acompanhe o blog
nas redes sociais

20.5.19

A Metade Sombria [Stephen King]

A Metade Sombria
Cortesia do Grupo Companhia das Letras

No ano de 1960, a vida de Thad Beaumont passou por algumas mudanças radicais: primeiro por ele ter completado onze anos; segundo por ele ter ganhado uma menção honrosa na categoria Ficção do concurso American Teen (e isso antes mesmo de ele poder se candidatar a um American Teen).

E, em terceiro, 1960 foi o ano em que Thad Beaumont precisou passar por uma cirurgia no cérebro para a retirada de um tumor benigno que lhe provocava alucinações auditivas com bandos de pardais e intensas dores de cabeças.

A vida de Thad seguiu em frente. Ele se tornou professor universitário, casado, pai de um casal de gêmeos recém-nascidos e escritor de relativo sucesso.

Stephen King
Título: A Metade Sombria
Autor: Stephen King
Tradutor: Regiane Winarski
Editora: Suma de Letras
Gênero: Psicológicos Mistério, Thriller e Suspense
Páginas: 464
Edição:
Ano: 2019
Onde comprar: Amazon, Submarino, Travessa

Os livros assinados por Thad Beaumont foram aclamados pela crítica, mas não foram exatamente sucesso de vendas. Já os de seu pseudônimo (ou sua metade sombria, como Thad o chama), o criminoso George Stark, não foram muito bem recebidos pelos jornalistas, mas passaram semanas no topo das listas de mais vendidos dos Estados Unidos.

A parceria entre Beaumont e Stark perdurou por quase dez longos e conturbados longos, mas quando um jornalista ameaça expor a real identidade de Stark, Beaumont, que já namorava a ideia há algum tempo, decidiu que já era hora de ir a público revelando que George Stark, aquele autor estranho que escrevia thrillers policiais bizarros e sangrentos, estava oficialmente morto. Com direito a lápide de mentira e tudo.

“George Stark 1975 – 1988 Um cara não muito legal”

O problema, meus caros amigos leitores, foi que George Stark não gostou nem um pouco de ter sido morto e enterrado tão facilmente.

Uma série de assassinatos estranhos e brutais começar a acontecer com todos os envolvidos na “morte” de George Stark e o pior, todas as evidências encontradas junto aos corpos apontam para apenas uma pessoa: Thad Beaumont.

Curioso pensar que, desde a fatídica reportagem de revista que anunciou aos Estados Unidos que George Stark estava morto, parecia à Thad de que talvez, só um talvez muito improvável, George não tivesse ido de fato. De fato, ele não se foi. E agora os pardais estão voando novamente.

Muito bem. Eu sempre digo de que sou uma verdadeira covarde em relação a livros de terror/trillers policiais. Tanto é que sempre fugi de Stephen King e nunca realmente entendi o motivo de ter me apegado tanto a um autor como Jo Nesbo, por exemplo.

Como não podia ser diferente, dei uma de doida e resolvi encarar A Metade Sombria, que, para falar a verdade, me pareceu o mais leve de todas as sinopses dele que já consegui (ou me interessei) em ler.

Não que eu duvidasse de seu talento como escritor. Seria impossível ignorar o tamanho da fama que Stephen King construiu ao longo de sua carreira, e, sinceramente, eu nunca sequer cogitei fazer uma coisa dessas. Como construtor de uma trama escrita, ele é genial. Não dá ponto sem nó e não faz questão nenhuma de nos poupar da brutalidade de seus personagens.

Acho que será difícil eu me tornar uma fã avida por ler (e ter) todos os seus livros, mas sem dúvida lerei (só com um pouco de medo) os que já tenho dele.

comentários pelo facebook:

16 comentários em "A Metade Sombria [Stephen King]"

  1. Que enrascada Thad se meteu hein? Esse alter ego, que por um tempo o ajudou a realizar o sonho de ser escritor mas que se tornou sua Metade Sombria.
    #Curiosa para saber se existe realmente um Stark ou se é uma alucinação de Thad.

    ResponderExcluir
  2. Tudo que o Mestre King escreve é maravilhoso e fico ainda de queixo em ver como o autor consegue transformar tudo que é simples, em enredos fascinantes e complexos!
    Esse jeito único que só King tem de mexer com a mente humana, de trazer não somente o medo, mas o pânico e o questionar é incrível.
    E pelo que li acima há verdade neste enredo. Pseudônimos!rs
    Lerei com certeza, e quero muito esta edição capa dura que está um escândalo de linda!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Ao lermos este clássico de Stephen King precisamos ter em mente que trata-se de mais uma versão (como tantas outras feitas pelo mestre) do tema "doppelgänger" ou "duplo", que na tradição germânica seria uma cópia perfeita de um ser humano que tendem a atrapalhar a vida de sua duplicata. Este tema voltaria a ser abordado em um romance mais atual de King - "Outsider". Muita gente boa já se aventurou nesta onda: Poe com "William Wilson", Rubem Fonseca com "Romance Negro", Borges em inúmeros contos, só para citar quem me vem à memória mais rapidamente. O que me encanta em King não é o tema, mas a forma como ele se expressa, como ele desenvolve a narrativa. Ele é imbatível. Parabéns pela bela resenha.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Luíza
    Não conheço a escrita do autor, mas já assisti muitas adaptações de seus livros e adoro.
    Muitos autores usam pseudônimos hoje em dia, alguns escondem, outros já estão acostumados que os leitores sabem que foram eles que escreveram.
    Assim como King usou seu exemplo para escrever esse livro e ele tem razão todos temos uma parte sombria, tanto como podemos ser bons e maus ao mesmo tempo. Mas gostei muito do enredo, uma pena Thad enterrar Stark.
    Quero muito poder ler, beijos!

    ResponderExcluir
  5. Olá Luíza!
    Que bom que está saindo da sua zona de conforto e arriscando conhecer novos autores. King é simplesmente um gênio e o venero com todas as minhas forças. A capacidade que o autor tem que destrinchar a essência animalesca dos seres humanos e colocá-las no papel é surreal, o que faz com que seja impossível para o leitor não se envolver profundamente com os personagens. Neste livro, vejo que o autor foca bastante no thriller policial, sendo possível perceber que a curiosidade do leitor é aguçada ao longo das páginas.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Olá Luíza!
    Estamos juntas nesse barco de admirar e ao mesmo tempo temer a escrita de King. Realmente esse me pareceu um livro mais leve, embora eu não tenha compreendido totalmente a história. A mensagem que fica é de que todos temos um lado sombrio, basta saber qual parte irá predominar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Luíza,
    O que mais gosto do King além da diversidade de suas histórias são esses elementos reais que fazem parte de sua vida como escritor e que, consequentemente, fazem parte de nossas vidas como leitores. A ideia de ter dois personagens, mas estes serem a mesma pessoa é bem curiosa, pois já fico imaginando como essa narrativa funciona. Thad tem uma personalidade bem clara, é pai, marido, autor, mas quando ele é Stark o quanto disso ainda faz parte dele? Esse é mais um livro de King que nunca tinha ouvido falar e, por isso, agradeço que a Suma tem feito esses relançamentos e ainda mais nessas edições maravilhosas.

    ResponderExcluir
  8. Luíza,
    Alguns livros do King são realmente tenebrosos. Nem dá pra imaginar como ele criou essas coisas. kkkk
    Mas, já li algumas resenhas sobre A Metade Sombria e, pela primeira vez, vi essas informações que você deu no início da resenha. Isso é bom porque a gente já começa a imaginar outras coisas para esse "alter ego" do Thad.
    Brilhante resenha!

    ResponderExcluir
  9. Olá! Também sou daquelas que foge dos livros de King, exatamente por esse seu lado mais sombrio e aterrorizante, mas pelo visto, este é um livro que eu posso colocar na lista sem medo (risos). Fiquei animada em saber que a história não vai me fazer querer fugir para as colinas.

    ResponderExcluir
  10. Olá Luiza,
    Eu nunca li nada do Stephen King, nem nunca tive vontade de ler :/ Apesar de ver muita gente falando super bem, nunca me deixou empolgada

    ResponderExcluir
  11. Eu nunca li nada do King, mas por todos os comentários que já li sobre é inegável que o cara é um gênio.
    Sou muito medrosa, então não encararia nem o mais leve dele.
    Mas acho legal você ter se arriscado.

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi Luíza,
    Ah, A Metade Sombria parece um dos livros que pendem para mais para o psicológico do que para o terror do Stephen. Eu curto sentir medo, aquela tensão, então minhas recomendações não são tão boas pra vc,rs, mas continue a resenhar King sim.
    Ele tem tantas obras, essa não conhecia.

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Sei é ouvi muito desse autor que os livros deles sempre são bons. Eu pretendo muito ler, estou aqui pensando em encara o livro It, A coisa, já que ganhei porém to com medo por ser um livro denso de mil e poucas paginas. Esse tem uma premissa boa e estou bastante curiosa por ele.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  14. Oi, Luiza!
    Não costumo ler livros de terror, por isso, apesar de ter curiosidade em conhecer a escrita do Stephen King eu sempre fico adiando ler os livros dele... quem sabe futuramente eu finalmente leia?!
    Em relação a A Metade Sombria, sinceramente a trama não me interessou, aliás, achei ela bem confusa - um autor que decidi matar o seu pseudônimo, e seu pseudônimo que não gostou da decisão... entendi certo?! Achei isso bem, por falta de uma palavra melhor, bizarro...

    ResponderExcluir
  15. Oi, Luiza!!
    Acho que ainda não li nada do mestre Stephen King esse ano e achei a história do livro A Metade Sombria bem interessante é bem king mesmo!! Assim adoraria ler essa história!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Não sabia que tinham publicado eesse livro do Stephen king mas vou dizer que eu rela não me interessei pela sinopse mas quem sabe minha opinião mude quando eu ler ele?

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir