acompanhe o blog
nas redes sociais

26.4.21

[Bookserie] Aurora Vaga-Lume e os Deuses Cromados: Parte 2: A Prova

Bookserie

Aurora Vaga-Lume e os Deuses Cromados

Parte 2: A Prova

Este é o segundo capítulo da Book Série de ficção científica Aurora Vaga-Lume e os Deuses Cromados do autor André Luis Barreto, composta de 6 capítulos. No final da postagem você encontra o botão "Anterior" para voltar para o primeiro capítulo.

Sinopse:
Aurora tem um sonho: virar uma programadora na Pryda Software, uma das maiores empresas de informática do mundo. Porém, eventos inesperados acontecem, forçando-a a trilhar um caminho sombrio no qual sua própria vida estará em risco, contudo, ela finalmente descobrirá do que realmente é capaz.

Capítulo 2:

Quarenta e seis horas e vinte e três minutos depois, o metrô entrou no terminal número cinco da estação Vega do Sul, em Alphapolis, no centro da megalópole de Vitória. Aurora esticou as pernas, olhando para a meia-calça roxa que havia custado uma pequena fortuna. Calçou suas botas e apanhou a bolsa no compartimento de bagagens. Passou pelo senhor, que dormia tranquilamente. Juntou-se ao fluxo de passageiros, indo para a saída do vagão, entretanto, as portas automáticas não se abriram, causando certa apreensão.

Quando os primeiros protestos começaram, uma mensagem da empresa de transporte surgiu nos holovisores diante de olhares apreensivos:

- Pedimos por favor a colaboração de todos. Devido ao último ataque terrorista, os cidadãos provenientes de El Dorado, Nova Caledônia e Terra Vermelha deverão passar pela verificação eletrônica. Os oficiais da Força Distrital já estão posicionados para a sua segurança. Por favor, organizem uma fila indiana. A CT Limiar agradece pela preferência e deseja a todos um ótimo dia.

- Mas que droga! - gritou um homem de fisionomia enfezada.

- Ah não, desse jeito vou perder a hora! - lamentou Aurora, seguida por outras tantas reclamações dos demais passageiros.

Finalmente, a porta do vagão foi aberta, revelando um corredor formado por agentes da Força Distrital, no final do qual dois oficiais portavam o equipamento de verificação eletrônica, acompanhados por um robô que lembrava um grande cilindro de ar comprimido. Sem outra opção, as pessoas formaram a fila solicitada.

Aurora começou a ficar impaciente, pois em algumas pessoas a verificação demorava, atrasando a fila. Então, quando a vez dela se aproximava, o robô emitiu uma luz vermelha e berrou um alarme estridente. A mulher que era examinada se assustou e tentou fugir, mas foi rapidamente detida por um oficial de arma em punho. Ela foi imobilizada por dois outros guardas, sendo forçada a ajoelhar-se. Desesperada, começou a gritar:

- É só um pulmão artificial! Não é nenhuma bomba!

- Não possui número de série, não possui registro no banco de dados comercial. Então, pode muito bem ser uma bomba! - disse em alto tom o oficial. - Soldado, leva-a para o interrogatório!

A mulher foi retirada com truculência, provocando protestos entre os ocupantes da fila, mas atraindo olhares de aprovação das demais pessoas que circulavam pelo terminal.

Chegou a vez de Aurora. Tentou manter-se calma, sem sucesso. Já havia perdido um bom tempo com aquela confusão. O policial iniciou o procedimento calmamente, o que só a deixou mais ansiosa.

- Moço, pode agilizar isso, por favor? Não sou terrorista. Preciso chegar em dez minutos na Pryda Software - suplicou.

O agente não esboçou nenhuma reação, mas o oficial, ao lado do cilindroide, achou graça, esquadrinhando Aurora dos pés à cabeça. Em seguida ele a encarou:

- Não é "moço", é senhor. E para sua informação, a Pryda não contrata mais suburbanos para fazer faxina. Agora é tudo automatizado. Por que você não volta pro buraco quente de onde saiu e fica por lá?

Os policiais próximos soltaram risinhos. Aurora olhou para o homem sem entender porque ele disse aquilo. Então fechou o rosto e ergueu a cabeça, encarando o oficial:

- Já fiz muita faxina, moço, e até gosto. Mas hoje estou concorrendo a uma vaga de programadora. Sou formada, e sou muito boa. Quer ver meu diploma?

O oficial congelou, surpreendido. O outro terminou o escaneamento, reportando-se ao superior:

- Senhor, ela está limpa.

- Deixem a menina passar! - gritou um homem na fila, apoiado pelos outros passageiros. O oficial deu uma boa olhada nos suburbanos, já bem alterados devido à remoção da mulher, ponderou e achou melhor ceder:

- Tudo bem, circulando! Suma da minha frente - ordenou com altivez.

Com um pequeno sorriso nos lábios, Aurora disparou até a saída do terminal. Ao pisar na calçada, foi surpreendida por um raio de sol. Parou. Olhou para o céu aberto e seu sorriso cresceu. Encheu os pulmões com o ar puro, digitalmente filtrado, que abundava no distrito-capital. Lembrou-se dos inúmeros passeios virtuais que fizera pelo lugar, mas nenhum deles chegava perto da sensação de estar ali, ao vivo, em carne e osso.

Seguiu pelas ruas arborizadas, tocando com a palma da mão os cascos de várias árvores que ainda tinham as folhas verdes. Observava os prédios, os apartamentos, a limpeza e a modernidade em cada canto. Reparou nas pessoas: esbeltas, elegantes, bonitas, pareciam até estrangeiros; contudo, algumas delas evitavam Aurora, mudando o caminho para não cruzar com ela ou virando a cara. Ela os ignorou, e imaginou que em breve teriam que respeitá-la, pois se tudo desse certo, logo estaria morando em Alphapolis acompanhada do pai. Avistou o moderno edifício da Pryda Software, uma pirâmide de vidro dourado. Não se conteve: ativou a câmera e ficou de costas para o prédio, fazendo pose. Tirou várias selfies.

Faltando um minuto para a hora marcada, Aurora adentrou a filial da corporação global. Em segundos foi escaneada, autenticada e identificada, sendo então direcionada para uma área reservada aos candidatos. Reparou que todas as paredes eram holográficas, permitindo que o ambiente fosse reconfigurado rapidamente. Era como estar em um filme de ficção científica, pensou. Uma funcionária sorridente recebeu-a e levou-a à sala onde o teste seria aplicado. Ao entrar no local, Aurora estancou, surpresa ao ver a grande quantidade de concorrentes.

- Minha nossa, quanta gente!

- São trezentos e cinquenta candidatos, para dez vagas - respondeu a funcionária. - Você chegou em cima da hora. Por favor, sente-se ali. Seu deck já foi autenticado na nossa intranet, é só aguardar a solicitação do programa do teste. Boa sorte.

- Obrigada - respondeu Aurora, sentando-se.

A funcionária saiu da sala, deixando o silêncio sepulcral dominar o lugar. Um ícone com uma diminuta logomarca da Pryda Software surgiu no holovisor de Aurora. Prontamente, ela o clicou. Uma interface minimalista tomou a tela e, ao centro, um avatar masculino surgiu:

- Bem vindos a última fase do processo seletivo para programador trainee. Vocês foram selecionados em um grupo de mais de três mil candidatos, parabéns. Hoje, deverão realizar as provas de Lógica Quântica e Multiprocessamento Neural. Enquanto estiverem realizando os testes, nosso bot de seleção vai analisar seus profiles nas redes sociais para sabermos mais sobre vocês. Cada prova é composta de dez blocos de cinco perguntas: três acertos em um bloco garantem a passagem para o próximo bloco, até o final da prova. A primeira prova começa agora. Boa sorte a todos.

O avatar desintegrou-se. A tela foi dividida em três partes: no topo, o tempo restante para finalizar o bloco era exibido em grandes caracteres; em uma barra lateral, à esquerda, uma matriz apresentava trezentos e cinquenta quadradinhos azuis, sendo um deles o que representava Aurora, destacado em amarelo; e, ocupando o restante da tela, a questão, seguida de suas opções de resposta.

Aurora sentiu seu coração disparar ao ver o trecho de código de uma versão do famoso algoritmo Grover. Começou a tremer, tomada pela ansiedade crescente. "Concentre-se, mulher, você estudou quatro anos para isso". Respirou fundo, lembrando-se do passado, quando ainda morava no campo. A noite sob o céu estrelado, repleta de centenas de vaga-lumes que dançavam no ar entre as árvores e fugiam dela. Seus pais reunidos ao redor de uma fogueira, assando batatas e brincando com "Rainha", a cadela da família. A tensão se foi.

Sentindo-se confiante, rapidamente encontrou a resposta certa. Passou para a próxima questão, para a seguinte, para a última. Focada, avançou até iniciar o segundo teste. A tela atualizou-se, revelando que mais da metade dos quadradinhos azuis tornaram-se vermelhos. Pessoas saíram da sala ou foram solicitadas a se retirar. Ela ouviu os lamentos e protestos, mas manteve-se concentrada. "Eu vou conseguir".

Duas horas depois, restavam apenas vinte e dois concorrentes, que se entreolhavam com desconfiança. Aurora notou que a maioria era branca e esbelta, ou seja, moradores de Alphapolis. Avançou para a terceira questão da segunda prova, que solicitava a programação de um pequeno código SMP que deveria ser escrito na linguagem de programação UnLock. O programa deveria compilar em um processador multicore Yoshida Phanton. Sorriu, pois conhecia aquela arquitetura como a palma de sua mão. Então, bruscamente, uma mensagem de alerta surgiu na tela: "Atualização de regulamento". O avatar empresarial materializou-se:

- Aurora Rocha, devido a lei emergencial de segurança 56942/2101, "lei Moretto", cidadãos devem trabalhar apenas para empregadores registrados em seus distritos de origem, portanto, você está eliminada deste processo seletivo.

O avatar desapareceu, levando junto a interface do teste. Aurora sentiu um calafrio. Tentou falar mas não conseguiu. O coração quase arrebentando o peito. Ela começou a soluçar.

- Moça, poderia me acompanhar, por favor?

Olhou para o lado, ainda sem entender muito bem o que havia acontecido. O segurança trajando uma armadura leve aguardava por ela.

- Lei Moretto? - respondeu desorientada.

- Por favor, venha comigo.

O homem a pegou pelo braço, levando-a para fora do prédio e atraindo os olhares aprovadores dos concorrentes restantes.

Na rua, um protesto barulhento acontecia. Candidatos eliminados em outros processos seletivos praguejavam contra a lei Moretto, alegando que a Pryda havia endossado o projeto. Uma barreira de seguranças da empresa continha os mais afoitos. Rapidamente, um grupamento da Força Distrital chegou, reforçando a barricada. O agente deixou Aurora longe do protesto, em uma rua lateral, então juntou-se a seus colegas. Ainda abalada e sem saber o que fazer, sentou-se na calçada, olhando perdida para o asfalto. Começou a chorar copiosamente.

Para navegar entre os capítulos clique sobre os botões "Anterior" e "Próximo" disponíveis logos abaixo.

[Anterior] [Próximo]

28 comentários em "[Bookserie] Aurora Vaga-Lume e os Deuses Cromados: Parte 2: A Prova"

  1. Tadinha da Aurora!
    Ela com certeza tinha chance. Essa tal Lei Moretto ainda vai trazer complicações

    ResponderExcluir
  2. Moretto tem aquele cheirinho de Magneto de X-Man que chega a assustar. Deu até um frio na espinha.
    E acredito que por ser apenas o segundo capítulo, teremos muitas reviravoltas ainda.
    Mas posso ser sincera?
    Acredito num acordar de Aurora!!!
    Já na expectativa pelo próximo capítulo!
    (não demore rs)
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Angela, excelente comparação! Muito obrigado pela leitura! Abraços!

      Excluir
  3. Oi, André! Já senti uma certa tensão na cena da fila de verificação eletrônica. Aurora não tinha conhecimento sobre essa lei antes da decisão de participar do processo seletivo? Achei suspeito... criando teorias aqui hahaha. Capítulo excelente e curiosa pra saber a reação do pai dela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Larissa. Ela não tinha! A lei passou justamente enquanto ela fazia a prova! Muito obrigado pela leitura!

      Excluir
  4. Nossa! 👏👏👏 Me parece que seis capítulos será pouco, viu? A história é muito instigante e deixa aquele gostinho de quero mais.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ludyanne! É uma história curta mesmo, acho que vai dar boa, rs. Obrigado e abraços!

      Excluir
  5. Obaa, novas atualizações!
    Quando chegou a vez dela na fila, lembrei quando a gente é questionada de alguma forma. Sabemos que não somos culpados de nada, mas vem aquela dúvida? E se surgir alguma coisa na minha bolsa HAHAHA
    Fiquei tão feliz quando ela respondeu ele daquela forma! que cara ridículo!!
    Mas vamos falar dessa quantidade de vagas e de candidatos?? Senhor Jesus, daqui um ano ela faz a entrevista :O
    Ai, Aurora, fiquei tão triste por você :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna, na cena da fila era exatamente essa ideia que eu queria passar! Muito agradecido pela leitura!

      Excluir
  6. André!
    Sempre com uma criatividade inexorável.
    Fique com dó da coitada ter perdido no processo seletivo...
    O que virá?
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão, Rudy! A gente tenta né, rs. Garanto que nos próximos capítulos virá muita emoção! Obrigado!

      Excluir
  7. Oi, André!
    Como eu disse antes, estou esperando acumular capítulos para iniciar a leitura, mas confesso que tá difícil de controlar a curiosidade rsrs... Então vou esperar o terceiro capítulo ser postado para começar a ler a história de Aurora Vaga-Lume pois assim a história já estará na metade :)
    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Any. Tranquilo! 6 partes fica bem mais fácil de acompanhar, e não vamos ter aquelas intervalos como na book serie anterior. Abraços! Espero que goste!

      Excluir
  8. Olá André!
    Primeiramente: adorei a arte de ilustração da série, ficou linda! Agora vamos à história em si: meu Deus coitada da Aurora! Também fiquei desorientada com a expulsão dela do processo seletivo. Estou ansiosa pela revolução que se inicia.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Aline! Muito agradecido! Posso garantir que nos próximos capítulos a coisa vai ficar ainda mais tensa! Abraços!

      Excluir
  9. Olá,

    Achei interessante e fiquei feliz por saber que vão ser seis capítulos.
    Assim a gente fica sabendo o final mais rápido KKKKKK

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Theresa. Pois é, seis capítulos fica bem mais fácil de acompanhar! Obrigado e abraços!

      Excluir
  10. Olá
    Fiquei com dó da Aurora pois ela e extremamente competente e se preparou muito bem para esse emprego que ela almejava .
    Está com cheirinho de falcatrua isso aí heim ? Já esperando os próximos capítulos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eliane, pois é, nada é fácil na vida da Aurora. Mas pode ter certeza que uma hora o jogo vira! Abraços!

      Excluir
  11. Olá! Eita que eu já quero saber quem foi que achou essa lei Moretto que desclassificou a Aurora hein.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Elizete. Só posso dizer que a justiça..., rs, você vai ler! Abraços!

      Excluir
  12. Ai ai que eu acho que as coisas vão começar a esquentar agora! Tadinha da Aurora, não merecia tamanha injustiça.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Elizangela! Se prepare que nos próximos capítulos a coisa vai escalar! Abraços!

      Excluir
  13. Que ilustração sinistra, adorei. Fiquei um pouco perdida, mas gostei da protagonista. Tenho que voltar e procurar a parte 1 para ficar ligada no que aconteceu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Ana Paula. Tá facinho de ler o primeiro capítulo, e como a história é pequena, você pode até esperar para ler tudo de uma vez. Abraços!

      Excluir
  14. Oi, André
    Incrível sua escrita fica cada dia mais impecável!
    Coitada da Aurora, mas tudo dará certo. E essa tensão me deixou mais curiosa pelos próximos capítulos.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ana. Bom saber! Olha, a partir de agora a tensão só vai aumentar! Abraços!

      Excluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir