acompanhe o blog
nas redes sociais

16.8.14

[Bookserie] Engenharia Reversa: Parte II - Conhecendo o Inimigo



Engenharia Reversa


Parte II - Conhecendo o Inimigo


Davi acorda no momento em que tem seu equipamento brutalmente removido pelo homem que acabou de invadir o quarto. Conhecido no underground como Maestro, o invasor é na verdade um especialista em riscos, e também é o cara que “apaga incêndios”, é quem você chama quando a coisa fica realmente feia. Profissionais como ele são conhecidos nas ruas como Apagadores ou, Deletadores.

Maestro olha com certa curiosidade o CND recém arrancado de Davi. O equipamento é formado por uma placa hexagonal um pouco maior que uma moeda, de onde saem vários fios. “Este brinquedo deve ter custado uma fortuna, mas agora não serve mais para nada”, pensa Maestro, segundos antes de jogar o CND no chão e pisar sobre ele. A ação provoca um estalo e o aparelho se transforma em centenas de pedacinhos de vidro e silício.

Ao mesmo tempo, Davi recobra brevemente os sentidos e consegue ver a destruição do seu equipamento, ele lamenta, xinga, e embora a dor provocada pelo corte e a forte encefalia sejam horríveis, a perda do seu ganha pão é ainda pior. Com dificuldade, ele consegue soltar algumas palavras:

- Você é...Você é o deletador? É o Maestro? Mas, cara, não precisava ter feito isso..ahhh.- fortes pontadas na cabeça o impedem de continuar falando.

- Calma, rapaz. Logo logo você vai ficar bem.

O homem então pega um pequeno frasco de um dos bolsos do seu terno. Ele abre o recipiente e despeja o conteúdo sobre toda a extensão da ferida na coluna cervical de Davi. O frasco contém criogel, que é um composto de nano-máquinas com alta capacidade regenerativa, bastariam algumas horas e Davia ficaria novo em folha, não restaria nem mesmo uma cicatriz.

O efeito imediato do criogel é uma sensação de frio no local da ferida, em seguida, analgésicos são liberados em todo o corpo e a dor some completamente; o próximo passo é diminuir o metabolismo do paciente e induzí-lo ao sono. Davi sente o alívio imediato, é como se um peso descomunal tivesse sido removido de suas costas; ele relaxa profundamente entrando em um estado de sono profundo.

Maestro levanta o rapaz da cama e sem dificuldades o leva até o flymob, colocando o jovem no banco do carona. Ele volta para o quarto, checa o cronômetro novamente: 2 minutos para a segurança da VNR chegar ao local. Agora era a vez da executiva, mas antes de removê-la, Maestro a examina mais uma vez com seu scanner de retina, mas dessa vez ele faz uma varredura completa, e não gosta nem um pouco do que descobre: alertas no seu monitor virtual indicam que a jovem possui um programa rastreador em seu CND, péssimo. O deletador abre um canal de comunicação, chamando seu apoio que ficou na base de operações:

- Thiago, você está aí? Temos um problema!

A quilômetros de distância dali, do outro lado da cidade no bairro Santo Antônio, Thiago Klein, um hacker que trabalha para Maestro, opera um avançado console bio-digital Saturn PowerDesk Mark III. O equipamento está ligado a ele por uma série de fios e cabos que se conectam diratamente ao seu cérebro, e graças ao Saturn o poder de processamento do CND de Thiago é multiplicado por cem.

- Estou na escuta, Chefe, o que está rolando aí?

- A executiva, ela tem um rastreador, então não posso tirá-la daqui. Preciso que você entre no sistema dela e desative o programa; o CND já está mapeado na rede.

- Entendido.

Thiago entra na rede WiMax3 gerada a partir do flymob de Maestro e logo acha a bio-assinatura de Bel, com um pensamento, ele consegue entrar no sistema dela enquanto prepara um arsenal de bio-programas para neutralizar o rastreador, mas antes de executá-los, por pura experiência própria, ele roda um avançado programa de diagnóstico. O programa facilmente encontra o seu alvo e então o examina, executando uma análise completa. Em questão de segundos a operação é concluída e o resultado é enviado para Thiago. Ele se inclina para frente na confortável cadeira que usa para operar o Saturn, e assim que termina de ler o diagnóstico, uma expressão de preocupação se forma em seu rosto.

- Chefe, é o seguinte, não tem como desativar o rastreador!

- Como assim, Klein? Você já fez isso centenas de vezes, caramba!

- Sim, mas esse caso é diferente! O programa está ligado de alguma forma as funções vitais da moça e se eu tentar eliminá-lo, com certeza posso causar algum dano sério. Chefe, esse é o tipo de programa usado naqueles políticos importantes e nos executivos poderosos, é caro e muito sofisticado. Essa guria deve valer uma bolada, certo? - Thiago ficou sorridente por um breve momento, mas então voltou a realidade nada animadora - mas só com uma boa intervenção cirúrgica dá para tirar esse troço dela.

- Ok, entendi - Maestro imediatamente começa a pensar nas possibilidades.

Era o tipo de situação que exigia uma decisão rápida. As opções são escassas, o tempo se aproxima do limite. Ele dá uma boa olhada em Bel, então se vira e volta correndo para o flymob, pulando habilmente sobre a porta circular aberta no vidro digital. No interior do veículo, olha para o painel para ver a proximidade do pessoal da VNR: eles estão entrando no quarteirão.

Maestro coloca o flymob em movimento e empurra o joystique de controle de direção para a frente, posicionando o manche quase na horizontal; os motores do veículo produzem um som de aceleração e a máquina mergulha no ar, descendo veloz rente a grande fachada do prédio.

Nos primeiros andares, um cargueiro da Matsudana Ltda, uma empresa de peças sobressalentes, está parado ao lado de uma plataforma flutuante descarregando grandes caixas de plástico. “É ali mesmo, perfeito”, pensa Maestro. O flymob passa bem perto do veículo, e então começa a realizar uma manobra de aproximação, de forma a se posicionar embaixo do cargueiro. Mas esse tipo de coisa é perigosa, porque os sensores da nave comercial podem alertar a empresa, então Maestro acessa o sistema do veículo e o hackeia, impedindo assim que a Matsudana fosse notificada. Em seguida, após confirmar a ação, ele abre novamente o canal de comunicação:

-Thiago, é o seguinte: vamos deixar a VNR pegar a garota.

- O que? Sério, chefe? Isso quer dizer que falhamos nesse serviço?

- Não. Escute bem. Quero que você transfira imediatamente para o meu flymob o software de camuflagem eletrônica, a última versão, aquela que roubamos o algorítimo no mês passado, você fez uma cópia dele, certo?

Thiago começou a entender o plano de Maestro, mas não estava gostando muito.

- Sim! Claro que eu fiz uma cópia! Mas, chefe, você não vai tentar outro 302, vai?

O chefe não respondeu, sua mente estava focada na operação que estava prestes a realizar.

302 era o código interno para emboscadas de alto risco, normalmente contra alvos muito bem protegidos. Alguns meses atrás, a equipe realizou um 302 e o resultado foi satisfatório, porém, mais da metade do grupo foi morta durante a operação, e muitos dos que morreram eram amigos próximos de Thiago.

Maestro visualizava mentalmente mapas e vias áreas pela cidade, quando um bip no painel do seu flymob indicou que um download havia sido concluído, era o programa de camuflagem, ele sorriu e então voltou para a conversa. Do outro lado da linha, Thiago estava prestes a refazer sua última pergunta, mas então Maestro volta a falar:

- É isso mesmo, Klein. Vamos interceptar o transporte da VNR e tirar a executiva de lá, e junto com ela vamos sequestrar o médico da equipe, sempre tem um nessas operações de resgate. Ele vai saber como tirar o rastreador da garota.

A lembrança da última operação 302 voltou a mente de Thiago, que não estava acreditando que o chefe iria, mais uma vez, realizar uma missão tão arriscada; ele tentou usar alguns argumentos:

- Maestro, você tem certeza? Da última vez nós quase fomos apanhados, sem falar na perda de metade do nosso pessoal! Ela é só mais uma patricinha corporativa, Vix está cheia delas, é só escolher! Tenho certeza que não vai valer o custo. - Ele fez uma pausa, esperando o contra-argumento de Maestro, mas este não disse nada, então Thiago continuou, um pouco tenso: 

-Se o lance é a grana podemos roubar um bio-computador! Seria mais fácil e muito mais divertido!

Mas não havia espaço para argumentos. A missão era de suma importância, talvez o maior desafio que Maestro e sua equipe iriam enfrentar. O pagamento seria formidável, mas havia algo muito mais valioso em jogo, algo que precisava ficar oculto. Maestro logo encerrou a discussão usando sua autoridade na cadeia de comando:

- Thiago, não tem outro jeito, essa é a minha equipe! E se você faz parte dela, ou segue minhas ordens, ou pode arrumar as suas coisas e sair do meu prédio. Então, o que vai ser?

“Droga”, pensou Thiago. Ele poderia, sim, “pedir demissão” a qualquer momento, mas teria que sair de Vitória pois sua ficha criminal era extensa, e sem a proteção de Maestro, ele seria capturado e deportado sem nem mesmo um julgamento. Haviam outras possibilidades, haviam outras organizações fora-da-lei, mas ali em Vix, trabalhar com Maestro era como fazer parte da mais poderosa corporação ou da imponente e temida Yakuza, a máfia japonesa. Thiago pensou muito rápido.

- Certo, tudo bem então. - dava para perceber a insatisfação na voz dele. - O que eu faço agora?

Do outro lado da linha de comunicação, Maestro se sentiu aliviado por não ter que dispensar Thiago, pois o garoto era bom, tinha futuro. Então ele olhou para o monitor no painel, a nave da VNR já estava emparelhada com o apartamento de Bel. A equipe de resgate estava prestes a desembarcar.

- Não podemos perder mais tempo! Quero que você me ligue com as câmeras que o bio-hacker instalou no apartamento da executiva, quero ver quem vamos enfrentar.

Thiago ainda estava chateado, mas como não havia o que fazer, ele forçou-se a ficar indiferente frente a suas emoções e se concentrou no trabalho:

- É pra já! - Então ele visualizou em seu monitor virtual uma planta do apartamento, onde um pequeno círculo verde era o controle do sistema de câmeras. Com um pensamento ele ativou o sistema e transferiu o controle para Maestro, que no mesmo instante começou a receber as imagens da câmera posicionada no quarto do casal.

A nave da VNR ocupa todo o campo visual das janelas digitais do quarto. É um veículo robusto, duas vezes maior que o flymob de Maestro. Com três grandes turbinas manobráveis na parte traseira, posicionadas em uma estrutura triangular, e várias outras embaixo do casco, a manobrabilidade da nave é excepcional. Dos dois lados da fuselagem a logomarca da VNR foi pintada em dourado, exatamente nos locais das portas de embarque/desembarque.

Um feixe de luz vermelha bilhante é projetado a partir do veículo, formando um arco que se expande progressivamente, é um scanner eletrônico. Primeiro ele examina todo o apartamento de Bel, em seguida, varre o andar inteiro e aumenta sua amplitude, procurando por equipamentos suspeitos, pessoas armadas, ou armadilhas, logo o raio está vasculhando vários outros andares do prédio.

Em seu flymob, escondido embaixo do veículo de carga, Maestro olha atentamente para as imagens do quarto; ele sabe que em breve as câmeras serão encontradas e desligadas, mas torce para conseguir ver de perto o seu inimigo.

Dê súbito, o scanner se apaga. “Droga, vão desativar as câmeras”, pensa, apreensivo.

Então, uma das portas da nave se abre, revelando cinco agentes posicionados um ao lado do outro, todos fortemente armados. Eles usam armaduras biomecânicas, todas de uma tonalidade cinza metálica e equipadas com o que há de mais moderno em tecnologia de combate. Usam rifles de assalto do mesmo modelo, que Maestro consegue identificar como sendo o STANAGS X3, de fabricação japonesa. Ele também vê que um dos membros da equipe é uma mulher, o que está justamente no centro da formação, será ela a líder?

Dois dos agentes, os das laterais, saltam sobre a janela de vidro digital e a arrebentam por completo. Eles rapidamente caem dentro do quarto, e, de armas em punho, correm para os outros cômodos do apartamento, provavelmente procurando por Davi. A comunicação da equipe ocorre em uma frequência protegida, muito difícil de ser hackeada, mas gestos corporais dizem muita coisa, e Maestro confirma que a mulher é a líder quando ela ergue um dos braços e em seguida o aponta para o quarto, ordenando a seus outros dois companheiros para entrarem no local. Ela não precisava ter feito esse gesto, seguranças corporativos não faziam isso, observou Maestro. Provavelmente ela adquiriu essa hábito em algum outro emprego, e um para os militares. Isso não era bom.

Os dois agentes vão direto em direção a Bel. Um deles pega a garota nos braços e volta correndo para a nave. Graças a armadura, com um pequeno impulso ele salta pela janela e aterriza em total segurança dentro do veículo. A imagem da câmera infiltrada começa a falhar, travando e ficando cheia de pixels azuis. Maestro consegue ver ainda os outros membros do grupo voltando para a nave, então a imagem some completamente de seus monitores virtuais.

Agora o veículo corporativo começa a se mover e a se afastar do prédio. As turbinas traseiras projetam uma chama azul, e então ele acelera, produzindo um zunido agudo e chamando a atenção de centenas de pessoas que trafegam nas vias áreas próximas.

Maestro liga os motores do seu flymob e ativa o software de camuflagem, que o ajudará a permanecer oculto caso o pessoal da VNR ative um detector de perseguição, um equipamento que descobre possíveis perseguidores de veículos em movimento. Ele acelera o flymob e começa a seguir o veículo corporativo, deixando o controle de sua nave em piloto automático. Pelo comunicador, chama mais uma vez a assistência de Thiago:

- Klein, você pegou isso? Gravou tudo?

-Sim, chefe, gravei!

- É o seguinte: procure no nosso banco de dados por todas as equipes táticas da VNR aqui em Vix que possuem mulheres no comando, preciso saber o máximo de informações que você conseguir. Entendido?

- Perfeito. Deixe comigo.

Com uma rapidez incrível, Thiago já está navegando nos arquivos de dados sobre a corporação. Em sua tela virtual, ele vê que atualmente a VNR possui apenas uma equipe tática com liderança feminina, é a equipe codificada como “Anjo Delta”, cuja o comando é exercido por uma tal de Amanda Oliveira Makarim. Com um pensamento rápido, a ficha dela é exibida imediatamente na tela virtual. Thiago a lê velozmente e constata que as informações estão muito incompletas. Ele então tenta um acesso direto ao servidor de Recursos Humanos da corporação, usando uma porta dos fundos - uma brecha de segurança - que ainda não foi descoberta pela segurança virtual da VNR.

Do outro lado da cidade, Maestro está bastante impaciente:

- E aí, Klein? Já conseguiu os dados?

- Um minuto, chefe. Vou pegá-los direto da fonte.

 O acesso dá certo, e agora Thiago está dentro de um dos imensos bancos de dados da VNR. O cenário projetado pela interface do sistema exibe uma gigantesca cidade eletrônica formada por imensos cubos translúcidos como gelo, agrupados com uma massa concisa e flutuando em um céu de horizontes verdes, não existe nenhum sinal de um chão abaixo da cidade, ela literalmente flutua no vazio. Dentro de cada cubo, o hacker vê centenas de pequenas explosões, como flashs, criando verdadeiras tempestades digitais, são as informações corporativas sendo atualizadas e acessadas.

Os cubos são interligados por vias de dados, que são estruturas semelhantes a túneis por onde trafegam milhões de informações. Flutuando aleatoriamente pelo céu, entidades de formas geométricas complexas, de cores em tons escuros, vigiam e controlam os acessos a cidade; são programas de segurança, manifestações virtuais do bio-computador que protege o sistema.

Thiago usa uma projeção virtual, uma espécie de vespa, que navega oculta entre os grandes cubos. Ela passa no meio de duas entidades de segurança, que não conseguem detectá-la, e então manobra e se aproxima de uma das vias de dados. Exatamente como um parasita, a vespa crava suas presas na superfície superior do túnel. A informação começa a fluir para dentro do Saturn Mark III. Milhares de registros de funcionários aparecem e desaparecem rapidamente nos monitores virtuais nas retinas de Thiago.

-Nossa! Como tem gente que trabalha para esses caras. Mas assim não dá, tenho que aprimorar a pesquisa, e rápido!

Ele ativa um programa de buscas e pensa nas palavras “Amanda Makarim”, isso faz com que o volume de registros seja drasticamente reduzido. O tempo é vital, pois o bio-computador que protege o sistema é implacável, podendo inclusive matar o invasor se o encontrar.

Thiago está tenso, o programa de busca ainda tem alguns milhões de registros para vasculhar. Gotas de suor começam e percorrer seu rosto, ele lança aplicativos de monitoramento para verificar se as entidades de segurança estão por perto.

Então, finalmente, o programa de buscas acha o registro de Amanda Makarim. ”Ufa!”, diz ele com alívio. O próximo passo é copiar o arquivo. Klein pensa nos comando necessários, que devem copiar o arquivo de Amanda e então apagar por completo os rastros. Rapidamente ele os envia para o banco de dados, criando uma transação. Mas, infelizmente, a transação não é concluída e uma mensagem aparece em suas retinas: “Acesso negado. Sua credencial é inválida. Esse arquivo requer uma credencial nível 7 ou superior.”

-Droga! Como pode isso? - ele bate com os braços nos apoios da cadeira.

Thiago encerra rapidamente a conexão, o que faz com que sua vespa virtual na cidade eletrônica da VNR comece a se afastar rapidamente do lugar. Em uma velocidade absurda, a cidade fica cada vez menor no horizonte verde, até desaparecer por completo. Uma mensagem aparece em sua retina: Conexão Terminada.

Cheio de raiva, o rapaz remove os vários plugs da cabeça e se levanta da cadeira, bufando, ele vai até uma pequena mesa, de onde tira uma xícara de café de dentro de uma máquina automática. Ele pensa nas opções; então volta contactar Maestro:

- Chefe, é o seguinte: consegui achar quem é a moça que lidera a equipe, uma tal de Amanda Makarim, mas os dados dela estão protegidos, acesso nível 7! Então eu sugiro recorrermos à Siracusa, só eles vão ter a informação na velocidade em que precisamos, pode ser? Você autoriza? - ele volta a se sentar, saboreando o café. Do outro lado da linha, Maestro pondera.

A Siracusa era um serviço de informações do submundo. Praticamente uma corporação que operava fora da lei, eles tinham acesso a milhares de dados sigilosos, que poderiam comprometer as estruturas de poder de muitas cidades-estado e países, mas por um bom preço vendiam a informação sem nenhum pudor.

Maestro já havia usado os serviços da Siracusa antes, mas normalmente a evitava, pois eles cobravam verdadeiras fortunas; mas conhecer o seu inimigo antes da batalha poderia lhe assegurar a vitória, e não era o momento de retroceder. Após uma rápida deliberação, Maestro dá a ordem para Thiago:

- Ok, Klein, vá em frente, autorizado. Estou te enviando meu código de autorização agora.

- Certo, chefe. Pode deixar comigo!

Thiago se conecta ao portal do site da Siracusa. A página inicial apresenta uma logo-marca em forma de pirâmide, desenhada em linhas azuis com efeitos de neon sobre um fundo verde-musgo. Dentro da pirâmide existe o desenho de um misterioso olho, que parece sempre acompanhar o olhar do visitante quando este visualiza a página, é um efeito sinistro, que faz com quem entre naquele site por engano queira sair dali rapidamente, mas esse não é o caso de Thiago, que apesar de sempre ficar perturbado com olho, não pode se dar ao luxo de saltar para outro lugar.

Abaixo da logo piramidal existe um hiperlink em cores chamativas onde se lê “Clique aqui se você já é cadastrado”. Thiago olha para o link e pensa: “clique ali”.

A tela inicial se desfaz e imediatamente a imagem de uma mulher elegantemente vestida aparece; ela é morena, indiana, e tem uma beleza fora do comum. É um modelo 3D, um avatar, porém sua modelagem é perfeita, é quase impossível diferenciá-la de uma mulher real. Thiago sabia, pois Maestro havia lhe contado muito sobre o modus operandi daquela organização do submundo. O avatar olha fixamente para Klein e então sorri graciosamente:

- Bem vindo à Siracusa, senhor Thiago Klein. Eu sou Kamala, em que posso ajudá-lo?

Era muito desconfortável falar com aquela “mulher”, sabendo que qualquer coisa poderia estar por trás do avatar. Thiago suspeitava que na verdade era um bio-computador, e morria de vontade de tentar hackear o troço, embora isso seria uma sentença de morte se ele falhasse. Talvez no futuro, quando estivesse rico, ele tentasse invadir os sistemas da Siracusa só para se distrair, pois se tivesse grana suficiente, poderia mandar fazer um segundo corpo e transferir sua consciência, assim a morte não seria um problema.

Mas agora o lance era outro, ele precisava obter as informações. Então olhou sério para a bela atendente virtual:

- Kamala, preciso do arquivo completo de Amanda Oliveira Makarim. Ela é uma agente de segurança corporativa, trabalha na Vieira & Nakashima Robotics, GC (Global Corporation).

- Perfeitamente, senhor Klein. Um segundo por favor.

A avatar olha para baixo, parece mexer em algum tipo de teclado, claro, é só uma simulação para fazê-la parecer mais humana. Thiago não se contém e olha de soslaio para o decote do vestido dela, ele fica admirado ao perceber que quem a modelou, realmente fez um excelente trabalho; então ela termina de procurar o que quer o seja e volta a olhar para ele, que a encara rapidamente e sorri, completamente sem jeito. Mas logo ele relaxa, forçando-se a lembrar que Kamala é só um programa de computador, "Que bobo que eu sou", pensa. Então ela fez uma expressão de satisfação, ficando radiante:

- Senhor Klein, temos exatamente o que o senhor procura! E a informação está disponível por, apenas, 50 milhões de Bitcoins! O pagamento pode ser parcelado em até 4 vezes no nosso cartão de crédito exclusivo, ou, em pagamento integral por transferência digital, com 5% de desconto. O senhor confirma a transação?

“Minha nossa, 50 milhões! E ela ainda teve a coragem de dizer apenas! É, eu estou mesmo no ramo errado!”. Então ele dá a reposta que a garota virtual estava programada para gostar de ouvir:

-Sim, Kamala, pode confirmar.

- Excelente decisão, senhor Klein. O senhor não vai se arrepender! - ela dá um lindo sorriso, que por muito pouco não convence o rapaz de que ali existe mesmo uma garota de verdade, e uma bem atraente. Kamala então fica um pouco mais séria e diz:

- Por favor, informe qual será a forma de pagamento escolhida.

- Cartão de crédito, parcele em 4 vezes, por favor. “Não acredito que falei por favor para uma máquina…Mas caramba, os detalhes são impressionantes...”

- Perfeito. Os dados de sua organização já estão no nosso sistema. A transação foi efetivada. Aqui está o link para o download. Pode baixá-lo agora, se desejar. - Ela então foca o olhar nele, aguardando a próxima ação de Thiago.

Ele olha para o link e pensa: “download D:\corps\vnr\agents”. O arquivo éi baixado instantaneamente para o Saturn Mark III. Ela faz uma expressão de gratidão, os pequenos olhos negros brilham e se destacam, e a voz um pouco grave e aveludada fala em um tom cordial mas também profissional:

- Obrigada por utilizar nossos serviços, senhor Klein, algo mais em que posso ajudá-lo?

Thiago decide brincar com a avatar, sorrindo maliciosamente, responde com outra pergunta:

- Kamala, sabe que você é muito bonita? Não gostaria de sair comigo qualquer dia desses?

Surpreendentemente, ela retribuiu o sorriso e ainda o responde:

- Obrigada, senhor Klein, o senhor também não é de se ignorar, mas eu já sou comprometida. Quem sabe no futuro? Tenha um bom dia.

A imagem de Kamala se desfaz e a tela da pirâmide, com seu nada agradável olho sinistro, volta a parecer.

O hacker ri, “Comprometida? Até parece”, pensa ele. Mas Thiago se esqueceu de desativar o áudio, e Maestro ouviu boa pate de sua conversa com a atendente. A reação do chefe não foi nada agradável:

- Chega de brincadeiras, Thiago. O negócio aqui é muito sério!

Klein tomou um susto, tentou pensar em alguma coisa para tentar remediar, mas não havia muito o que fazer.

- Desculpa, chefe. É que ela era tão real, exatamente como o senhor falou…

- Não me interessa, fique sabendo que ela poderia ser um vírus, ou até mesmo um programa racha-cuca camuflado! Enquanto você estava brincando com a “bela Kamala”, uma brecha no nosso sistema poderia ter sido aberta, e aí, Thiago, seria o nosso fim. É esse tipo de vacilo que detona toda a nossa estrutura, entendeu? Agora me mande o arquivo da senhorita Makarim.

- Sim, Maestro, está indo. Desculpa mais uma vez, isso não vai se repetir...

- Assim espero. Estou desligando aqui. Fique de prontidão.

Com um tom seco na resposta, Maestro encerra a linha de comunicação. Ele pensa um pouco na imaturidade de Thiago, “o garoto é bom, mas ainda precisa de lapidação.” Então, com máxima atenção, começa a ler o arquivo da agente Makarim:

[Siracusa: DataFile DDS87358-P30]
Nome: Amanda Oliveira Makarim;
Empregador atual: Vieira & Nakashima Robotics, GC.

Residência: Complexo residencial de Trindade, localizado a 1200 quilômetros da costa de Vitória; O complexo é de propriedade da VNR.

Últimos empregadores: Mossad, NATO-Divisão de Inteligência.

Último codinome conhecido: Rainha de Fogo.

Status: Ativa;

Data de Nascimento: 23/09/2042;

Idade: 43;

Etnia: Caucasiana;

Altura: 1,73;

Peso: 65 kg;

Cargo atual: Líder de equipe tática nível C;

Histórico: 10 anos de serviço no Mossad; 5 anos nas forças especiais do NATO. Participação ativa na operação “Black Drone” durante a Guerra do Milênio; responsável pela neutralização e captura de mais de 50 terroristas de alta periculosidade, entre eles Thomas Chacal e Josef Hollander, o arquiinimigo da União Européia. Responsável por neutralizar 8 grupos terroristas e desestruturar 5 corporações rivais da Aliança de Livre Comércio Global (GFA).

Implantes corporais:
  • Braço direito: inteiramente substituído por prótese cybertrônica de titanium; 
  • Perna esquerda: inteiramente substituída por prótese cybertrônica de titanium; 
  • Coração, parcialmente substituído por coração artificial; 
  • Olhos: inteiramente substituídos por implantes oculares militares; 
  • Cérebro: parcialmente substituído por um processador positrônico. 
Habilidades: Operação de armas especiais, informática avançada, química, mestre em artes marciais (jiu-jitsu, kung-fu, ninjitsu), guerrilha urbana, infiltração e assassinato, reconhecimento, operação de veículos militares (transporte pesado CH-50, caça leve Odissei M30), idiomas (inglês, espanhol, alemão, mandarim, português, francês).

Pontos fracos em combate: Se estiver sem armadura apropriada, um pulso eletro-magnético pode neutralizá-la.

Pontos fracos emocionais: Nenhum ponto fraco encontrado.

Familiares conhecidos: Nenhum. Todos mortos.

Nota da Siracusa: 

Amanda é uma especialista em guerrilha urbana e infiltração tática altamente treinada e perigosa. Após sua última missão para a NATO, ela, seu marido e filhos foram vítimas de um atentado terrorista no litoral da Itália, enquanto viajavam de férias. O ato foi orquestrado pelo conglomerado koreano Chin-Mae, como forma de vingança contra a operação “Amanhecer”, que desestabilizou a economia das cidades rivais do GFA. Seu marido e filhos morreram no ataque. Ela ficou hospitalizada em coma durante alguns meses, sob proteção da NATO. Durante esse tempo, os pais de Amanda foram assassinados em Nova York por um assassino de aluguel. Quando ela saiu do coma, se desligou da NATO e não informou para onde iria. Semanas mais tarde o corpo do assassino foi encontrado degolado e carbonizado. Alguns meses depois os principais líderes do conglomerado Chin-Mae foram encontrados mortos, todos com requintes de crueldade. As autoridades jamais encontraram o responsável pelos crimes, porém, a Siracusa fez sua própria investigação é nós concluímos que Amanda é a responsável por todas as execuções. A três anos atrás ela reapareceu e foi localizada trabalhando para a VNR, na filial de Hamburgo. A seis meses ela foi realocada para a filial de Vitória.

O apelido de “Rainha de Fogo” lhe foi atribuído em função de seu trabalho no Mossad, época em que usava os cabelos vermelhos e teve um histórico impressionante, com 100% de aproveitamento em todas as missões que realizou. Em pouco tempo se tornou capitã e passou a liderar equipes. Ela conquistou o respeito dos seus superiores, mas ficou marcada na organização pelo seu temperamento difícil, impulsivo e arredio, o que a tornou uma das agentes mais impopulares no seu tempo.

[Fim do arquivo]

Maestro termina de ler o arquivo e então passa uma das mãos sobre o rosto, demonstrando preocupação. Um único pensamento passa por sua mente: “Mas que bela encrenca! Era só o que me faltava: uma assassina ciborgue das forças especiais.”

Ele balança negativamente a cabeça e tenta relaxar na poltrona do flymob, respira fundo e olha para a paisagem lá fora: arranha-céus, vias áreas, centenas de veículos repletos de pessoas cuidando de suas vidas, pessoas que nem imaginam o que estar por vir. Depois de um tempo, ele olha para o outro lado e vê Davi, que ainda está inconsciente, em recuperação na cadeira do carona. “É, garoto, salvar sua namorada vai dar um tremendo trabalho, mas vai valer a pena”.

O deletador volta a se concentrar no plano, tenta reavaliar a situação. Seria realmente muito difícil um combate direto contra a “Rainha de Fogo” e sua equipe, que ele deduziu ser igualmente bem treinada e também proveniente das forças militares de elite. Aqueles ali não eram, nem de longe, os ex-policiais que eram recrutados como agentes de segurança. Ativou o comunicador e voltou a contactar Thiago:

- Klein, convoque todo o pessoal disponível que temos e também os reforços. Libere o acesso ao arsenal de armas pesadas, já te envio o código de segurança. E contacte o Coveiro, diga-lhe que preciso de seus serviços.

Thiago estava deitado na cadeira, tentando se distrair com um jogo online chamado “A Cripta”. Ao receber o chamado de Maestro, se assustou e voltou a ficar sentado em postura correta.

- Opa! Chefe, estou na escuta! Contactar o pessoal, ok!

Então Thiago percebeu que Maestro havia mencionado o Coveiro, ou, ao menos ele teve essa impressão. Resolveu tirar a dúvida:

- Chefe, você disse, O Coveiro? Quer que eu o contacte?

- Sim, isso mesmo. Vou repetir: entre em contato com o cara e diga a ele que preciso dos seus serviços, ficou claro?

- Perfeitamente, chefe.

- Ok. Estou enviando um mapa com as rotas possíveis que o transporte da VNR deve seguir. Assim que confirmarmos qual delas ele vai tomar, vamos montar a armadilha.

Thiago confirma seus temores, a situação iria ficar feia muito perigosa mais uma vez. Ele bem que tentou, mas não conseguiu resistir ao impulso de ler o caríssimo arquivo da Siracusa sobre Amanda Makarim, e isso só o deixou mais angustiado. E ainda tinha o Coveiro, um cara que era temido e adorado em todo o continente, praticamente um psicopata com fama midiática.

Klein não é uma pessoa religiosa, mas em face do que os aguardava, soltou um sonoro “Que Deus nos Ajude”.

[Anterior] [Próximo]

Aspirante a escritor, inquieto por natureza, ainda tenho vontade de mudar o mundo ou pelo menos colocar um monte de gente para pensar. Viciado em livros, games, idéias loucas e sempre procurando coisas que desafiem minha imaginação.

comentários pelo facebook:

12 comentários em "[Bookserie] Engenharia Reversa: Parte II - Conhecendo o Inimigo"

  1. Caramba, achei a história interessantíssima, adoro ficção científica, e essa trama especialmente me chamou bastante atenção, tanto que fiquei curiosa para ler mais ao final do texto. Parabéns pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  2. É muito bom, estou amando Engenharia Reversa! Achei que ia ter um troço quando li a primeira parte, porque fiquei ansiosa demais pela continuação e agora falar o quê? A segunda parte é surpreendente, parabéns André, já estou pensando na terceira parte, por favor poste logo. rsrsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  3. Parece até uma série de tv! Show.
    Minha única crítica (opinião pessoal e com intuito totalmente construtivo) está relacionada com a quantidade de de termos referentes à tecnologia ou à ciência. Em alguns momentos fiquei com a impressão de que foram usados em excesso para caracterizar o contexto em que a trama se passa.
    No mais, a história é bem fluida e intrigante, e os personagens, interessantes. O final de cada parte deixa o leitor super curioso para saber o que vem em seguida.
    Mais uma vez parabenizo o André. Está fazendo um excelente trabalho!
    bjs

    ResponderExcluir
  4. @Ana Paula BarretoOi Ana, o objetivo nosso em publicar a série aqui é essa mesmo, obter críticas construtivas para melhorarmos a história, pois pretendemos ao final dela publicar o livro.
    um abraço e obrigado pela participação.

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    Tudo bem?
    Eu adorei a resenha, até porque o livro parece ser super legal mesmo.. Amei o jeito que você escreveu! Parabéns, amei! Continue assim.
    Beijos*-*
    Território das Garotas

    ResponderExcluir
  6. Caramba!! Quando li a primeira parte quando você a postou fiquei bem curiosa pra saber a continuação. E cá está ela. Então, imagine como estou agora? Quero mais de novo! haha Gente tô adorando essa história. E olha que eu nem curtia o gênero, mas você faz a história com um jeito que não tem como não gostar. E se viciar. Só lhe peço um pedido, não demore tanto pra colocar a próxima parte tá?! heheh Quero muito ler. E vi seu comentário que ao final você pretende publicar o livro. Já necessito. rs

    ResponderExcluir
  7. Eita! Está cada vez melhor ^^
    A Amanda tem um currículo incrível O.o, esse mundo parece mega real quando leio e cada vez mais me sinto envolvida, agora só preciso do criogel haha. Aguardando a próxima parte.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  8. Fiquei pensando que se trataria de uma resenha, quando vi a capa do livro. Jamais poderia imaginar que era uma história. Fiquei encantada pelo fato de ser ficção científica. Gostei muito e vou aguardar a continuação.
    Amanda é inteligentíssima. Foi a personagem que mais me chamou a atenção na história.

    ResponderExcluir
  9. Fiquei pensando que se trataria de uma resenha, quando vi a capa do livro. Jamais poderia imaginar que era uma história. Fiquei encantada pelo fato de ser ficção científica. Gostei muito e vou aguardar a continuação.
    Amanda é inteligentíssima. Foi a personagem que mais me chamou a atenção na história.

    ResponderExcluir
  10. Adorei essa continuação, André!
    Você escreve super bem e, mesmo com todos esses termos, objetos e operações tecnológicas, você consegue uma maneira de inserir uma notinha no texto, para nos deixar por dentro de tudo o que está rolando. Se as próximas partes continuarem assim, vou torcer pra que ele se torne um livro físico.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  11. Pessoal, obrigado pelos comentários e críticas! Continuem, porque assim vocês só me estimulam mais ainda a continuar escrevendo a estória! Valeu mesmo!

    ResponderExcluir
  12. Oie...
    Gostei bastante do post!! Uma leitura muito envolvente e interessante!! Sou apaixonada por ficção científica e fiquei estagnada aqui lendo e adorando o enredo!!!
    Quero continuação!! rsrsrs

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir