acompanhe o blog
nas redes sociais

28.9.17

[Bookserie] Engenharia Reversa: Parte XXXV - Um Aliado Improvável

André Luis Almeida Barreto


Engenharia Reversa


Parte XXXV - Um Aliado Improvável


No alto da torre, as chamas aumentam dentro da sala de controle, estourando os vidros e cuspindo fumaça pelas janelas. Lá embaixo, no extenso pátio interno da pequena fortaleza que é o Ninho de Gavião, dezenas de cadáveres estão espalhados por todos os cantos. Os agentes especiais da VNR não deixaram nenhum sobrevivente, eliminaram com igual frieza militares e civis.

Agora, os destacamentos da corporação estão embarcando em dois flymobs de transporte pousados no centro do pátio. Entre as naves, ajoelhados no chão de terra batida, com os braços para trás e as mãos amarradas, Bel, Maestro e Davi são vigiados por três brutamontes de rifles em punho, posicionados atrás deles. Davi se volta para Bel, observando-a: ela está com a cabeça abaixada, a postura curvada e o olhar perdido. Um estranho capacete, colocado nela pelos agentes da VNR, emiti um ruído baixo e constante.

- Essa... essa coisa aí na sua cabeça... isso está te machucando? - Pergunta ele cuidadosamente.

- Não, eu tô bem. É só algum tipo de dispositivo bloqueador. Não consigo captar mais nada, como se eu estivesse cega. Mas tem um lado bom: meio que me isola do mundo.

- Posso imaginar. Depois que perdi meu CND também me senti assim, cego, desconectado.

Davi bufa, espera alguns segundos, então volta a falar:

- Foi uma pena que não deu certo entre a gente.

Ele olha para Bel esperando alguma reação, mas ela permanece calada. Igualmente quieto, Maestro parece estar dormindo.

- Eu realmente gostei de você. Desculpa se te magoei, mas era o meu trabalho, entende? - insiste Davi.

- Você tem certeza que quer falar sobre isso agora? - finalmente ela responde, a voz arrastada, distante.

- Só estou querendo me despedir numa boa - ele sobe o tom.

A última frase surte o efeito que Davi queria, fazendo Bel olhar para ele:

- O quê? Se despedir? - questiona ela, surpresa.

- Olhe à sua volta, Bel, olha pra você! Estamos acabados, derrotados, capturados! É o fim da linha. Esses caras só não nos mataram ainda porque estão esperando pela Amanda. Com certeza ela vai meter uma bala na minha cabeça, vai decapitar o Maestro, e vai te entregar numa bandeja para os malditos executivos da VNR. Não consigo nem imaginar o que vão fazer com você. Vai ter sorte se só apagarem sua memória e te mandarem para uma filial no outro lado do mundo.

Bel sacode a cabeça.

- Não perca a esperança assim tão facilmente, Davi - intervêm Maestro. - Você se esquece que ainda temos um trunfo. E enquanto respirarmos, sempre teremos uma chance. Você já deveria saber disso.

Davi franze a testa, irritando-se. Ele se curva para frente tentando ver Maestro .

- É sério? Você vai vir com esse papo furado justo agora? - E a Marcela? E o Thiagão? Ele virou um maldito arquivo de dados! E a essa altura, a Marcela já deve estar morta!

- Eles não mataram a Marcela - responde Bel com seriedade, subindo o tom.

- E como você sabe disso? Não bloquearam seus 'poderes' ? - replica Davi, zombeteiro.

- Eu simplesmente sei.

Em um gesto automático, Davi tenta soltar as mãos, mas as algemas de plástico são extremamente eficientes, machucando seus pulsos cada vez que ele os força. Se aproxima o máximo que pode de Bel, que está ajoelhada entre ele e Maestro, então sussurra:

- Bel, me escuta pelo menos uma vez na vida: não tem como escaparmos! Mesmo se os brasilianos chegarem aqui, você acha que eles vão ter alguma chance contra esse exército da VNR? E que história é essa de que você simplesmente sabe? Virou algum tipo de vidente agora?

- Não chegamos até aqui por acaso. Eu acho que somos muito bons em sobreviver. Mastro está certo, enquanto respirarmos, teremos sempre uma chance. E quanto a Marcela, não sei explicar, mas tenho certeza absoluta de que ela está viva.

- Não é possível. Essa coisa aí na sua cabeça está afetando seus pensamentos. De qualquer forma, foi um prazer ter te conhecido - responde Davi, esforçando-se para soar conciliador.

- Eu realmente lamento muito pelo Thiago. Infelizmente, a Marcela estava no lugar errado na hora errada, também lamento por ela - diz Maestro, solene.

- Uma pena. Mas seus lamentos não vão trazer ela de volta - responde Davi, seco.

Um instante de silêncio. Os prisioneiros observam o flymob de transporte: todos os agentes embarcaram, mas três deles permanecem do lado de fora da nave. Então, Bel quebra o silêncio:

- Maestro. É bom que você saiba, eu vou encontrar Marcela e resgatá-la, e também vou encontrar um corpo novo para o Thiago. Eu quero que os dois fiquem juntos. E por isso, não vou para o Brasil com vocês.

- O quê? Ficou louca! - grita Davi, surpreendido.

O rosto de Maestro muda para um semblante carrancudo. Ele crava seus olhos nos olhos de Bel, encarando-a por alguns segundos. Segue-se um incomodo silêncio, então, finalmente, Maestro responde:

- Isso eu não posso permitir.

Bel ergue o tronco, ficando ereta sobre os joelhos. Ela devolve o olhar carrancudo do armador estreitando os olhos para ele.

- Maestro, por mais que eu goste de você, você não decide o que eu faço - desafia ela, implacável.

Os dois ficam se encarando por um momento, então, o barulho das turbinas do flymob corta o ar, enquanto a nave se eleva mais e mais. Maestro cede, virando o rosto para o outro lado, mas Bel permanece olhando para ele.

- Eu já sei o que querem fazer comigo no Brasil; o que eu não sei, é com quem você se importa mais: comigo ou com eles.

Maestro não responde, permanecendo com o rosto virado, olhando para um dos lados da muralha da fortaleza.

- Pessoal, temos companhia - diz Davi, tenso.

Maestro e Bel olham para frente. Três agentes da VNR se aproximam deles. O do meio, diferente de todos os outros, não possui detalhes prateados em sua armadura, sendo ela completamente negra e fosca. Ele não carrega nenhum rifle, mas os cabos das pistolas são bem visíveis em dois coldres, um em cada perna.

O agente da armadura fosca para diante deles, as mãos tocando os cabos das pistolas. Os outros dois que o escoltam ficam alguns passos atrás, com seus rifles apontados para o chão.

- Acho que chegou a hora, pessoal. Foi um prazer - lamenta Davi, a voz trêmula, atraindo o olhar reprovador de Bel.

O agente leva uma das mãos ao capacete, levantando a viseira. Os prisioneiros podem ver os traços nipônicos no rosto dele.

- Com os comprimentos do venerável Seiji Nakashima, vocês estão livres para ir - diz o agente. - Podem soltar as algemas! - ordena.

Dois dos brutamontes se agacham atrás dos prisioneiros. Com facas militares muito afiadas, eles cortam rapidamente as tiras de plásticos.

Sem entender o ocorrido, Davi olha boquiaberto para Bel, e depois para Maestro. Os agentes passam por eles apressados, rumando para o outro flymob, que começa a ligar as turbinas.

- Eu não disse, temos sempre que ter esperança - afirma Bel, gabando-se com um pequeno sorriso nos lábios.

Os três se levantam. Bel se espreguiça, levantando os braços acima da cabeça. Davi começa a rir copiosamente . Fica nesse estado durante quase um minuto, então, se apoia nos joelhos tomando fôlego. Bel olha para ele, divertida. O biohacker começa a falar:

- Quem é esse tal de Seiji?

- Um aliado improvável - responde Maestro, seco, olhando para o flymob que ganha altitude.

- Eles esqueceram de tirar o capacete de você - aponta Davi. - E por que será que nos libertaram assim tão facilmente? Depois de tudo isso?

Bel gesticula os braços, como quem diz: eu não faço ideia.

Maestro se afasta dos dois, andando em direção ao corpo de um dos soldados da divisão Gavião. Ele se abaixa ao lado do cadáver, pega um fuzil, confere se o mesmo está carregado, rapidamente levanta-se empunhando a arma.

https://www.facebook.com/engenhariareversalivro

IR PARA O PRIMEIRO CAPÍTULO

Para navegar entre os capítulos clique sobre os botões "Anterior" e "Próximo" disponíveis logos abaixo.

[Anterior] [Próximo]


André Luis Almeida Barreto
Aspirante a escritor, inquieto por natureza, ainda tenho vontade de mudar o mundo ou pelo menos colocar um monte de gente para pensar. Viciado em livros, games, idéias loucas e sempre procurando coisas que desafiem minha imaginação.

comentários pelo facebook:

18 comentários em "[Bookserie] Engenharia Reversa: Parte XXXV - Um Aliado Improvável"

  1. Confesso que fiquei perdida na estória por conta de não ter lido os outros capítulos, mas amei esse capítulo. Bom, espero ter tempo que ler tudo desde o começo novamente e me aventurar nesse universo que você criou.

    ResponderExcluir
  2. Quando tudo parecia perdido acontece uma reviravolta e eles são soltos, mas tem que ver o que tem por trás disso *__*

    ResponderExcluir
  3. André!
    Muito estranho terem soltado eles e ainda deixarem o capacete com Bel... acredito que muitas coisas acontecerão nos próximos capítulos.
    Bem curiosa pela continuação...
    “Eis um teste para saber se você terminou sua missão na Terra: se você está vivo, não terminou.” (Richard Bach)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Rudy, ainda tem muita coisa para acontecer! Obrigado!

      Excluir
  4. Davi sendo o chato como sempre, não simpatizo com ele, prefiro o Maestro rsrs.
    Espero que a Bel consiga trazer o Thiago e a Marcela de volta!...
    Que final foi esse, André?! Ansiosa pelo próximo capítulo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Any. O próximo capítulo será mais revelador e vai concluir esse! Valeu!

      Excluir
  5. Que história mais legal!
    Fiquei um pouco perdida, pois não li os capítulos anteriores!
    Mas gostei bastante!
    Beijoss.

    ResponderExcluir
  6. Oi André.
    Confesso que nesse momento estou muito perdida (como sempre) mas enfim, eu gostei do capítulo apesar de não ter pegado quanse nada da história, essa nova forma de navegar entre od capítulos é interessante e facilita bastante a nossa vida.
    Bjs.
    Muito sucesso.

    ResponderExcluir
  7. André que sdds que eu estava da Bookserie!!!
    Cada vez mais arrasando, parabéns o capítulo tá excelente como sempre!!
    Bjs!!

    ResponderExcluir
  8. Oi, André!!
    Como se diz aquele velho ditado popular "a esperança é a última que morre" adorei o capítulo! Ansiosa pelo próximo!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
  9. Nossa este capítulo esta tenso, ainda bem que á Bel é mais cabeça e não perdeu as esperanças estava firme e forte, curiosa com esse triunfo que eles tinham, mas fiquei mais curiosa com o que vem por trás de libertação deles pois foi muito fácil para ser verdade, quando a esmola é demais o santo desconfia rs.

    ResponderExcluir
  10. Assumo que estou bem perdida na historia hahahah, fiquei vários capítulos sem ler, mas gostei muito desse, tentarei correr atras do tempo perdido e ler o que deixei para traz.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Estou feliz por ver essa historia de volta, já estava sentindo falta. Gostei muito da continuação mostrou uma aventura maravilhosa. Estou já ansiosa para o próximo!

    ResponderExcluir

Qual sua opinião sobre o livro? Compartilhe!

Tecnologia do Blogger.
siga no instagram @lerparadivertir