acompanhe o blog
nas redes sociais

18.7.22

Padre Sérgio [Liev Tolstói]

Liev Tolstói

Cortesia do Grupo Companhia das Letras

É sempre bom quando os leitores expandem sua bolha, e se aventuram em autores dos mais diversos estilos e escolas literárias. Dessa vez, resolvi embarcar no universo de um dos autores russos mais conhecidos da história: Liev Tolstói. E a pergunta que me faço é: Por que demorei tanto em conhecê-lo?

Padre Sérgio
Título: Padre Sérgio
Autor: Liev Tolstói
Tradutor: Beatriz Morabito
Editora: Companhia das Letras
Gênero: Clássicos de Ficção
Páginas: 120
Edição:
Ano: 2022
Onde comprar: Amazon

Padre Sérgio” tem como protagonista o jovem militar, ambicioso e dono de uma beleza e altivez que chamam a atenção, Stiepán Kassátski. Um mês antes de seu casamento, sofre uma desilusão amorosa, e resolve abandonar tudo: Seu noivado, seu desejo em fazer parte da alta sociedade, sua carreira militar e seus bens (que os doa para sua irmã), para dedicar-se a vida no sacerdócio. Com o passar do tempo, percebe que essa não foi uma decisão muito acertada, pois muitos outros conflitos vão surgindo. Profano x religioso, pecado x moral, vaidade, orgulho, humildade, busca da plenitude, vão travando batalhas internas que o deixam cada vez mais insatisfeito e em busca pelas respostas que nunca chegam.

“- Páchenka, por favor, receba as palavras que lhe direi agora como uma confissão, como palavras ditas a Deus na hora da morte. Páchenka, não sou um homem santo, não sou nem mesmo um homem simples e comum: sou um pecador torpe, abjeto, um pervertido, um pecador orgulhoso e, se não sou o que há de pior na raça humana, estou entre um dos piores dos piores.” Posição 735

Apesar de ser um romance curto, as reflexões/críticas levantadas são bastante pertinentes, principalmente ao que se refere à Igreja Ortodoxa (mercantilização da fé, hipocrisia dos integrantes da instituição, etc.); e o papel da mulher na sociedade, uma vez que, em suas obras anteriores, Tolstói carregava um teor bastante misógino, e tentou, nessa obra, fazer uma reparação em relação a essa sua característica.

“Então era isso que meu sonho queria dizer. Páchenka é o que eu deveria ser e não fui. Vivi para os homens a pretexto de viver para Deus; ela vive para Deus achando que vive para as pessoas. Sim, uma boa ação, um copo d’água oferecido sem pensar em recompensa vale mais do que tudo que fiz às pessoas. Mas não havia um quinhão de sinceridade no desejo de servir a Deus?”, perguntava-se a si mesmo, e a resposta era: “Sim, mas tudo isso era maculado e encoberto pela vaidade humana. Não há Deus para aqueles que, como eu, vivem para a vaidade humana. Vou procurá-lo”. Posição 800

Um dos pontos altos é a narrativa ágil e fluída do autor. Outro ponto positivo é a enxuta quantidade de personagens. Mas, engana-se quem acha que, por ser uma trama curta e com poucas personagens, fica algo superficial. Pelo contrário, cada participação tem um nível de complexidade bastante interessante, que vai sendo peça fundamental na montagem do mosaico que é a mente de nosso protagonista.

Em relação a parte gráfica, a Companhia das Letras está de parabéns. A capa é bem simples e sem grandes atrativos. A parte interna é agradável aos olhos. Não encontrei erros. A cereja do bolo fica por conta do posfácio, que traz textos de Samuel Titan Jr. e Boris Schaiderman, e uma “carta” escrita pelo próprio Tolstói, em resposta à Resolução de Sinodo, que ajudam o leitor a entender a profundidade dessa obra, e plantar a sementinha da curiosidade em conhecer vida e obra do autor.

Finalizo a resenha indicando o livro para os amantes de uma trama curta, mas repleta de reflexões/críticas bastante pertinentes em relação às instituições religiosas e seus integrantes.


13 comentários em "Padre Sérgio [Liev Tolstói]"

  1. Oi, Nardonio! Nunca li Tolstói e tenho um Dostoiévski sendo lindamente enrolado na estante rsrs. Sempre tive medo de ler esses dois autores, mas é algo que pretendo fazer, com toda certeza. Me pareceu um livro voltado, principalmente, para os conflitos internos do personagem, o que gosto muito. E que bom saber que, mesmo sendo uma história curta, não faltaram reflexões e questões importantes.

    ResponderExcluir
  2. Ainda não li nenhum autor russo, mas sem dúvida Tolstói é um que gostaria de ler para comprovar se sua fama é merecida. Pelo visto sim. Escrever um livro curto com um tema polêmico e ainda assim entregar um livro amarradinho sem deixar algo faltando não é para todos.

    Danielle Medeiros de Souza
    danibsb030501@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Ainda não li Tolstói mas se ele seguir os passos de seus contemporâneos, Padre Sérgio é uma leitura complexa, cheia de camadas e que permite muitas reflexões

    ResponderExcluir
  4. Dom!
    Muito bom podermos nos arriscar em novos estilos de outros países, ainda mais sendo um clássico.
    O autor é sempre questionador e reflexivo em seus enredos e fico feliz em ver que seu misoginismo teve redenção aqui.
    E os questionamentos que traz nesse exemplar, são mais que válidos.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Pode ser irônico ou apenas uma peça do destino, mas ontem estava assistindo um filme que começou meio bobo, mas que gostei demais(Padre Stu? rs ) acho que é esse o nome. Sei que tem um elenco muito bom e fica a dica.
    Mas é mais ou menos isso, alguém que do dia pra noite, decide ser padre.
    Eu nunca li Tolstói,mas sim, isso é realmente sair da bolha de conforto!
    Adorei a dica!
    Beijo

    Angela Cunha Gabriel/Rubro Rosa/O Vazio na flor

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    Tenho muito vontade de ler algo do autor, pois sempre vejo muito gente falando coisas boas.
    Esse eu não conhecia, e a história parece ser muito bom!


    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Sempre que lemos algo sobre literatura russa já imaginamos uma leitura complexa e não é bem assim .O livro tem poucas páginas o autor teve talento para construir uma trama amarrada.
    Da literatura russa tenho Anne Karienina mas ainda não li.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Nardonio!
    Até gosto de histórias com poucos personagens, pra mim esse é também um ponto positivo... Mas confesso que não me interessei por Padre Sérgio, não fiquei curiosa para conhecer mais da história do protagonista Stiepán Kassátski... Bjos!

    ResponderExcluir
  9. Oi Nardonio,
    Já me aventurei um pouco pela literatura russa, essa obra do Tolstói ainda não conheço.
    Poucas páginas, mas parecem suficientes para ser uma 'porrada', fiquei interessada.

    ResponderExcluir
  10. Ainda não li nada do Tolstói, mas tenho uma certa curiosidade. Esse parece ser um bom começo, ainda mais que é curtinho e reflexivo, só não sei como seria em relação as críticas religiosas. Mas vou tentar ler em algum momento.

    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Claro que tenho meus estilos preferidos, mas acho essencial que cada um possa expandir seu universo literário ou mesmo sair da zona de conforto. Parece um excelente livro para se fazer isso, com tantos elogios. Uma leitura curta, mas ainda assim intensa e complexa, mas sem ser maçante.

    ResponderExcluir
  12. Nunca li nada de Tolstói, confesso que tenho muita dificuldade de sair da minha bolha e procurar coisas novas/diferentes pra ler ou assistir, ainda mais se tratando de clássicos, que não são meu estilo (pra você ver como é péssimo o julgamento, antes de ler a resenha, a última coisa que eu esperava era que fosse uma narrativa "ágil e fluida"). De qualquer forma, foi interessante conhecer um pouco sobre uma das obras desse autor.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Ler Liev Tolstói è realmente sair da bolha. Eu amei a resenha, ainda mais que tenho muito medo de ler livros clássicos e não entender nada. Mas esse parece ser bem diferente. Valeu pela dica.

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir