acompanhe o blog
nas redes sociais

16.9.16

Eu Estou Vivo, Vocês Estão Mortos – A Vida de Philip K. Dick [Emmanuel Carrère]

Emmanuel Carrère
Ed. Aleph, 2016 - 360 páginas:
      Um dos maiores escritores do século 21, Philip K. Dick nunca deixou de suspeitar do mundo à sua volta, sempre ocupado em investigar o limite – tênue, às vezes – entre a realidade e a ilusão. Homem de muitas facetas, sempre se fez uma pergunta fundamental, que o acompanharia em todos os momentos da vida, desde seus tempos de aspirante a escritor até mais tarde, como autor já publicado, passando pelo Dick paranoico, pelo viciado em anfetaminas e pelo cristão fanático: o que é real? 

Onde comprar:





Considerado pela crítica literária como um dos pais da ficção científica - junto à Isaac Asimov e Arthur C. Clarke, o escritor norte-americano Philip K. Dick é autor de diversos livros e contos que inspiraram famosas adaptações cinematográficas como “Blade Runner – O Caçador de Androides”, “Minority Report” e “O Vingador do Futuro”.


Emmanuel Carrère, escritor e roteirista francês, reconstruiu a vida de PKD na biografia intitulada “Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos – A Vida de Philip K. Dick”, biografia originalmente publicada em 1993 e que estabelece uma linha temporal sobre a vida e a obra do autor. Em 2016, a Editora Aleph trouxe esse livro para o Brasil, contando com um excelente trabalho de tradução realizado por Daniel Luhmann.

Filho de pais divorciados, Philip cresceu com a mãe na Califórnia, onde cresceu e estudou. Na juventude, PKD ingressou na Universidade da Califórnia para estudar Filosofia e Alemão, ao mesmo tempo em que trabalhou numa emissora de rádio e, também, manteve uma loja de discos.

Foi nessa época que Philip começou a se aventurar na escrita, publicando o seu primeiro conto na revista “Planet Stories”, uma publicação norte-americana de ficção científica destinada a jovens leitores e publicada pela Fiction House entre 1939 e 1955. Após alguns outros trabalhos autobiográficos que acabaram não fazendo muito sucesso, o jovem escritor decidiu dedicar-se inteiramente ao gênero de Ficção Científica.

PKD acreditava que a realidade não passava de uma alucinação coletiva. Através de seus textos e contos, ele buscava provar que as visões que tinha do futuro foram alcançadas graças a algum tipo de divindade criadora do universo, e afirmava que, para além da ficção, “tudo o que vemos não passa de uma projeção de um mundo paralelo, que não existe de verdade”.


Em 1955, Philip conseguiu com que seu primeiro romance, “Solar Lottery”, fosse publicado. Mas somente depois de outras publicações como “Eye In The Sky” (1956), “Dr Futurity” (1960) e “Vulcan's Hammer” (1960) que Philip K. Dick conseguiu se consolidar como escritor de sucesso, sobretudo com a publicação de “O Homem do Castelo Alto”, em 1962, romance recria a história mundial a partir da 2ª Guerra Mundial, mas tendo Alemanha e o Japão como vencedores. PKD chegou até mesmo a ser alvo de investigações por parte do FBI e dos serviços secretos da Força Aérea Americana, por conta de relações com o partido Comunista norte-americano.

Dono de uma mente engenhosa e dotado de uma capacidade auto desafiadora, PKD inspirava-se em conceitos do Budismo, da Cabala, dentre outras doutrinas combinadas com conceitos da parapsicologia, eventos extraterrestres e percepções extra-sensoriais. O autor chegou, inclusive, a criar mundos alternativos em suas obras (como, por exemplo, no romance “Valis”, publicado em 1978), onde, eventualmente, ele acreditava estar vivendo.

Abordando temas como realidade e humanismo, PKD se utilizava de personagens comuns na grande maioria de suas obras, ao contrário de outros autores de Ficção Científica de sua época, que criavam heróis galácticos, robôs ou até mesmo inteligências artificiais. Já perto de sua morte devido a um acidente vascular cerebral, as obras de PKD atingiram repercussão ainda maior ao ganharem as telas do cinema. Seu livro, “Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?”, deu origem ao filme “Blade Runner – O Caçador de Androides”, a primeira de muitas outras obras do autor que ganharam adaptações hollywoodianas.


Mesmo narrando a vida do autor de forma um tanto quanto despretensiosa, especialmente em alguns trechos da biografia, Carrère propõe uma interessante explicação entre Dick e sua conturbada ligação com o espiritual, sua rotina de criar mundos paralelos, nos quais ele mesmo se perdia, e personagens deslocados da realidade. Entre outras palavras, esta brilhante biografia nos permite entender e refletir sobre a célebre afirmação feita por PKD, de que ele é quem estava vivo, enquanto todos nós, afundados na ignorância e cegos pela falsa realidade, estivemos o tempo todo mortos.

Uma interessante curiosidade que este livro traz à tona é que, quando Philip K. Dick morreu, suas cinzas foram depositadas no túmulo de sua irmã gêmea, Jane, que faleceu ainda criança. A lápide de Dick já continha seu nome e a data de seu nascimento, seguida de um traço e um espaço em branco, que foi devidamente preenchido com a data de sua morte.

A Editora Aleph, que garantiu os direitos de publicação e trouxe o livro para o Brasil, mais uma vez realizou um excelente trabalho, tanto no que diz respeito à tradução quanto ao projeto gráfico da obra. Trata-se de uma biografia imperdível do mestre das realidades alternativas, acompanhando grande parte dos trabalhos de PKD em paralelo com sua trajetória pessoal. Através da leitura, percebe-se como a vida do autor acabou influenciando a criação de seus personagens e, claro, a própria escrita.

Livro mais do que recomendado aos fãs de PKD. A única ressalva, talvez, seja o intenso bombardeio de spoilers que atinge o leitor durante quase todo o livro. Para quem nunca leu nada de Philip K. Dick, recomendo conhecer um pouco mais das obras desse escritor fantástico, antes de embarcar em sua biografia.

 Cortesia da Editora Aleph
Thiago Augusto
Canceriano. Apaixonado por literatura, cinema e música. Sonha em escrever livros, dublar animações da Disney e, algum dia, conhecer Hogwarts. É resenhista no blog Onde Vivem Os Livros.
*Sua compra através dos links deste post geram comissão ao blog!

18 comentários em "Eu Estou Vivo, Vocês Estão Mortos – A Vida de Philip K. Dick [Emmanuel Carrère]"

  1. Olá Thiago!
    Gostei da sua resenha e achei a obra mto interessante, mas não sei se leria no momento, talvez mais pra frente, não me prendeu tanta curiosidade como eu axei q seria...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Bom, eu não conhecia o autor tratado na biografia, então acho que vou deixar passar a dica. Ainda assim, fiquei bem curiosa pra conhecer as obras dele, parecem ser muito boas. Gostei muito da sua resenha, muito bem explicadinha.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá.
    Não conheço o autor a que se refere a biografia e nem suas obras, portanto esse livro não me chama a atenção. Mas é provável que venha ler algum dos livros do autor. Ótima resenha, muito bem elaborada. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Oi Thiago. Ótima resenha! Parece que PKD achava que vivia numa Matrix. Muito doido! Rsrs

    ResponderExcluir
  5. Olá, Thiago! Ficção científica é um gênero que pretendo me dedicar mais. Tenho mta vontade de conhecer as obras do Asimov, assim tbm como as do PKD. Tenho dificuldade de saber por onde começar, na verdade, e fico receosa de pegar um livro mais complexo logo de cara e acabar não curtindo e desanimar com o gênero. Vi algumas fotos dessa edição e, realmente, a Aleph fez um trabalho gráfico incrível. Tenho certeza que agradará mto aos fãs do autor.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Thiago. Eu tenho certo pavor de livros biográficos porque eu não conheço nem dois terços das pessoas que estão tendo suas vidas contadas. Como ficção científica nunca foi um gênero que eu realmente goste, fica mais difícil ainda gostar do livro e querer saber mais sobre o PKD. Mas fico feliz que tenha gostado. O Aleph arrasou no trabalho e acredito que quem gosta do gênero, também irá adorar esse livro.
    Beijo, Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  7. Gosto de ler biografias, mas desde que eu seja admiradora do trabalho da pessoa ou se ela tem uma história de vida bastante interessante. Nunca li livros de PKD, só vi os filmes mencionados, adoro ficção científica, porém prefiro ficar com as obras mesmo, sobre o autor não tenho vontade de saber da vida dele. Enfim, pelo visto ele era um visionário com ideias bastante doidas né, não é a toa que criou tantos universos nas ficções, tem que ser muito inteligente para conseguir escrever sobre ficção científica.

    ResponderExcluir
  8. Oi Thiago!

    Confesso que lendo o título não esperava esse tipo de abordagem, parece ser bem interessante. Eu não me importo com spoiler, então pra mim não tem problema rsrsrs

    Excelente resenha!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Quando li o nome do autor "Philip K. Dick " não me parecia estranho...claro,do Minority Report!
    Mas como não conheço as outras história,prefiro não me aventurar na biografia para evitar os spoilers.O título do livro é bem curioso.

    ResponderExcluir
  10. Esse cara é um mito, uma grande influência para mim. Boa resenha, parabéns.

    ResponderExcluir
  11. Gosto de ficção científica, mas não diria que é o gênero que mais leio. Não conhecia o autor, mas fiquei curiosa com suas obras, já que inspiraram Blade Runner e O Vingador do Futuro. Quando à este livro, por ser uma biografia, não é o tipo que eu realmente gostaria de ler. Tenho muitos outros livros na lista no momento, e esse não me chamou tanto a atenção.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  12. Thiago!
    Gosto de biografias bem escritas e ler essa de Philip K. Dick é um sonho, afinal, cresci lendo os maravilhosos livros do autor e me questionando sobre os tais 'mundos' alternativos.
    Vale muito a pena a leitura.
    “A vida guarda a sabedoria do equilíbrio e nada acontece sem uma razão justa.” (Zíbia Gasparetto)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  13. Não curto biografias, por isso dificilmente eu leria Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos – A Vida de Philip K. Dick...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  14. Olá, Thiago.
    Gosto muito do PKD. Valis é incrível e gosto muito também de Fluam, minhas lágrimas, disse o policial. Exatamente por gostar tanto de sua escrita, não quero ler a biografia dele. Confuso?
    Eu conheço razoavelmente bem as concepções religiosas do autor e acho bem interessante. Porém, são elas que dão um mistério sobre o autor. Tenho medo de ler essa biografia e quebrar um pouco do suspense que paira sobre ele. É esse suspense que me encanta.
    Porém, não posso dizer que o trabalho da obra é ruim, pois parece muito bom. Uma pena, porém, esse bombardeio de spoiler.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de setembro. Serão três vencedores, cada um ganhando dois livros.

    ResponderExcluir
  15. Li alguns livros de ficção científica e gostei, mas biografia não me interessa muito.

    ResponderExcluir
  16. Oi.
    Eu não conhecia a autor não, mas infelizmente não curto muito essa sua temática não, acho que seria o tipo de livro que não funcionária para mim, amei a capa.
    Boa Tarde.

    ResponderExcluir
  17. Ultimamente tenho tido o prazer de ler mais ótimas biografias e nem sempre de personalidades que eu conheço. Pela resenha a vida de PKD é muito interessante e com certeza leria o livro para conhecer um pouco mais sobre sua vida e obra.

    ResponderExcluir
  18. Oi, Thiago!
    Acho que este livro não seria para mim, pois nunca li nada do autor e odeio spoilers! Mas, enfim, tenho muita curiosidade pelas obras dele.
    Ah, a maioria das capas dele me dão vertigem, rs.
    Beijos.
    Amanda.
    www.historiamuda.com.br

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

siga no instagram @lerparadivertir