acompanhe o blog
nas redes sociais

16.10.15

[Bookserie] Engenharia Reversa: Parte XVI - O Acordo do Carrasco



Engenharia Reversa


Parte XVI - O Acordo do Carrasco


"Filhos da mãe! Como eles descobriram sobre a Bel? Como nos encontraram?" pensa Maestro enfurecido. O punho firme fechado sobre o cabo da pistola, o dedo indicador flexionado sobre o gatilho, o cano da arma desaparecendo em meio aos cabelos castanhos ondulados da jovem executiva. Ele pode sentir com seu braço a pulsação forte da artéria carótida dela, contudo, embora para todos os observadores ali presentes a imagem mostre Maestro agressivamente pressionando o pescoço de Bel, ele apenas posicionou seu braço de forma a simular o golpe de imobilização.

- Solte nossa Mãe, carrasco! Solte nossa Mãe! - Lamuriam cada vez mais alto os filhos e filhas de Alfa Um, amontoados ao redor de Maestro e com suas vozes reverberando nas paredes do Templo, criando um efeito sonoro hipnótico e assustador. Porém, ao contrário de seus discípulos, Zardor continua sério e focado no deletador e em sua prisioneira. Os dois pequenos pontos azuis na face do velho estão imóveis, quase lúgubres; a expressão em seu rosto fica mais severa a cada instante, refletindo a raiva que toma conta de seu espírito.

Preso em uma armadilha inesperada, Maestro faz um grande esforço para buscar uma saída, seus pensamentos aceleram, e ele luta mentalmente contra a ansiedade crescente; uma vez mais em sua vida precisa separar a razão da emoção e manter a calma. O plano, minuciosamente arquitetado, enfim revelou uma terrível falha: eles não previram a atualização emergencial do firewall da UNI-Tron, apostando que a burocracia corporativa seria morosa diante da sagacidade das ruas. A maldita atualização impediu que Thiago hackeasse a rede da polícia, o que os tornaria completamente invisíveis durante a fuga, mesmo para o poderoso GTGA e suas garras fatais.

Essa linha de pensamentos o levou a um único caminho, que terminava em apenas um nome: Amanda Makarim, a lendária Rainha de Fogo. "Aquela miserável! Ela conseguiu ficar um passo a nossa frente!", refle rapidamente, o ódio querendo assumir o controle. Então algo acontece, e Maestro tem um lampejo que emerge em meio ao seu caos mental: "Ela está se aproximando!" De certo quando Amanda e seus homens invadissem o Templo todos ali seriam mortos e Bel capturada, contudo, Maestro rapidamente descobre que a executiva, a biocomputador, é agora sua única chance de escapar dali e continuar a missão."Infelizmente, é um risco que terei que assumir", pensa com preocupação.

Todos os eventos que os levaram a aquele momento permeiam a mente do deletador. O tempo se esgota, e Zardor cumpriu sua parte no acordo, trouxe em segurança Thiago e os outros dois. Agora, ele teria que fazer o prometido: entregar Bel para o sinistro homem. É a única saída. "É isso, não tem outra opção", pensa apreensivo. Então, ele aproxima sua boca do ouvido esquerdo de Bel, e, em um tom muito baixo, quase não abrindo os lábios para tentar enganar os guerreiros em sua volta, fala com ela:

- Bel, me desculpe, mas é a nossa única chance de fugir daqui, mas eu te prometo: voltarei para te buscar.

Uma expressão de espanto toma conta do rosto da executiva, e então, num movimento rápido, Maestro abaixa sua pistola e remove o braço do pescoço da moça. A multidão explode em júbilo, e um tenebroso sorriso nasce no rosto de Zardor, que balança a cabeça careca em aprovação.

Thiago e Marcela observam a tudo com os olhos arregalados, surpresos com a atitude.

- Não acredito! Ele vai entregar a Bel para esse bando de lunáticos! - grita Marcela, revoltada.

A princípio também surpreso, Thiago logo começa a raciocinar rápido: "Não! Não é do feitio de Maestro desistir sem ter uma carta na manga, ainda mais depois de perdermos tudo! Ele tá tramando alguma coisa, precisa estar!" Tentando acalmar sua amiga engenheira, Thiago se aproxima dela fazendo com que a loira olhe para ele.

- Marcela, me escuta! Maestro sacrificou nossa organização inteira por essa mulher, ela deve ser a coisa mais valiosa em Vix! Você pode ter certeza de que isso não vai acabar assim, Maestro está tramando alguma coisa.

Nesse exato instante, duas guerreiras dos Filhos de Alfa Um entram no grande salão com Davi à frente. O biohacker parece estar bem melhor, apesar das algemas. Elas o colocam perto de Marcela e Thiago e então removem os grilhões do rapaz.

- Você está bem, cara? - pergunta Thiago, gritando em meio a comemoração das pessoas. Davi, ainda meio tonto, não entende o que está acontecendo, mas logo vê Bel sendo cercada por um grupo de guerreiras de Alfa Um, que a tratam como se ela fosse algum tipo de celebridade.

- Que porra de lugar é esse, Klein ? E que diabos estão fazendo com a Bel? - Pergunta o biohacker, com ira na voz.

Porém, antes de Thiago responder, vários guerreiros cercam o trio e os fazem se mover para junto de Maestro, que foi forçado por um outro grupo a descer da pequena elevação assim que ele libertou Bel.

-Ei! Para onde vocês estão levando a minha garota! Maestro, faça alguma, faça algo, cara! - grita Davi, em prantos.

- Cale a boca, gado! - a coronhada do cabo do rifle, habilmente aplicada por uma enfezada guerreira, acerta as costas de Davi provocando uma dor aguda e fazendo o jovem cair de joelhos.

Thiago e Marcela correm para ajudar Davi, e a multidão parece estar cada vez mais enlouquecida de alegria, ovacionando a assustada executiva.

Rodeada pelas estranhas mulheres, suja e com vários hematomas pelo rosto e nos braços, somente vestida com a velha jaqueta de couro que Maestro colocou sobre seus ombros quando a resgatou do transporte acidentado da VNR, Bel está desconcertada com a situação. Exausta de mais para lutar, havia confiado em Maestro quando este se libertou dos guerreiros e a resgatou dos insanos homens, a convencendo rapidamente a participar do ardil para ganhar tempo, porém, agora não estava entendendo mais nada; por quê ele a entregou para aquela gente esquisita? E quem eram eles afinal? "Maldito dia!" Perguntas sem respostas, e cada vez mais delas. Contudo, pelo menos a dor lancinante em sua cabeça havia cessado no momento em que eles entraram no Templo, muito estranho. Então, em meio a confusão que se formou, ela consegue ver Davi; o rapaz está cercado por um grupo de guerreiros e guerreiras, no chão, ajudado por aqueles outros dois que estavam no flymob, o jovem ruivo e a loira, logo reconhece as três grandes letras estampadas nas costas da jaqueta da mulher, é a sigla da VNR; então, com um extremo pesar, Bel se lembra da boa vida que tinha até o dia anterior, e parece não acreditar em tudo que havia acontecido. Se entrega as captoras, que seguram firme em seus braços e a conduzem, enquanto alguns homens afastam os mais exaltados que tentam tocá-la. "Estou cansada de mais para chorar", lamenta em pensamentos.

Então, após andarem por alguns metros, a multidão ao redor da comitiva abre espaço, formando uma espécie de corredor. De súbito, o pequeno grupo para, e um grande homem surge em meio ao povo, a alguns metros à frente. Ele usa as mesmas vestes em farrapos de todos ali, entretanto, Bel nota as bizarras placas de circuito encrustadas nas roupas e no corpo dele, todas na cor vermelha. As pessoas começam a entoar um nome: "Isaías! Isaías!", e rapidamente o guerreiro começa a se aproximar. Instintivamente, ela tenta se soltar, mas é prontamente contida pelas mulheres guerreiras; o brutamontes fica imóvel em sua frente, e em um gesto calmo, se ajoelha; então, delicadamente, a pega no colo, a segurando com os dois braços. Ela treme de medo, seu coração dispara; vê o teto do Templo, imenso, grandioso, é uma abóboda, e uma pintura desbotada, mas ainda nítida, captura sua atenção: é um grupo de crianças, na faixa dos dez anos e de mãos dadas com um homem de barba branca, vestido como um cientista. Então ela reconhece, aterrorizada, sua própria imagem pintada entre as crianças, é Bel com dez anos de idade, de mãos dadas com o cientista!

A comitiva volta a se mover, e logo eles adentram uma das muitas portas que ladeiam o interior do Templo.

- Mãe, Mãe! Nossa Mãe retornou! Nossa era vai começar! - Grita a multidão, enquanto Bel desaparece nos braços do capitão guerreiro dos Filhos de Alfa Um.

De uma maneira ríspida, os soldados do Templo empurram Thiago, Davi e Marcela para junto de Maestro, que agora está completamente cercado por outro grupo, muito bem armado e apontando as miras para o rosto do "carrasco". Então, de uma maneira isuportavelmente pomposa, o velho Zardor se aproxima deles.

- Eu poderia matá-los aqui, ninguém daria falta de vocês - faz uma pausa e observa com curiosidade o "gado" - E de certa forma, seria até uma libertação para suas almas impuras, corrompidas pelos vícios da tão aclamada civilização...

Estranhamente calmo, Maestro encara Zardor. Sem pressa, guarda a pistola em um coldre fixado em sua perna direita, o que faz alguns dos guerreiros próximos baixarem a guarda. A camisa preta de mangas curtas que ele veste está manchada de sangue, seu rosto exibe um feio corte transversal que se prolonga da testa até uma das bochechas, como Bel e os outros, Maestro está acabado, mas entre seu pequeno grupo, sua aparência é de longe a pior.

- Corta o papo furado, Gaines. Cumpra logo o que prometeu.

"Gaines!?" Ao ouvir o nome pronunciado pelo carrasco, o velho parece sofrer uma espécie de choque: arregala os olhos, o ar de vitória some de seus trejeitos, ele parece entrar em alguma espécie de transe.

- Eu não escuto esse nome desde ... - de súbito, fica enérgico, inquisitivo - Onde você ouviu esse nome, carrasco? Fale!

Sem entender muita coisa, Thiago, Marcela e Davi observam a discussão com uma curiosidade crescente, e Davi não consegue se conter:

- Ei, seu velho desgraçado! O que fizeram com a minha namorada? Para onde os seus primatas levaram a minha garota? Responda! Eu vou matar você! Vou matar todos vocês!

Mas Zardor o ignora completamente, permanecendo focado em Maestro, que logo retruca:

- Não interessa, Gaines. E sim, você pode nos matar aqui mesmo, mas tenha certeza de que antes de morrer eu vou meter uma bala nessa sua cabeça de merda!

Os guerreiros em volta do grupo se perturbam, muitos voltam a apontar suas armas para o carrasco e seus amigos, Zardor deixa transparecer um fio de preocupação. Percebendo a reação do velho, Maestro volta a falar, abaixando o tom:

- Temos um trato. Você deu sua palavra e conseguiu o que queria. Agora, prove que ainda tem um pouco de honra. Nos dê o mapa, vamos acabar logo com isso - muda mais uma vez o tom, ficando um pouco mais amigável - E se eu fosse você, começaria a tomar providências, porque a VNR e a UNI-Tron estão chegando.

Zardor olha fixamente para Maestro, como se pudesse ler a mente do deletador, deixando todos bastante apreensivos; o tempo parece congelar por um segundo, e o carrasco leva discretamente sua mão ao encontro do cabo da pistola. O velho arqueia as sobrancelhas, percebe o gesto do oponente, então, respira fundo e finalmente fala:

- Está bem, miserável, está bem. A palavra de um homem é sua maior fortuna,nisso você está certo, e apesar de tudo, de fato cumpriu o que prometeu. Então, para quem devo mandar o mapa?

Maestro respira aliviado, então aponta para Thiago. Em segundos, o jovem hacker sente uma pontada em sua cabeça, e então, do nada, uma mensagem aparece em suas retinas: "GeoMaps: Atualização disponível. Deseja instalá-la agora? (Sim/Não)".

"O que foi isso ?! Copiaram um arquivo para meu CND sem a minha autorização! Cara, fui hackeado!" - pensa o ruivo, assustado.

Marcela olha impressionada para Zardor; aquela antena metálica saindo das costas do velho a deixou perturbada quando ela notou que o artefato saía de dentro da carne, que estava de alguma forma ligado à coluna vertebral do homem. Quem era aquele doido? E por quê Maestro o chamou de Gaines? "Meu Deus, que mundo é esse em que fui me meter?", pensa.

- Pronto. - grita Zardor - Vocês estão livres. Sigam para a estação 457, lá, encontraram um pequeno veículo que poderá levá-los para fora de Vix. Agora vão! - ele encara mais uma vez Maestro, cerrando os olhos. - Espero nunca mais encontrá-lo, carrasco, mas se isso acontecer, eu não serei tão honrado. Ah, e em relação aos demônios capitalistas e seus lacaios, fique tranquilo, eles jamais vão encontrar nosso templo, vão sucumbir nos labirintos do reino subterrâneo e nós vamos sobre suas carcaças!

"Pobre Gaines, nem imagina onde está se metendo. Esses anos todos dentro desse buraco o deixaram ainda mais louco", pensa Mastro, dando as costas para o velho e o grupo de guerreiros.

Zardor dá meia volta e desaparece junto a multidão, que começa a se dispersar, entretanto, deixa um pequeno dois guardas com a missão de escoltar Maestro e seu grupo para fora do Templo. Os ânimos enfim se acalmam. Apressadamente, Davi se aproxima de Maestro, sua expressão deixa escapar um fio de raiva,

- Seu filho da puta! Você vendeu a Bel para esses escrotos!

Thiago e Marcela olham assustados e surpresos para o biohacker. Maestro se volta para ele e então, inesperadamente, Davi avança contra o homem negro, projetando seu braço direito com o punho fechado; mas o "carrasco" desvia no último segundo, e o soco de Davi atinge apenas o ar. Rápido, Maestro agarra o outro braço do rapaz, então o torce, provocando uma dor aguda e dominando Davi, o forçando a se ajoelhar.

- Eu sei o que estou fazendo, porra! Ponha a merda da sua cabeça no lugar, Davi!

O Vampiro esbraveja de dor enquanto Maestro força ainda mais seu braço. Os dois guerreiros de Alfa Um parecem se divertir com a cena, soltando pequenas gargalhadas. Marcela corre para os dois e segura um dos braços de Maestro

- Solta ele, cara, solta ele! Você entregou ela mesmo! Ela vai morrer por sua causa!

Maestro encara Marcela;

- Não, moça, ela não vai morrer. Mas se não sairmos daqui agora, todos nós vamos morrer.

A engenheira recua. Então Maestro finalmente solta o braço do biohacker, ele geme.

- Levante-se, Davi, chega de brincadeiras, porra. Temos que sair daqui o mais rápido possível.

Enquanto isso, Thiago observa bestificado o gigantesco labirinto tridimensional de túneis em verde fosforescente que se forma em suas retinas, quando ele abre no GeoMaps o recente arquivo fornecido por Zardor. A malha se estende por quilômetros embaixo de Vix, com diversos pontos que terminam em locais ermos fora dos limites da megalópole, alguns dos quais e dentro das Zonas de Exclusão. Então, um emaranhado de tuneis começa a se destacar, assumindo um brilho azul cintilante, logo, ele reconhece no mapa a representação do Templo, de onde o caminho marcado parte. É a rota de saída, que, pelo mapa, leva a um grande quadrado, onde o número 457 se acende como mágica. A partir desse local, Thiago repara que saem vários outros túneis, rotas subterrâneas que levam para fora de Vix. "Enfim a liberdade!", ele pensa com um brilho de esperança em seus olhos verdes.

https://www.facebook.com/engenhariareversalivro

[Anterior] [Próximo]
André Luis Almeida Barreto
Aspirante a escritor, inquieto por natureza, ainda tenho vontade de mudar o mundo ou pelo menos colocar um monte de gente para pensar. Viciado em livros, games, idéias loucas e sempre procurando coisas que desafiem minha imaginação.

comentários pelo facebook:

16 comentários em "[Bookserie] Engenharia Reversa: Parte XVI - O Acordo do Carrasco"

  1. Bem interessante e legal essa parte XVI da história, estou adorando, está ótimo acompanhar a história. Você escreve muito bem.
    Estou aguardando a próxima parte.

    ResponderExcluir
  2. Gostei bastante da sua escrita, e do desenvolvimento da história, mas esse não e tipo de gênero literário que costumo ler, mas gostei bastante, parabéns, tenho certeza que você vai conseguir ir longe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Lana! Reconhecimento sempre é bom!

      Excluir
  3. André, a sua escrita está se mostrando mais desenvolta a cada capítulo postado, bastante percebível este aspecto. O capítulo de hoje não poderia deixar de ser o melhor, pois a história está bastante evoluída. Curioso sobre esta fuga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bacana, Ycaro, tenho mesmo me esforçado para produzir um conteúdo de qualidade. Não é fácil, mas vale cada segundo! Abraços!

      Excluir
  4. Adorando a evolução da estória e da sua escrita. A cada dia melhor.
    Bora esperar o próximo capítulo.

    ResponderExcluir
  5. Mais um capítulo =] enfim liberdade?Termina atiçando.
    Parabéns e cada vez mais inspiração e dedicação para a booksérie,André!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helen! Thank You! Posso te dizer que vai ser uma liberdade bem custosa para esse povo! Abraços!

      Excluir
  6. André!
    A cada novo capítulo me sinto mais envolvida em toda ficção criada por você.
    Parabéns!
    “Temos a arte para não morrer da verdade.”(Friedrich Nietzsche)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente citação, Rudy,como sempre perfeita! Obrigado pelo carinho e forte abraço!

      Excluir
  7. Estou cada vez mais curiosa para descobrir o que são os filhos e filhas de Alfa Um, confesso que suspeito de algo e não vejo a hora de descobrir se estou certa ou errada rsrs.
    Decisão difícil a do Maestro, e o que será que vai acontecer com a Bel? Espero que algumas respostas apareçam no próximo capítulo.
    Curti bastante esse capítulo.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois, Any. A coisa tá complicando cada vez mais...Rs. Mas por curiosidade, qual é a sua suspeita?
      Abraços e obrigado!

      Excluir
  8. Sabe quando vocè lê algoe fica cheiode caraminholas na cabeça?!?! Tecendo teorias e mais teorias pra explicar o que acabamos de ler?!?! É assim que me sinto agora. Kkkkkk

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKK! Que bom, que ótimo que o capítulo te deixou assim, Nardonio...rs Brincadeiras a parte, muito obrigado pelo comente e por ler! Forte abraço!

      Excluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir