acompanhe o blog
nas redes sociais

12.8.19

Água Viva [Clarice Lispector]

Cortesia da Editora Rocco

A apresentação no catálogo da Rocco dizia algo como “o livro mais visceral de Clarice Lispector” ou “o livro mais auto-biográfico”, já não me recordo, mas foi essa frase que me fez escolhê-lo. Foi essa insinuação de que eu veria um pedacinho da alma de Clarice que me convenceu.

Título: Água Viva
Autor: Clarice Lispector
Editora: Rocco
Gênero: Literatura Brasileira, Romance
Páginas: 224
Edição:
Ano: 2019
Favorito
Onde comprar: Amazon

Mas ler Clarice dói. Machuca. Escrever sobre Clarice também. Há sempre verdades dolorosas demais em sua escrita. Há sempre um desconforto. Como um murro no estômago, daqueles que te roubam o ar e escurecem a visão. Ler Clarisse dói. Escrever sobre Clarisse também. Talvez por isso eu tenha reescrevido mentalmente mil vezes esses parágrafos. Mesmo agora, enquanto escrevo, me fogem as palavras. Careço de vocabulário e de arcabouço literário. Mesmo que os tivesse, a velocidade da digitação não seria suficiente para acompanhar a torrente de pensamentos. É uma missão fadada ao fracasso.


Tentar captar do que trata esse livro me soa quase como heresia. Qualquer coisa que possa dizer da escrita de Clarice seria uma tentativa pobre e disforme de transmitir algo que só pode ser sentido ao lê-la. Me faltam palavras. Me sobra sentimento. Queria conseguir te fazer sentir também o que eu senti em cada frase desse livro. Queria te fazer entender o quão maravilhosamente desesperador me foi reconhecer a mim mesma nas páginas de Água Viva. Queria que você também se reconhecesse. Ou não.

“Meu tema é o instante? meu tema de vida. Procuro estar a par dele, divido-me milhares de vezes em tantas vezes quanto os instantes que decorrem, fragmentária que sou e precários os momentos - só me comprometo com vida que nasça com o tempo e com ele cresça: só no tempo há espaço para mim.”

Esse livro é inteiro feito de instantes. Ele próprio é uma tentativa de capturar o momento presente ou “a quarta dimensão do instante já”, como diria a narradora. Uma luta pra prender o agora. Ou apenas um emaranhado de ideias tão urgentes e inquietantes como a própria existência.
Não há como definir esse texto. Restringi-lo à caixa de um gênero literário seria uma de uma injustiça sem tamanho.


Água Viva tem um tom confessional. A narradora escreve à alguém que amou, à alguém que ainda lhe é importante. Ela conta coisas. Evoca sentimentos. Reflete sobre a vida e sobre a morte. Sobre seus processos criativos. Fala de bichos e de flores. De nascimento. De Deus. E fala de tudo e ao mesmo tempo de nada. Ela fala daquilo que “é”.

Em diversos momentos me peguei perdida, à deriva num turbilhão de pensamentos. E sentimentos. Porque essa não é uma leitura comum, esse livro é algo que acontece com você. E você o sente em cada átomo do seu corpo.

Pelo menos foi assim pra mim. Chorei e sorri tantas vezes que nem sei dizer. Me encontrei nas reflexões da narradora. Toquei a mim mesma em um certo nível. Sinto que toquei Clarice também, porque já não sei mais dizer quanto desses questionamentos e observações são da personagem sem nome que escreve o texto e quantos são da autora. Acho que são das duas. Todos eles. Espero que sejam.

Clarice tem um jeito de escrever que dói. E esse livro dói mais ainda, por que sua matéria prima é a realidade, o momento presente. E é visceral, de fato. E é delicado também. Se as angústias da narradora não forem as mesmas da autora, então Clarice é de uma genialidade que vai muito além do que eu supunha. Seria impossível falar de tantas coisas de forma tão sensível sem senti-las em algum nível.


Sem cerimônia e sem pedir licença, Água Viva entrou pra lista dos meus livros preferidos da vida. Essa edição em especial (talvez por ser uma edição em especial). As fotos que tirei falharam em capturar a beleza da encadernação que traz imagens dos “datiloescritos” originais, repletos de anotações e correções feitas à mão pela própria Clarice. E uma carta-resposta enviada pelo amigo a quem a autora confiou essa primeira versão. E cinco artigos. Escritos acadêmicos sobre Água Viva e sobre Clarice. Vale cada linha e cada segundo do seu tempo.

Não sei como me despedir desse texto. Nem do que escrevo, nem do escrito por Clarice. Não sei como encerrar.
Mas tudo bem. A narradora de Água Viva também não sabia, ou talvez fosse a autora quem não soubesse.

comentários pelo facebook:

16 comentários em "Água Viva [Clarice Lispector]"

  1. Mesmo tendo pouca coisa da autora, não há como negar que Clarice é Clarice! E realmente tudo que é dito ou escrito sobre não só ela, mas sobre cada pedacinho dela exposto em algum livro, seja relativamente pequeno, tamanho o turbilhão de sentimentos que ela provoca sem dó em todos nós.
    Ainda não li esta obra da autora, mas por tudo que li e senti acima, não é um livro para qualquer leitor. É para quem se abre aos sentimentos, ao amor, a saudade, a vida em sua totalidade. E quem melhor para fazer este caminho?? Clarice!!!
    Vai para a lista dos desejados com certeza.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Clarice Lispector é intensa visceral única. E seus livros também são.
    São leituras densas profundas.
    Água Viva não é linear. É fugaz. Machuca e ensina. Dói e faz refletir.

    ResponderExcluir
  3. É poesia em forma de resenha; estou encantada.
    Já era fã da Clarice antes mesmo de ler um livro completo dela, depois senti a escrita dela através de A hora da estrela. Genial!
    Vou anotar a dica desse livro, porque essa resenha me deixou desejando fazer essa leitura.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. nossa que saudade de ler Clarice, li esse livro há anos atrás e é mesmo maravilhoso, adorei sua resenha e ver essa indicação por aqui

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  5. Olá! ♡ Adorei a resenha, ficou tão profunda, tão bonita e bem escrita!
    Ainda não tive a oportunidade de ler algo da Clarisse, mas sempre tive curiosidade de ler suas obras, já que ela é um grande nome na nossa literatura. Quero muito poder ter uma experiência maravilhosa como a sua ao ler um livro dela, poder sentir tudo que a autora quer passar de forma intensa, e mesmo que dolorida, nos ensina, cativa, faz refletir.
    Não tenho dúvidas de que preciso ler esse livro, com certeza vou adicioná-lo na minha lista de leituras.
    Obrigada pela indicação! Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  6. Nossa, que porrada! Eu perdi até o fôlego só de ler a sua resenha. Esse livro parece ser tão profundo e tão verdadeiro que é deve ser como se conhecessemos a autora/narradora.
    Quero muito poder ler algo da Clarice, coisa que ainda não fiz. Acho que esse livro seria um bom começo pra conhecê-las aos pouquinhos.

    ResponderExcluir
  7. Olá Andressa!
    Clarice Lispector é considerada um expoente da literatura nacional, e não à toa, visto que suas produções possuem tamanho sentimento que é impossível para o leitor não se envolver com pelo menos uma de suas obras. Neste livro, a autora canaliza muito bem o turbilhão de emoções que acomete a narradora, e ao longo da leitura percebe-se que vamos manifestando os mais variados sentimentos. Além disso, essas anotações feitas pela própria Clarice tornam a história ainda mais intimista.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Certa vez eu estava na biblioteca pública quando vi um livrinho meio escondido: Clarice Lispector. Pensei comigo "pq não??". COmecei a ler e logo devorei. Os textos dela eram tããããão sensacionais. Ela foi minha porta de entrada para uma leitura mais poética e também, pra cecilia meireles, outra linda. Os textos/poemas das duas autoras falam com sua alma, sempre.

    ResponderExcluir
  9. Olá! Uau! Se a resenha já nos toca e nos faz refletir, imagina ler cada linha escrita por essa autora maravilhosa, um livro que mesmo com essa grande carga dramática, nos deixará mais leve após sua leitura e reflexão.

    ResponderExcluir
  10. Oiii ❤ Adorei a forma como você falou do livro, cheio de sentimento, emoção, é lindo ver como um livro pode nos tocar tanto.
    É fascinante como a Clarice Lispector consegue falar sobre tanta coisa e ainda por cima, com muito sentimento.
    O único livro que comecei a ler dela foi A Hora da Estrela, mas não conclui, talvez não fosse o momento, mas agora que li essa resenha falando tão bem da escrita da autora e dos sentimentos que provoca no leitor, quero terminar de ler A Hora da Estrela e ler Água Viva também.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  11. Olá Andressa!
    Minha experiência literária com a autora não é das melhores. Há muito tempo iniciei a leitura de Laços de família mas não cheguei a concluir pois achei a escrita um tanto maçante. Pode ser que agora, mais experiente e com outras convicções eu aprecie a leitura. É inegável que o tom poético da narrativa é muito belo e que a autora escreveu Água Viva com muito amor.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Clarisse é uma autora maravilhosa, eu não posso ter lido nada dela mas conheço varias frases dela que amo bastante, para mim é uma forma de conhecer os sentimentos através de uma frase. Não li algum livro dela mas pretendo muito ter essa oportunidade.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  13. Oi Andressa ;)
    Nossa, pela sua resenha parece um livro muito tocante e que realmente faz o leitor sentir de tudo!
    Infelizmente nunca tive a chance de ler nenhuma das obras da Clarisse, mas quero muito e até já tenho alguns na meta (acabei de adicionar "Água Viva")!
    Acho que pelos seus comentários esse é um livro para se ler na calma né, e refletir junto com a autora sobre as palavras que ela escreveu.
    Enfim, já quero ler essa grande obra!
    Bjos

    ResponderExcluir
  14. Oi, Andressa!!
    Sem dúvida essa obra da Clarice Lispector é intensa e emocionante!! Fiquei tocada com a sua resenha e louca para descobrir um pouco mais sobre esse livro da Clarice. Que indicação maravilhosa!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Olá, Andressa
    Ainda não li nada da autora, mas só de ler sua resenha já me fez pensar sobre minha vida. Imagina lendo o livro.
    Essa edição tem uma capa lindíssima e por dentro com os manuscritos da autora que embeleza mais a edição.
    Ler algo da autora dói e nos leva refletir sobre tudo.
    Quero muito poder ler algum livro dela.
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Oi, Andressa!
    Que linda resenha!
    Li só um livro de crônicas da Clarice e gostei bastante.
    Água viva já está na lista. Parece ser um livro incrível, forte, dolorido e que nos toca de uma maneira sem igual.
    É bem do que estou precisando.
    Logo lerei.
    bjs

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir