acompanhe o blog
nas redes sociais

22.5.19

Crianças Do Éden, Vol. 01 [Joey Graceffa]

Joey Graceffa
Cortesia do Grupo Editorial Record

Crianças do Éden a princípio me chamava atenção pelo o fato de apresentar uma distopia que para mim parecia ser nova, e também por demonstrar uma cultura distinta e um mundo novo que até então não conhecia. Vejamos:

Crianças Do Éden
Título: Crianças Do Éden
Autor: Joey Graceffa
Tradutor: Glenda D’Oliveira
Série: Crianças Do Éden
Editora: Galera Record
Gênero: Distopia
Páginas: 266
Edição:
Ano: 2019
Onde comprar: Amazon, Submarino, Travessa

A trama geral se resume em uma Terra destruída e muito diferente da que conhecemos hoje. Uma falha no ecossistema levou os animais e as plantas a extinção e isso quase levou a população também. Mas graças ao cientista Aaron Al-Baz, que criou o EcoPanopticon (um sistema que foi capaz de preservar as características do nosso mundo), foi possível criar o Éden, um paraíso artificial, onde a humanidade passou a viver.

Com os recursos limitados, a taxa de natalidade passou a entrar em vigor, onde casais não poderiam ter dois filhos, e é aí onde nossa estória começa.

“Tenho que estar pronta para o glorioso dia em que finalmente emergirei na luz. Se esse dia chegar. Mamãe e papai sempre me garantem que vai, sim, algum dia. Mas após 16 anos de garantias esse algum dia ainda não chegou.”

Rowan é uma segunda filha, o que significa que sua vida está ameaçada, porém há 16 anos vive escondida dentro de sua casa sem ao menos conhecer o mundo como realmente é. Seus conhecimentos se limitam ao que lê e ao que seus pais e seu irmão contam. Acontece que Rowan está cansada de viver escondida, então decide pular os muros do Éden e sua vida vira de ponta cabeça.

“Éramos os únicos animais com cérebros inteligentes e dedos ágeis o bastante para criar energia nuclear, para ferrar a Terra e envenenar os oceanos e espalhar resíduos tóxicos que destruiriam a atmosfera. Nós, seres humanos inteligentes que somos, alteramos o DNA das plantações para criar uma variação de soja aperfeiçoada que seria capaz de sobreviver a qualquer coisa e continuar alimentando o mundo – até nosso experimento provar-se tão forte e agressivo que tomou conta das florestas tropicais. Criamos e mantivemos seres vivos em cativeiro para mais tarde tornarem-se alimento, forçando-os a viver prisioneiros, caminhando sobre as próprias fezes. Nós os enchemos de antibióticos – e fizemos o mesmo com nossas crianças – e depois ficamos surpresos quando as bactérias sofreram mutações e se transformaram em superbactérias.”

O fato é que o livro é bom, porém defino como uma leitura de fim de semana bem agradável, sem muitos pontos relevantes. O único ponto negativo foi o que mencionei, clichês demais, trama parecida com outros livros...

A caracterização dos personagens são um ponto forte da trama apesar de se ver neles, uma junção de muitos personagens que já lemos ou assistimos em filmes e séries. Mesmo sendo algo esperado, as atitudes chegam a surpreender em alguns momentos e o leitor fica interessado em saber o próximo rumo tomado.

A ambientação tornou-se algo memorável. O autor conseguiu fisgar o leitor, e nos fazer criar seu mundo em nossas mentes com muita maestria, fazendo-nos questionar até nossas atitudes para com o nosso planeta.

“- Mas essa árvore, em particular, mesmo em comparação com todas as outras, é especial. É um símbolo da capacidade que a natureza tem de sobreviver, não importa que coisas terríveis os seres humanos façam. Você se lembra de ter lido em alguma das suas aulas de história sobre um grande conflito chamado Segunda Guerra Mundial? [...] Lembro, vagamente, mas, na minha cabeça, isso acaba se misturando com todos os demais conflitos sem sentido do nosso passado.”

A narrativa é um pouco arrastada de início, mas logo melhora nos entregando perguntas sem respostas e vários ganchos para a continuação, pois este é apenas o primeiro de uma trilogia.

É um livro leve que proporciona uma leitura agradável e que demonstra muito potencial para crescer nos próximos títulos. Para quem está começando a ler distopia e quer se afeiçoar um pouco mais com o gênero, Crianças do Éden é uma ótima dica!

comentários pelo facebook:

15 comentários em "Crianças Do Éden, Vol. 01 [Joey Graceffa]"

  1. Não me recordo de ter lido nada a respeito desta obra antes, mas como gosto demais de distopias, gostei muito de tudo que li acima.
    Mesmo tendo isso do exagero nos clichês, sei lá, acho que tudo que envolve isso de mundo destruído e afins, acaba se tornando meio que igual a tudo que já lemos e vimos.
    Capa bem linda e certamente, terão mais surpresas nos demais livros.
    Vai para a lista de desejados com certeza.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. A maioria das distopias não foge muito desse padrão não é? Alguém descobre algo errado do governo ou lugar onde vive, se junta a um grupo de rebeldes, nessa meio tempo surge um romance. Melhor ainda se for proibido.
    Mesmo assim Crianças do Edén como você disse pode ser interessante aos iniciantes no gênero.
    Eu já li algumas, não é meu gênero favorito mas as vezes me arrisco.

    ResponderExcluir
  3. Olá! Gosto muito do gênero distopia, e mesmo essa tendo alguns pontos que possam ser considerados clichês, me deixou curiosa para conferir esse universo tão cheio de limitações e problemas que poderíamos facilmente enfrentar em nosso mundo.

    ResponderExcluir
  4. Oi Douglas,
    Já tinha lido algo a respeito deste livro, e tinha ficado com muita vontade de ler, a sua resenha diminuiu um pouco essa vontade, mas ainda quero muito ler.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Douglas
    Li algumas resenhas do livro e mesmo sendo clichê gostei.
    Sendo uma trilogia o primeiro livro é mais introdutório para explicar o cenário, espero que os outros 2 sejam bons.
    Estou curiosa para saber se Éden é tão segura quanto parece.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Douglas,
    Sempre gostei de distopias, mas tenho evitado um pouco o gênero por achar as histórias sempre muito parecidas. Crianças do Éden trás um proposta bem diferente e mesmo que a premissa básica das distopias esteja presente, há muitos outros elementos que se destacam e chamaram minha atenção. A proximidade com a nossa realidade e a referência a coisas que conhecemos tornam o livro um pouco assustador. Rowan é uma protagonista que fiquei bem curiosa em conhecer. Nem imagino como seria se tivesse que viver escondida, sem ninguém saber que existo e viver um pouco de emoção através de outra pessoa. O livro tem potencial e se o autor souber explorar os elementos que inseriu, as sequências podem elevar o nível e fazer desta uma ótima história.

    ResponderExcluir
  7. Olá Douglas!
    Para leitores já familiarizados com o gênero talvez a obra possa desapontar, visto que apesar da qualidade da ambientação o enredo da trama é facilmente decifrável. É claro, contudo, que a crítica social incorporada à história é um atrativo adicional que a torna mais interessante, só basta saber se nas sequências o autor vai conseguir se aprofundar e introduzir algo mais original.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Olá Douglas!
    O universo das distopias está muito saturado, por isso é difícil distinguir uma da outra. Eu não conhecia essa série, mas achei interessante. Como fã do gênero eu não ligo muito para os clichês e gostei da ambientação da história, além das lições sobre cuidar mais do planeta.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Achei interessante, visto que não tenho o costume de ler distopias.
    O que mais me surpreendeu é saber que a leitura é leve e boa para iniciantes.
    Espero que os próximos sejam melhores.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi Douglas,
    Costumo pegar distopias de tempos em tempos.
    Por ter clichês demais e a trama ser parecida com outros livros não colocaria em minhas próximas leituras, mas quem sabe o desenrolar dos próximos chame mais minha atenção e dê uma chance.

    ResponderExcluir
  11. Eu gosto muito de distopias, mesmo que tenham algumas coisas clichês para o gênero. Mas também, hoje em dia, já tem tanto livro distópico que não se tem muito mais o que criar. Gostei do enredo. A garota fugindo e aí deve começar toda a aventura e correria para garantir a própria vida. Quero muito ler.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Douglas!
    Não são todos os livros de distopia que costumam me interessar, mas a trama de Crianças do Éden até me interessou um pouco, contudo, como se trata do primeiro livro de uma trilogia vou esperar os outros livros serem lançados para saber mais da história de Rowan para só então me decidir se lerei ou não... Abraços!

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Um livro muito interessante, apesar que não foi uma leitura que me interessasse. Tem uma ótima premissa, com uma historia boa mas não sei, talvez eu lendo possa mudar a minha perspectiva.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  14. Oi, Douglas!!
    Adoro um bom livro de distopia e ainda não conhecia essa história Crianças do Éden que tem uma premissa que realmente chama atenção e mesmo que o livro seja cheio de clichês fiquei bem tentada a dar um chance a esse livro.
    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Que sinopse maravilhosa é essa? Eu adoro livros distopicos então o ultimo que li foi Memoria da Agua (recomendo muito inclusive). Esse livro me lembrou um pouco o filme Onde esta segunda da Netflix

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir