou comentário, porque sempre usa "Entretanto", "Contudo" e "Todavia" por ser sempre "Do Contra". Sincero ao extremo e venho para compartilhar meu gosto de leitura com vocês.
*Sua compra através dos links deste post geram comissão ao blog!

comentários pelo facebook:

16 comentários em "A Irmã da Tempestade - A História de Ally, Vol. 02 - Série As Sete Irmãs [Lucinda Riley]"

  1. Oi, Douglas.

    Acho de grande importância para a personagem, a Ally, saber a sua origem e partir em busca de respostas, principalmente porque há toda uma história que precisa ser descoberta.

    ResponderExcluir
  2. A capa desse livro é lindaaaa, e a história parece incrível. A autora parece saber o que faz quando se trata de desenvolvimento da história, não é atoa que você deu cinco estrelas. Mais de 500 páginas, realmente tem que ser boa hahaha

    ResponderExcluir
  3. Oi Douglas, tudo bem? leio muitas resenhas positivas dos livros da Lucinda, mas nunca li nenhum, pretendo ler esse ano. Que bom que foi uma leitura mais direta, gosto assim e espero que vc curta o próximo tb!

    Bjs, mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Oi Douglas, eu li o primeiro livro dessa série e apesar de achar a escrita da autora muito boa não consegui me conectar com as histórias, eu geralmente não gosto quando o livro fica alternando passado e presente e acho que isso teve grande influência na leitura. Ainda assim sei que a autora é muito talentosa e tem muitos fãs e achei tua resenha ótima e bem completa, os fãs devem continuar a amar essa série e o fato de se passar Noruega, um país que pouco conheço, deve tornar a trama bem rica ;)

    ResponderExcluir
  5. Olá Douglas!
    Ainda não li livos da série, tenho mta curiosidade de conhecer os enredos e claro a escrita da autora que parecem agradar os leitores, espero ter uma uma oportunidade ler um dia. As capas são lindas!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Douglas!
    Uma das melhores autoras contemporâneas na minha opinião.
    Li o livro anterior e fiquei totalmente envolvida com a leitura.
    Adoro a Lucinda e quero demais acompanhar todos os livros da série e se diz que esse ainda é melhor que o primeiro, mais maduro e interessante, como não desejar lê-lo?
    Desejo um mês abençoado!
    “Ando no traçado do tempo a procura de mim mesmo até hoje não sei quem sou, mas sou um caminhante e não um conformista.” (Augusto Cury)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA ABRIL – ANIVERSÁRIO DO BLOG: 5 livros + vários kits, 7 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  7. dizem que não devemos julgar o livro pela capa e foi exatamente o que eu fiz com esse livro,pensei já vem um mais um livro com o tema fantasia ou mitologia e pra minha surpresa não era,amei a resenha e vi que são vários livros,também estou atrás das minhas origens e gostaria muito de ler essa serie para saber como cada personagem lida com o essa busca eterna por respostas...

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que você falou a melhor frase até agora: Lucinda é o tipo de autora que deixa o leitor sempre com um sorriso no rosto!
    Ela consegue sempre fazer isso, sem fazer muito esforço.rs
    Conheço alguns livros dela e li o primeiro desta saga das irmãs e a maneira peculiar que ela desenha seus enredos, trazendo passado e presente é fascinante!
    E essas irmãs da saga, trazem suas diferenças e mesmo assim, sua igualdade no amor pelo pai e pela família.
    Espero dar continuidade na série e logo!
    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Oi, Doglas!
    Nunca li nada da Lucinda Riley e confesso que não tenho curiosidade em conhecer a série As Sete Irmãs e descobrir a origem de cada uma das sete protagonistas, e apesar de ter achado admirável a forma da Ally em enfrentar as dificuldades da vida - cheia de bravura, garrra e determinação - não tenho interesse em ler A irmã da Tempestade... Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Ainda não li nada da autora, mas pela resenha parece ser um enredo envolvente. Acho que os romances precisam ter esse toque de suspense e drama, pois assim torna a trama bem mais envolvente para o leitor. Interessante a ligação da personagem Maia do primeiro livro com o Rio, fiquei ainda mais curioso pela série. Ótima resenha.

    ResponderExcluir
  11. Oi Douglas,
    Adorei essa conexão dos nomes com a Constelação de Plêiades,a parte da última irmã perdida, assim como na lenda, também me deixou curiosa.
    Que bom que o jogo de presente e passado parece funcionar nesse livro, suspense e amor na medida certa é meu estilo.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Oi, Douglas!!
    Estou para começar a ler o primeiro livro dessa série da Lucinda Riley tem uns bom seis meses mas até o momento fico empurrando com a barriga. Espero que esse ano ler o primeiro e o segundo.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  14. Olá Douglas.
    Estou ansiosa para ler algo da Lucinda, não há um comentário sobre sobre suas histórias que não são positivos.
    Gosto bastante quando intercala passado e presente, não sabia que essa era uma característica da autora e só com isso já me conquistou, rs. Pretendo ler a série, estou encantada com as resenhas e também com as edições que estão lindas!
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Nunca li nada da Lucinda Riley, mas ouço críticas maravilhosas a respeito da escrita da autora e de seus enredos. Gosto bastante desses livros que trazem uma carga dramática mais trabalhada. Acho muito legal isso do livro mostrar o passado e o presente e essa ligação entre os dois. Além disso, essa narrativa em primeira e terceira pessoa trás perspectivas diferentes o que é muito agradável de ler. Que bom que você gostou do segundo livro e que foi ainda melhor que o primeiro, que venha o terceiro e seja melhor ainda.

    ResponderExcluir
  16. Oi!
    Ainda não nada da Lucinda Riley, estou com o primeiro livro dela para ler, gosto muito da ideia dessa serie, parece que iremos conhecer historias incríveis e bem diferentes, achei esse enrendo do passado bem interessante e estou curiosa para poder conhecer melhor a escrita da autora !!

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir