acompanhe o blog
nas redes sociais

9.1.19

Filhos De Sangue e Osso, Vol. 01 - Trilogia O Legado De Orïsha [Tomi Adeyemi]

Tomi Adeyemi
Cortesia da Editora Rocco

Quando Children of Blood and Bone foi lançado nos EUA, eu fiquei louco para ler essa fantasia inspirada nos orixás brasileiros. Ainda bem que a editora Rocco não demorou muito para lançar o livro de Tomi Adeyemi aqui no Brasil através do selo Fantástica Rocco.

Tudo começou quando a autora norte-americana esteve no Brasil e entrou em uma loja de Salvador, para fugir da chuva, e viu os orixás Iemanjá, Xangô, Oxóssi e Oxum, pintados em azulejos. Deuses e deusas africanos. Ela ficou encantada com aqueles lindos deuses negros e começou a imaginar um mundo inteiro de fantasia e magia.

Filhos de Sangue e Osso é o primeiro livro da trilogia O Legado de Orïsha, baseada na cultura ioruba, um dos maiores grupos étnico-linguísticos da África Ocidental.

Título: Filhos De Sangue e Osso
Autor: Tomi Adeyemi
Tradutor: Petê Rissatti
Série: O Legado De Orïsha
Editora: Fantástica Rocco
Gênero: Fantasia
Páginas: 560
Edição:
Ano: 2018
Favorito
Onde comprar: Amazon

A história é contada sobre três pontos de vista, o que poderia ser confuso ou redundante, mas não é o caso.

Zélie Adebola vive no reino de Orïsha, onde a magia desapareceu há 11 anos. A magia era um dom dos Maji que eram identificados de longe pelos seus cabelos brancos. Eles eram divididos em 10 clãs de acordo com seus poderes e cada clã era orientado por um orixá. Quando a magia passou a ser uma ameaça ao governo do Rei Saran, ele mandou executar todos os Meji. Foi quando a magia morreu. Zélie é uma Divinal, descendente de uma Maji, e luta contra a opressão de seu povo que é obrigado a pagar impostos cada vez maiores e quando não conseguem são escravizados nas colônias do Reino.

“Somos o povo que enche as prisões do rei, o povo que nosso reino transforma em trabalhadores forçados. O povo que os orïshanos tentam caçar por nossas feições, declarando ilegal nossa linhagem, como se os cabelos brancos e a magia fossem uma mancha social.”

Amari, filha do Rei Saran, encontra um artefato que pode conter a chave para trazer a magia de volta e foge do castelo. Zélie e seu irmão Tzain embarcam com ela numa jornada para restabelecer o elo que existia entre os Maji e os deuses.

O terceiro ponto de vista é de Inan, irmão mais velho de Amari e herdeiro do trono. Ele acaba de ser nomeado capitão da guarda e sai atrás de sua irmã.

Filhos de Sangue e Osso conta a jornada desses personagens, mas Tomi Adeyani, autora negra de apenas 24 anos, também discute questões bem atuais, como o preconceito contra as mulheres, os negros e as religiões. Tudo isso com uma escrita muito rica e fluida. Há uma passagem em que mostra que os ricos tentam clarear a pele para mostrar o quanto são superiores. O livro é um exemplo de Own Voices que é quando o personagem tem alguma semelhança com o autor, seja ela étnica, religiosa, cultural ou sexual.

“Na Terra, a Mãe Céu criou os seres humanos, seus Filhos de Sangue e Osso. Nos céus, ela deu à luz aos deuses e deusas. Cada um viria a incorporar um fragmento diferente de sua alma.”

O livro chegou rapidamente a lista Best Sellers do New York Times e a Fox já comprou os direitos para uma adaptação cinematográfica.

Com ação o tempo todo, personagens profundos e muita cultura ioruba, Filhos de Sangue e Osso é inovador e uma obra prima!

Com amor, André.

comentários pelo facebook:

17 comentários em "Filhos De Sangue e Osso, Vol. 01 - Trilogia O Legado De Orïsha [Tomi Adeyemi]"

  1. Oi, André,

    É um livro que no qual desejo realizar a leitura. Os traços da mitologia, a personagem forte criada pela autora e os ideais presentes só mostram que essa é uma história bem conduzida e desenhada para o que é proposto.

    ResponderExcluir
  2. Puxa, antes de chegar até o final da resenha, estava lendo e imaginando o roteiro sendo desenvolvido num filme!
    E que alegria ver e ler que isso será feito.
    Mais gostoso também saber que a autora se inspirou em coisinhas vistas aqui, no nosso país e com isso, parece que conseguiu construir um cenário com mitologia, aventura e personagens muito bem fundamentados!
    Todos os personagens parecem se ligar e isso é fabuloso!Todos tem sua importância no enredo.
    Vai para a lista de desejados com certeza.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Nossa, incrível que a inspiração tenha brotado aqui no Brasil, não sabia disso.
    Muito legal uma fantasia inspirada nos deuses africanos, e incluir a magia faz com que a leitura seja empolgante.
    Até então eu não sabia muito sobre o livro, mas depois dessa resenha fiquei interessada.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá André!
    Eu não sabia da origem do livro e o fato de a autora ter tido inspiração aqui no Brasil nos deixa um pouco orgulhosos, não? Visto o quanto a cultura ioruba é rica o que não faltam são bons personagens para essa história. Como sou uma grande fã de mitologia o livro é leitura mais que obrigatória para conhecer um pouco mais sobre esses deuses. É muito importante os temas preconceituosos serem abordados pela autora, sendo mais uma forma de chamar a atenção para a discriminação.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá André!
    Não fica difícil entender o porque essa obra está sendo imensamente elogiada em toda blogsfera, dado a sua riqueza. Não fazia a menor ideia que essa história maravilhosa teve inspiração brasileira, mas só por isso a vontade de ler ficou ainda maior. Também é necessário elogiar o trabalho brilhante de Adeyemi, que além de construir uma trama super original, não falha ao trazer para discussão alguns temas super atuais relacionados à cultura africana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Amei essa edição e estou louca pra ver a capa da continuação,amo capas bem coloridas...me fez lembrar a série raízes...

    ResponderExcluir
  7. Oi André,
    Eu já estava louca para ler esse livro, e depois que você colocou que a autora teve a ideia depois de vir aqui no Brasil, só aumentou minha vontade <3
    Achei a capa tão linda <3

    ResponderExcluir
  8. Olá, André
    Desde o lançamento desse livro eu namoro ele pela capa, li várias resenhas e curiosidades sobre o mesmo.
    O mais legal é saber que a autora estava aqui no Brasil e se encantou em ver esses deuses e foi pesquisar a cultura africana para escrever esse livro maravilhoso.
    Quero muito ler, porque mesmo que seja uma fantasia faz uma critica para a sociedade que ainda discrimina mulheres e negros.
    E ainda vem um filme inspirado no livro, espero que seja bom.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi André,
    Primeiro que só o fato do livro trazer essa representatividade, ele merece um destaque enorme. Sempre digo que nas lutas atuais que estamos passando (que também são antigas), isso é importante, principalmente na literatura infanto juvenil.
    A história me pareceu bem envolvente, adoro magia, e como traz uma cultura diferente, que eu conheço pouco, só me deixa ainda mais curiosa para ler.
    Gostei desde a capa, a edição que parece estar belíssima, até a narrativa, que, não tenho dúvidas, é encantadora.
    Pretendo ler sem falta!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi André,
    Foi difícil ignorar este livro, pois assim que foi lançado lá fora o hype foi muito grande até que foi publicado aqui no Brasil. Só pelo título e pela capa já bate aquela curiosidade sobre a história, essa que por sinal não sabia que havia sido inspirada por nosso país. Apesar de toda cultura e magia presente na trama, o que chama atenção são os elementos tão presentes e enraizados na nossa sociedade e história como a escravidão, o preconceito e a injustiça. Acredito que essa trilogia tem tudo para ser um sucesso e mesmo tendo achado o enredo um pouco confuso quero ter a oportunidade de ler a este livro.

    ResponderExcluir
  11. Tenho visto muitas resenhas sobre esse livro. Me interessei demais por ele e quero muito ler.
    Finalmente um livro que fugiu do estereótico da fantasia de sempre e criou um mundo com esses deuses africanos.
    Amei!

    ResponderExcluir
  12. Fiquei bem animado ao descobrir que a premissa da história é sobre os orixás, que tema incrível <3. Filhos de Sangue e Osso tem uma narrativa que aparenta ser muito legal e bem desenvolvida, cheia de aventuras e, o melhor, reflexões sobre racismo, machismo e intolerância. Gostei do fato da autora ser negra e retratar uma cultura de sua raça.

    ResponderExcluir
  13. Olá! Muito bacana saber que o livro foi inspirado aqui no Brasil, à história parece ser riquíssima, cheia de detalhes da cultura ioruba, já animada com essa adaptação.

    ResponderExcluir
  14. Oi, André!
    Fantasias inspiradas nos orixás brasileiros não faz o meu estilo de leitura, é um assunto que não desperta o meu interesse, e apesar de ter achado interessante a autora norte-americana ter se inspirado em escrever após entrar em uma loja de Salvador, Filhos de Sangue e Osso é um livro que eu não leria... Abraços!

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Que incrível que a inspiração pra esse livro veio daqui do Brasil. Gostei dos temas que são tratados, principalmente pelo fato de conhecermos os deuses dessa religião.
    Já quero ler e espero que façam uma ótima adaptação desse livro.

    ResponderExcluir
  16. Oi, André!!
    Também estou louca para ler esse livro de fantasia, desde que comecei a ler resenhas e indicações fiquei apaixonada por esse primeiro livro da trilogia O Legado de Orïsha, espero muito em breve fazer essa leitura tão interessante.
    Bjos

    ResponderExcluir
  17. O que mais me chamou atenção nesse livro foi como ele trata a questão da escravidão e da cultura africana e essa situação que você colocou é simplesmente apaixonante " somos o povo que enche a prisão do Rei ".

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir